DO TAYLORISMO/FORDISMO À ACUMULAÇÃO FLEXÍVEL: IMPLICAÇÕES DOS REGIMES DE ACUMULAÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO

Autores

  • João Kaio Cavalcante de Morais Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Norte
  • Dante Henrique Moura Instituto Federal do Rio Grande do Norte - IFRN

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v1i17.19299

Palavras-chave:

Trabalho – Capitalismo, Fordismo, Acumulação Flexível,

Resumo

FROM TAYLORISM / FORDISM TO FLEXIBLE ACCUMULATION: IMPLICATIONS OF THE ACCUMULATION SCHEMES FOR THE WORLD OF WORK

Resumo: Como atividade predominantemente humana, o trabalho se constitui enquanto ação de transformação da natureza para suprir as necessidades e os interesses dos homens. Apesar disso, nota-se que esse sentido foi desapropriado pela lógica do capital ao longo dos últimos três (3) séculos. Esse artigo tem como objetivo analisar a categoria trabalho no contexto dos regimes de acumulação de capital. Para isso, consultou-se os textos de Marx (1980), Harvey (2014), Antunes (2009), dentre outros. O que caracterizou essa pesquisa enquanto bibliográfica a partir de uma abordagem qualitativa. Percebeu-se, a partir dos textos dos autores, a existência de 2 (dois) regimes de acumulação: o Taylorismo/Fordismo e a Acumulação Flexível. O primeiro teve como principal característica a produção em massa e a divisão do trabalho em manual e intelectual. Já no segundo notou-se uma maior flexibilização da produção, com o intuito de atender as demandas do mercado, o que ocasionou mudanças significativas no mundo do trabalho, culminando em jornadas de trabalho mais flexíveis, empregos temporários e terceirizados, bem como perda de direitos trabalhistas.

Abstract: Work is an action of transformation of nature to meet the needs and interests of men. This sense has been expropriated by the logic of capital over the last three (3) centuries. The purpose of this article is to analyze the category of labor in the context of capital accumulation regimes. We have recourse to Marx (1980), Harvey (2014), Antunes (2009). What characterized this research as a bibliographical from a qualitative approach. From the authors' texts, we can see the existence of two (2) regimes of accumulation: Taylorism / Fordism and Flexible Accumulation. The first one had as main characteristic the mass production and the division of the work in manual and intellectual. In the second, production was more flexible, in order to meet the demands of the market, which led to significant changes in the world of work, culminating in more flexible working hours, temporary and outsourced jobs, as well as loss of rights Labor markets.

 

Keywords: work – capitalismo – Fordism – Flexible build-up.

 

Biografia do Autor

João Kaio Cavalcante de Morais, Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Norte

Professor licenciado em Biologia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) campus Macau (2011-2015). Foi bolsista do Programa de Iniciação à Docência (PIBID) (2012-2015). Encontra-se no último período do curso de mestrado acadêmico em Educação Profissional (PPGEP) do IFRN campus Natal Central, bolsista da CAPES (2015-2017) e professor efetivo do estado do Rio Grande do Norte. Encontra-se vinculado ao NUPED (Núcleo de Pesquisa em Educação) do IFRN. Nesse grupo, desenvolve pesquisas junto ao seguinte projeto: ESPECIALIZAÇÃO PROEJA-IFRN (2006-2009): contribuições para a formação e prática profissional dos egressos. É representante discente no colegiado do PPGEP (2015-2016) e foi representante discente do colegiado do curso de licenciatura em Biologia (2011-2013) do IFRN. É professor efetivo do Estado do Rio Grande do Norte, lotado na 16º DIREC na Escola Estadual Francisco de Assis Bittencourt, onde leciona o componente curricular de Biologia nas 1º,2º e 3º séries do Ensino Médio. Tem interesse em desenvolver pesquisas no que tange aos seguintes temas: Trabalho e Educação, Educação Profissional, Formação Docente, Saberes Docentes, Professores de Biologia.

Dante Henrique Moura, Instituto Federal do Rio Grande do Norte - IFRN

Técnico em Eletrotécnica pela Escola Técnica Federal do Rio Grande do Norte (1979), possui graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1986) e doutorado em Educação pela Universidade Complutense de Madri (2003). É professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) desde 1986, onde leciona disciplinas do núcleo Formação Pedagógica nas licenciaturas oferecidas pela Instituição. De 2010 a 2012 coordenou o processo de elaboração da proposta de criação do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional do IFRN - mestrado acadêmico ? (PPGEP), o qual foi aprovado pela CAPES em 2012. A partir de 2013 assumiu a coordenação desse Programa. Tem experiência na área de administração educacional, sendo que no IFRN já exerceu, dentre outras funções, a de Diretor de Recursos Humanos (1991-1995), a de Vice-Diretor Geral (1996-1998) e a de Diretor de Ensino (2004-2005). Coordenou a elaboração de vários projetos institucionais, dentre eles o Redimensionamento do Projeto Político-Pedagógico da Instituição (2004-2006). Participou (2005 a 2007) dos Grupos de Trabalho que elaboraram, no âmbito do MEC, os Documentos Base do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos ? PROEJA (Ensino Fundamental e Ensino Médio) e do Ensino médio integrado aos cursos técnicos de nível médio. A partir de 2010 passou a integrar o corpo docente do PPGEd/UFRN como professor Colaborador, onde é orientador de mestrado e de doutorado. É pesquisador em educação, atuando principalmente em Políticas Educacionais e Trabalho e Educação, com ênfase no campo da educação profissional e em sua integração com a educação básica e com a educação de jovens e adultos. É um dos fundadores do Núcleo de Pesquisa em Educação (NUPED) do IFRN, sendo atualmente seu coordenador. Atualmente integra o Comitê Científico da ANPEd, representando o GT09 (Trabalho e Educação) e coordena o FORPRED Nordeste.

Referências

ANTUNES, Ricardo. Século XXI: Nova era da precarização estrutural do trabalho. In: ANTUNES, Ricardo; BRAGA, Ruy (Org.). Infoproletários: degradação real e virtual do trabalho. 3 ed. São Paulo: Boitempo, 2009a. p. 231-239a.

_______. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2009b.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CATTANI, Antonio David. Taylorismo, in Cattani, Antonio David (org), Trabalho e Tecnologia: dicionário crítico. Petrópolis: Vozes, 1997.

HARVEY, David. A Condição Pós-moderna. 14 ed. São Paulo: Loyola. 2014.

______. Os limites do capital. 2013. ed. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, KARL. O capital: crítica da economia política. 5. ed. Livro 1 v. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

MÉSZÁROS, István. Atualidade histórica da ofensiva socialista. São Paulo: Boitempo, 2010.

MOURA, Dante Henrique. Mudanças na sociedade brasileira dos anos 2000 limitadas pela hegemonia do neoliberalismo: implicações para o trabalho e para a educação. In: MOURA, Dante Henrique (Org.). Produção de Conhecimento, Políticas Públicas e Formação Docente em Educação Profissional. Campinas: Mercado de Letras, 2013. p. 109-141.

SPINELLI, José Antonio; LYRA, Rubens Pinto. Capitalismo de acumulação flexível e as categorias gramscianas. Cronos,Natal, v. 8, n. 2, p.567-587, jul. 2007.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 12 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

Downloads

Publicado

2017-07-31

Como Citar

MORAIS, João Kaio Cavalcante de; MOURA, Dante Henrique. DO TAYLORISMO/FORDISMO À ACUMULAÇÃO FLEXÍVEL: IMPLICAÇÕES DOS REGIMES DE ACUMULAÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO. Revista Labor, [S. l.], v. 1, n. 17, p. 62–72, 2017. DOI: 10.29148/labor.v1i17.19299. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/19299. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.