ESTRESSE EM PROFESSORAS DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL

  • Antonio José Fernandes Ricardo
  • Adriele Domingos do Amaral
  • Márcia de Souza Hobold UFSC-UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA.
Palavras-chave: professores da educação infantil, estresse, adoecimento docente.

Resumo

Professores no Brasil têm suas condições de trabalho precárias, por falta de recursos, reconhecimento, intensidade de trabalho entre outras questões que levam a um desgaste emocional e físico causando seu adoecimento com mais facilidade. O estresse trata-se de um fator que afeta tanto a vida pessoal como profissional e pode ser o gerador de adoecimento físico e psíquico, como será apresentado neste artigo, que possui como objetivo central apresentar as causas do estresse em professoras de um Centro de Educação Infantil e sua implicação para o exercício do trabalho docente. O artigo agrega os resultados de uma pesquisa qualitativa, decorrente de uma minuciosa busca teórica sobre estresse na educação e consequências na saúde, observações participantes, além de dados de entrevista com quatro professoras que atuam em um Centro de Educação Infantil, localizado em uma cidade de Santa Catarina. Como método de análise de dados foi utilizada a análise em prosa (ANDRÉ, 1983), que prioriza o discurso livre dos entrevistados, ancorada no referencial teórico dos seguintes autores: Nassif (2010), Martins (2007), Gatti (2010), Witter (2003) entre outros, que discutem assuntos relacionados à educação, estresse e adoecimento de professores. Os resultados da pesquisa apontaram que o estresse gerado pelo trabalho ocorre devido a questões que envolvem as crianças (alunos do CEI) e as famílias e, que muitas vezes, o estresse provocado pelo envolvimento nestas questões acarreta contratempos, conflitos e, por consequência, adoecimento e exaustão física e psíquica. As professoras também relataram experiências estressantes vivenciadas em outros CEI’s em que atuaram.

Biografia do Autor

Antonio José Fernandes Ricardo

Mestre em Educação pela Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE. Professor concursado na Rede Estadual de Ensino de Santa Catarina e no Ensino Médio do Senai  em Joinville. Membro do GETRAFOR, Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Trabalho e Formação Docente, relacionado com o Mestrado em Educação da Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE.

Adriele Domingos do Amaral
Graduada em Psicologia pela Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE
Márcia de Souza Hobold, UFSC-UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA.

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC SP). Realizou estágio de Pós-Doutoramento (CNPq PDJ) também na PUC SP. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), vinculada ao Departamento de Metodologia de Ensino, do Centro de Ciências da Educação (MEN/CED/UFSC). Integra a Rede Interinstitucional de Pesquisas sobre a Formação e as Práticas Docentes – RIPEFOR, o Grupo de Trabalho (GT 8) de Formação de Professores da ANPEd Nacional, O Grupos de Estudos e Pesquisas sobre o trabalho e a formação docente – GETRAFOR, da UNIVILLE, e, o Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre o Desenvolvimento Profissional Docente, da PUC SP. 

Referências

ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith. Representação do trabalho do professor das séries iniciais: a produção do sentido de "dedicação". Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 89, n. 223, 2008.

ANDRADE, Lucas Veras de. MAL-ESTAR E ATIVIDADE DOCENTE: UM ESTUDO COM PROFESSORAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL, Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v.21, n.1, p.65-82, jan./abr.2012.

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Texto, contexto e significados: algumas questões na análise de dados qualitativos. Cadernos de pesquisa, n. 45, p. 66-71, 2013.

BATISTA, J. B. et al. O ambiente que adoece: condições ambientais de trabalho do professor do ensino fundamental. Cadernos Saúde Coletiva, v. 18, n. 2, p. 234-42, 2010.

BONI, Valdete; QUARESMA, Sílvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em Tese, v. 2, n. 1, p. 68-80, 2005.

CARDOSO, Andréa Maria Bittencourt Lucena et al. Análise do funcionamento da Comunicação na Relação Escola/Família na Escola Marco Inicial. 2007.

CARLOTTO, Mary Sandra. A síndrome de burnout e o trabalho docente. Psicologia em estudo, v. 7, n. 1, p. 21-29, 2002.

CHRISTOPHORO, Rosangela; WAIDMAN, Maria Angelica Pagliarini. Estresse e condições de trabalho: um estudo com docentes do curso de enfermagem da UEM, Estado do Paraná. Acta Scientiarum. Health Sciences, v. 24, p. 757-763, 2002.

DE ARAÚJO III, Tânia Maria; DELCORIV, Núria Serre. Associação entre distúrbios psíquicos e aspectos psicossociais do trabalho de professores. Revista de Saúde Pública, v. 40, n. 5, p. 818-26, 2006.

DE LIMA, Liliana Correia; PEDAGOGA, P. D. E. Interação Família-Escola: Papel da família no processo ensino-aprendizagem. 2009.

FERREIRA, Cristiane Magalhães e GOULART, Íris Barbosa. Adoecimento Psíquico de Professores: um estudo de casos em escolas estaduais de educação básica numa cidade mineira. FACULDADES INTEGRADAS DE PEDRO LEOPOLDO, p. 1 a 87, 2011.

GASPARINI, Sandra Maria; BARRETO, Sandhi Maria; ASSUNÇÃO, Ada A. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, p. 189-199, 2005.

GATTI, Bernardete A., FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO BRASIL: CARACTERÍSTICAS E PROBLEMAS. Educação & Sociedade [enlinea] 2010, 31 (Octubre-Diciembre). Acesso em: 08 de setembro de 2016. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=87315816016> ISSN 0101-7330.

KAPCZINSKI, Flávio; IZQUIERDO, Iván; QUEVEDO, João. Bases Biológicas dos Transtornos Psiquiátricos: Uma Abordagem Translacional. Artmed Editora, 2009.

LEITE, Célio Rodrigues; LÖHR, Suzane Schmidlin. Conflitos professor-aluno: uma proposta de intervenção. Diálogo em Educação, v. 12, n. 36, p. 575-590, 2012.

LIPP, M. E. N. et al. Estresse: conceitos básicos. Pesquisas sobre estresse no Brasil. Saúde, ocupações e grupos de risco, Papirus Editora, p. 17-31, 1996.

LIPP, Marilda Novaes. O stress está dentro de você. Editora Contexto, 2000. Disponível em:< http://www.insightpsiquiatria.com.br/images/2014/pdfs/O-Stress-esta-Dentro-de-Voce.pdf > Acesso em: 13 de setembro de 2016.

LUDKE, Menga & ANDRÉ, Marli E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, Editora Pedagógica e Universitária, 1986. 99p.

MAFFIA, Lyovan Neves e PEREIRA, Luciano Zille. Estresse Ocupacional: Estudo com Gestores que Atuam nas Secretarias de Governo do Estado de Minas Gerais. (p. 1 a 16, 2013).

MANZINI, Eduardo José. Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. 2004. Trabalho apresentado ao II Seminário Internacional de Pesquisa e Estudos Qualitativos, Bauru, 2004.

MARGIS, Regina et al. Relação entre estressores, estresse e ansiedade. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 25, n. 1, p. 65-74, 2003.

MARTINS, Maria das Graças Teles. Sintomas de stress em professores brasileiros. Revista Lusófona de Educação, Paraíba, Brasil, 10, 109-128, 2007.

MIRANDA, Elis Dieniffer Soares. A influência da relação professor-aluno para o processo de ensino-aprendizagem no contexto afetividade. Encontro de Iniciação Científica, v. 8, 2008.

NASSIF, Joana Carina Pereira. A Relação Família-Escola no Desenvolvimento Psicossocial da Criança–Uma Revisão. Unesc, pp. 1-50, 2010

OLIVEIRA, Dalila Andrade. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação & Sociedade, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, 2004.

OLIVEIRA, Gicileide Ferreira e FREITAS, Lêda Gonçalves. Prazer e Sofrimento no Trabalho de Professores dos Anos Finais do Ensino Fundamental em uma Escola Pública do DF. Universidade Católica de Brasília, p. 1 de 115, 2014.

PASCHOAL, Tatiane; TAMAYO, Álvaro. Validação da escala de estresse no trabalho. Estudos de psicologia, v. 9, n. 1, p. 45-52, 2004.

PETRUCCI, Giovanna Wanderley; BORSA, Juliane Callegaro; KOLLER, Sílvia Helena. A Família e a escola no desenvolvimento socioemocional na infância. Temas em Psicologia, v. 24, n. 2, p. 391-402, 2016.

RODRIGUES, William Costa et al. Metodologia científica. Paracambi: Faetec/ist, v. 40, 2007.

SOUZA, Aparecida Neri de et al. Condições de trabalho e suas repercussões na saúde dos professores da educação básica no Brasil. Educação & Sociedade, 2011.

THURLER, Monica Gather; PERRENOUD, Philippe. Cooperação entre professores: a formação inicial deve preceder as práticas. Cadernos de pesquisa, v. 36, n. 128, p. 357-375, 2006.

VALLE, Luiza Elena Leite Ribeiro do. Estresse e distúrbios do sono no desempenho de professores: saúde mental no trabalho. 2011. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

VYGOTSKY, Leontiev. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Martins Fontes Editora Ltda. São Paulo – SP, 1991.

WITTER, Geraldina Porto. Professor-estresse: análise de produção científica. Psicologia Escolar e Educacional, v. 7, n. 1, p. 33-46, 2003.

Publicado
2019-03-31
Como Citar
RICARDO, A. J. F.; AMARAL, A. D. DO; HOBOLD, M. DE S. ESTRESSE EM PROFESSORAS DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Revista Labor, v. 1, n. 20, p. 7-26, 31 mar. 2019.
Seção
Artigos