EDUCAÇÃO E FARMÁCIA: QUESTÕES DE FUNDAMENTOS PARA A FORMAÇÃO PRÁTICA E A INTERDISCIPLINARIDADE

Palavras-chave: Educação farmacêutica, Diretrizes Curriculares Nacionais, Interdisciplinaridade.

Resumo

Propôs-se aqui um diálogo crítico com autores que têm trabalhado o tema educação farmacêutica recentemente, tendo como base uma análise sobre os fundamentos filosófico-científicos das Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Farmácia. O intuito é sustentar uma posterior intervenção educacional direcionada para a interdisciplinaridade e a prática voltada para o Sistema Único de Saúde. Além disso, realizou-se uma análise sobre concepções de métodos e metodologias. A análise foi realizada através de uma leitura crítica dos autores, assim como de revisão de literatura sobre o assunto, tendo uma posição ontológica como método, calcada na materialidade histórico-dialética do ser social. Observou-se como resultado a necessidade de os estudos em educação farmacêutica analisados voltarem a sua atenção para as questões de fundamentos filosófico-científicas, pois são estas as bases para as teorias educacionais e diretrizes curriculares que retroalimentam a formação de farmacêuticos.

Biografia do Autor

Marcelo José de Souza e Silva, Universidade Federal do Paraná
Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Paraná (2011), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (2013) e doutorado em Ciências (Medicina Preventiva) pela Universidade de São Paulo (2017). Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase na relação entre Trabalho e Educação na área da Saúde e nas contribuições provenientes das Ciências Sociais para a Saúde.
Adriano Jorge Torres Lopes, Universidade Estadual do Ceará
Possui graduação em Farmácia, com habilitação em Bioquímica, pela Universidade Federal do Maranhão (2009). Especialização em Docência e Pesquisa no Ensino Superior pela Faculdade São Luís (2011). Mestrado em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (2012); Linha de Pesquisa Marxismo, Educação e Luta de Classes; Eixo Temático Ontologia Marxiana e Educação. Graduação em Pedagogia - Licenciatura Plena, pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (2017). Doutorado em Educação pela Universidade Estadual do Ceará (em andamento); Linha de Pesquisa Formação, Didática e Trabalho Docente; Núcleo Temático Marxismo e Formação do Educador.

Referências

ALMEIDA FILHO, Naomar de. Transdisciplinaridade e o paradigma pós-disciplinar na saúde. Saúde e Sociedade, v. 14, n. 3, pp. 30-50, 2005. Disponível em . Acesso em: 09 fev. 2016.

ALVARENGA, Augusta Thereza de; SOMMERMAN, Américo; ALVAREZ, Aparecida Magali de Souza. Congressos internacionais sobre transdisciplinaridade: reflexões sobre emergências e convergências de idéias e ideais na direção de uma nova ciência moderna. Saúde e Sociedade, v. 14, n. 3, pp. 9-29, 2005. Disponível em . Acesso em: 09 fev. 2016.

ALVESON, Mats; SKÖLDBERG, Kaj. Reflexive methodology: new views for qualitative research. 2.ed. London: Sage, 2009.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2.ed. 10.reimpr. rev. e ampl. São Paulo: Boitempo, 2009.

BOFF, Paulo Roberto. Diretrizes e práticas farmacêuticas: entrevista com farmacêutico e professor Paulo Roberto Boff. Pharmácia Brasileira, Brasília, n. 84, dez./jan./fev., pp. 50-55, 2011-2012. Disponível em . Acesso em 09 fev. 2016.

BRANNEN, Julia. Mixing methods: the entry of qualitative and quantitative approaches into the research. International Journal of Social Research Methodology, v. 8, n. 3, pp. 173–184, 2005. Disponível em <http://dx.doi.org/10.1080/13645570500154642>. Acesso em 29 abr. 2014.

BRASIL. Resolução CNE/CES nº 02, de 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Farmácia. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 04 mar. 2002. Disponível em: . Acesso em 09 fev. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução n 06, de 19 de outubro de 2017. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Farmácia e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 out. 2017.

BREYNER, Antonio Juliano. Construção do curso de farmácia no Brasil: introdução a uma proposta para o currículo. Londrina: Edições Humanidades, 2006.

DENZIN, Norman K. Moments, mixed methods, and paradigma dialogs. Qualitative Inquiry, v. 16, n. 6, pp. 419-427, 2010. Disponível em . Acesso em 16 jun. 2014.

DUARTE, Newton. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 4.ed. Campinas: Autores Associados, 2006.

FERREIRA, Ricardo F.; CALVOSO, Genilda; GONZALES, Carlos B. Lopes. Caminhos da pesquisa e a contemporaneidade. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 15, n. 2, pp. 243-250, 2002.

GUBA, Egon G.; LINCOLN, Yvonna S. Competing paradigms in qualitative research. In: DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. (Eds.). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage, 1994, pp. 105-117.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX (1914-1991). 2.ed. 45.reimpr. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

ILYENKOV, Evald Vasilievich. Dialectical logic: essays on its history and theory. Delhi: Aakar Books, 2010.

KLIMAN, Andrew. The failure of capitalist production: underlying causes of the Great Recession. London: Pluto Press, 2012.

KOSIK, Karel. A dialética do concreto. 2.ed. 9.reimpr. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro I: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas (1845-1846). São Paulo: Boitempo, 2009.

MONTEGUTI, Bruna Ruzza; DIEHL, Eliana Elisabeth. O ensino de farmácia no sul do brasil: preparando farmacêuticos para o sistema único de saúde? Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, pp. 77-95, 2016. Disponível em <http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00008>. Acesso em 09 fev. 2016.

ROSSLER, João Henrique. Sedução e alienação no discurso construtivista. Campinas: Autores Associados, 2006.

RUTO-KORIR, Rose; LUBBE, Carien. Locating the doctoral study in the ‘paradigm skirmishes’: challenges and prospects for adopting a paradigm cradle. Perspectives in Education, v. 28, n. 3, pp. 99-109, 2010. Disponível em <http://repository.up.ac.za/bitstream/handle/2263/15235/RutoKorir_Locating(2010).pdf?sequsequ=1>. Acesso em 09 jun. 2014.

SAMPIERI, Roberto H.; CALLADO, Carlos F.; LUCIO, María del Pilar B. Metodologia da pesquisa. 5.ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 10.ed. rev. Campinas: Autores Associados, 2008.

SAUTU, Ruth; BONIOLO, Paula; DALLE, Pablo; ELBERT, Rodolfo. Manual de metodología: construcción del marco teórico, formulación de los objetivos y elección de la metodología. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

SOUSA, Iane Franceschet de; BASTOS, Paulo Roberto Haidamus de Oliveira. Interdisciplinaridade e formação na área de farmácia. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, pp. 97-117, 2016. Disponível em <http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00092>. Acesso em 09 fev. 2016.

TONET, Ivo. Interdisciplinaridade, formação e emancipação humana. Serv. Soc. Soc., n. 116, pp. 725-742, 2013a. Disponível em . Acesso em: 09 fev. 2016.

Publicado
2018-11-07
Como Citar
SILVA, M. J. DE S. E; LOPES, A. J. T. EDUCAÇÃO E FARMÁCIA: QUESTÕES DE FUNDAMENTOS PARA A FORMAÇÃO PRÁTICA E A INTERDISCIPLINARIDADE. Revista Labor, v. 1, n. 19, p. 26-45, 7 nov. 2018.
Seção
Artigos