EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA MULHER E A ASCENSÃO A CARGOS DE LIDERANÇA

Autores

  • Rosângela Rocio Jarros Rodrigues Universidade Estadual de Londrina - UEL

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v2i18.33504

Palavras-chave:

Educação Profissional, Psicologia Social do Trabalho, Trabalho, Análise de Discurso, Gênero,

Resumo

Ao longo da história da educação da mulher, as ocupações destinadas “naturalmente” a ela envolviam o cuidado com o outro, como de professora e de enfermeira. Antes desse tempo, a mulher nem tinha acesso à educação formal. Refletir sobre a ascensão da mulher à cargos de liderança faz com que busquemos a implicação da educação com esse processo histórico instituído há séculos. A inserção da mulher no mercado de trabalho é uma necessidade de sobrevivência e manutenção individual e familiar, também uma das fontes de realização e emancipação feminina. Essa pesquisa objetiva analisar o discurso do enunciador-empregador acerca da ascensão da mulher em cargos de liderança em empresas privadas. O método é qualitativo e documental. O corpus é composto pela revista Exame, as melhores empresas para se trabalhar no Brasil de 2000-2016. A análise ancora-se nos pressupostos da Análise de Discurso de linha francesa. Os resultados parciais indicam que as mulheres ocupam somente 32% de cargos de liderança nas empresas privadas. O discurso ideológico hegemônico é da igualdade de oportunidades para ambos os gêneros, contudo, as mulheres têm a ascensão restringida. Conclui-se, a educação é o locus onde a transformação pode iniciar-se, ao promover situações simuladas que estimulem as meninas/mulheres a projetarem para si e para outras, oportunidades de trabalho que requeiram o exercício profissional da liderança.

Abstract

Throughout the history of women's education, occupations intended "naturally" her involved the care of the other, as a teacher and a nurse. Before that time, the woman didn't even have access to formal education. Reflect on the rise of women to leadership positions causes seek the implication of education with this historical process established for centuries. The inclusion of women in the labor market is a necessity of survival and maintain individual and family, also one of the sources of fulfillment and emancipation. This research aims to analyze the enunciator-employer speech about the rise of women in leadership positions in private companies. The method is qualitative and documentary. The corpus is composed by Exame Magazine, the best companies to work for in Brazil of 2000-2016. The analysis grounds in discourse analysis assumptions of French line. The partial results indicate that women occupy only 32% of leadership positions in private companies. The hegemonic ideological discourse is of equal opportunities for both genders, however, women have to rise. It is concluded, education is the locus where processing can begin, while promoting simulated situations that encourage girls/women designing for themselves and for others, job opportunities that require the professional exercise of leadership.

Biografia do Autor

Rosângela Rocio Jarros Rodrigues, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Docente Adjunto do Curso de Psicologia da Universidade Estadual de Londrina, área de Psicologia Organizacional e do Trabalho, Psicóloga, Mestrado em Educação e Doutorado em Estudos da Linguagem.

Referências

ABRAMO, Laís. A situação da mulher latino-americana: o mercado de trabalho no contexto da reestruturação. In: DELGADO, Didice G.; CAPPELLIN, Paola; SOARES, Vera (Orgs.). Mulher e trabalho: experiências de ação afirmativa. SP: Boitempo, 2002. p.111-134

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BATISTA, Anália Soria; CODO, Wanderley. Crise de identidade e sofrimento. CODO, Wanderley (Coord.). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. p.60-85

BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. 35. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

CHANLAT, Jean-François. Modos de gestão, saúde e segurança no trabalho. In: DAVEL, Eduardo; VASCONCELOS, João (Orgs.). “Recursos” humanos e subjetividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996. p.118-128

CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de Análise do Discurso. São Paulo: Contexto, 2004.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

CYRINO, Rafaela. Estereótipos de gênero, identidade sexual e divisão sexual do trabalho: o caso das mulheres executivas. In: NUNES, Jordão Horta; FREITAS, Revalino Antonio de (Orgs.). Trabalho e gênero: entre a solidariedade e a desigualdade. Goiânia: PUC, 2011. p.131-149

EXAME. Revista Você S.A. As melhores empresas para se trabalhar. São Paulo: Abril, 2000-2016.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário da língua portuguesa. 2. ed. 19ª. reimpressão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

FONTENELE-MOURÃO, Tânia; GALINKI, Ana Lúcia. O que pensam as mulheres no topo da carreira? In: ARAÚJO, Adriane Reis de; FONTENELE-MOURÃO, Tânia. Trabalho de mulher: mitos, riscos e transformações. São Paulo: LTr, 2007. p.144-155

FREITAS, Maria Ester de. Cultura organizacional: identidade, sedução e carisma? 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

______. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

GONÇALVES, Andréa Lisly. História & gênero. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

GRIFFIN, Ricky W.; MOORHEAD, Gregory. O desafio da diversidade. In. ______. Fundamentos do comportamento organizacional. São Paulo: Ática, 2006. p. 34-67

LIMA, Maria Elizabeth Antunes. Os equívocos da excelência: as novas formas de sedução na empresa. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

MORGAN, Gareth. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

MOSCOVICI, Fela. Renascença organizacional. A revalorização do homem frente à tecnologia para o sucesso da nova empresa. 8. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2000.

OLIVEIRA, Rosiska Darcy de. Elogio da diferença: o feminino emergente. 3. ed. SP: Brasiliense, 1993.

PAGÈS, Max et al. O poder das organizações. São Paulo: Atlas, 1987.

PAZ, Maria das Graças Torres da; TAMAYO, Álvaro. Perfil cultural das organizações. In: TAMAYO, Álvaro et al. Cultura e saúde nas organizações. Porto Alegre: Artmed, 2004. p.19-38

PÊCHEUX, Michel. Semântica do acontecimento: uma crítica afirmação do óbvio. 3. ed. Campinas, São Paulo: UNICAMP, 1997.

PENA, Maria Valéria Junho. Mulheres e trabalhadoras: presença feminina na constituição do sistema fabril. RJ: Paz e Terra, 1981.

PUPPIM, Andréa Brandão. Mulheres em cargos de comando. In: BRUSCHINI, Cristina; SORJ, Bila (Orgs.). Novos olhares: mulheres e relações de gênero no Brasil. SP: Fundação Carlos Chagas, 1994. p. 13-36

RODRIGUES, Arakcy Martins. Lugar e imagem da mulher na indústria. In: COSTA, Albertina de Oliveira; BRUSCHINI, Cristina (Orgs.). Uma questão de gênero. SP: Fundação Carlos Chagas, 1992. p.266-288

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1976.

SCOTT, Joan W. A mulher trabalhadora. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle. História das mulheres. O século XIX. Porto: Afrontamento, 1991. v.4, p.442-475

SPINK, Peter. Análise de documentos de domínio público. In: SPINK, Mary Jane (Org.) Políticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2004. p. 123-151

VIEZZER, Moema. O problema não está na mulher. SP: Cortez, 1989.

Downloads

Publicado

2018-08-28

Como Citar

RODRIGUES, Rosângela Rocio Jarros. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA MULHER E A ASCENSÃO A CARGOS DE LIDERANÇA. Revista Labor, [S. l.], v. 2, n. 18, p. 64–77, 2018. DOI: 10.29148/labor.v2i18.33504. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/33504. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.