Trabalho e educação no campo

a educação popular de classe e socialista como estratégia de superação do controle metabólico do capital

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v1i23.44128

Palavras-chave:

Trabalho e Educação, Educação no Campo, Classe Camponesa, Cultura Camponesa

Resumo

Este artigo analisa os mecanismos de controle do capital as ações de resistência e de disputa hegemônica presentes – com diversas limitações e contradições- na organização da produção da existência camponesa. Nesse sentido, a defesa da educação omnilateral em contraposição à educação unilateral se apresenta enquanto tarefa fundamental no sentido da construção de uma sociedade que não se paute pelos ditames do capital. As reflexões apresentadas neste texto se fundamentam no materialismo histórico e dialético que parte das condições e determinações materiais da produção da vida as quais, por sua vez, determinam em última instância a consciência - não de forma mecânica ou imediata - e juntamente, à relação dialética ser humano- ser humano, ser humano-natureza, ser humano-mundo, onde a categoria central para pensar o real da vida material e imaterial é o trabalho.

Biografia do Autor

Edson Caetano, Universidade Federal de Mato Grosso

Graduação em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1991); Mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1996); Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2001). Atualmente é Professor Associado da Universidade Federal de Mato Grosso; Instituto de Educação, Departamento de Teoria e Fundamentos da Educação. Atua no curso de Graduação em Pedagogia e
no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de
Mato Grosso (UFMT). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Trabalho e Educação (GEPTE-UFMT). Tem experiência na área de educação, com ênfase em Trabalho e Educação, atuando principalmente nos seguintes
temas: Comunidades e Povos Tradicionais; Cultura do Trabalho;  Produção Associada; Bem Viver e Reestruturação Produtiva.

Cristiano Apolucena Cabral

Mini-Currículo: Professor efetivo da Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso e Agente Pastoral da Comissão Pastoral da Terra - Mato Grosso - CPT-MT. Graduado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2004). Especialista em Sociologia e Educação pelo Instituto Aphonsiano de Ensino Superior (2009). Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (2014). Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso . Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Trabalho e Educação - GEPTE-UFMT.

Referências

ALTHUSSER, Louis. Ideologia e Aparelhos Ideológicos do Estado. São Paulo: Martins fontes, 1980.
ALTIERI, Miguel. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. São Paulo: Expressão Popular, 2012.
BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A educação como cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985.
_________________________. Saber e ensinar. Campinas: Papirus, 1984.
CAETANO, Edson; NEVES, Camila Emanuella Pereira. Entre cheias e vazantes: trabalho, saberes e resistência em comunidades tradicionais da baixada cuiabana. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 23, n. 53/2, p. 595-613, maio/ago. 2014. Disponível em: http://periodicoscientificos.ufmt.br/index.php/educacaopublica/article/view/1756/1324. Acesso em: 15 mai. 2020.
CALDART, Roseli Salete. A escola do campo em movimento. In: BENJAMIN, Cesar e CALDART, Roseli Salete (Org). Por uma educação básica do campo. Projeto popular e escolas do campo. Brasília, DF: Articulação Nacional por uma educação básica do campo, 2000.
CANDIDO, Antonio. Os parceiros do Rio Bonito. Estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1979.
COMISSÃO PASTORAL DA TERRA (CPT). Conflitos no campo - Brasil. Goiânia: CPT, 2018.
COSTA, Francisco De Assis. Chayanov e a especificidade camponesa. In: CARVALHO, Horácio Martins de. Chayanov e o campesinato. São Paulo: Expressão Popular, 2014.
DURHAM, Eunice. A dinâmica da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2004.
ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984.
FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 1996.
____________________. Educação omnilateral. In: Caldart, Roseli. PEREIRA, Isabel Brasil. ALENTEJANO, Paulo; CALDART, Roseli Salete; FRIGOTTO, Gaudêncio; PEREIRA, Isabel Brasil. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012.
GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.
KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.
KRUPSKAYA, Nadezhda. A construção da pedagogia socialista. São Paulo: Expressão Popular, 2017.
LUKÁCS, Gyorgy. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo, 2013.
MARX, Karl. O capital. Crítica da economia política. Livro 1 - O processo de produção do capital. Volume 1. Rio de Janeiro: Bertrand, 1988.
___________. O capital. Livro 1. Capítulo VI inédito. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1978.
___________. O capital. Crítica da economia política. Livro 3 - O processo global de produção capitalista. Volume VI. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.
___________. Manuscrito Econômicos-Filosóficos. São Paulo: Martins Claret, 2001.
___________. Contribuição à crítica da economia política. São Paulo: Martins Fontes, 1977.
___________. O dezoito Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Centauro, 2003.
___________; ENGELS, Friedrich. Textos sobre educação e ensino. São Paulo: Editora Moraes, 1983.
______________________¬_______. Ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, s/d.
MÉSZÁROS, István. Para além do Capital. São Paulo: Boitempo, 2002.
_________________. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2008.
_________________. A teoria da alienação em Marx. São Paulo: Boitempo, 2006.
NETO, Wilson Mazalla. Agroecologia e crítica da alienação: agricultores camponeses e a experiência do trabalho. In: Questão agrária, cooperação e agroecologia. NOVAES, Henrique; MAZIN, Ângelo Diogo; SANTOS, Laís (Orgs.). São Paulo: Outras Expressões, 2016.
PLOEG, Jan Douwe van der. Camponeses e a arte da agricultura. São Paulo: Editora Unesp, 2016.
POULANTZAS, Nicos. O Estado, o poder, o socialismo. São Paulo: Graal, 2000.
TOLEDO, Víctor Manuel; BARRERA-BASSOLS, Narciso. A memória biocultural. A importância ecológica das sabedorias tradicionais. São Paulo: Expressão Popular, 2015.
VELHO, Octávio Guilherme. Capitalismo autoritário e campesinato. Rio de Janeiro: DIFEL, 1974.
WILLIAMS, Raimond. Cultura e materialismo. São Paulo: Unesp, 2011.
ZIEGLER, Jean. Destruição em massa. Geopolítica da fome. São Paulo: Cortez, 2013.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Como Citar

CAETANO, Edson; APOLUCENA CABRAL, Cristiano. Trabalho e educação no campo : a educação popular de classe e socialista como estratégia de superação do controle metabólico do capital . Revista Labor, [S. l.], v. 1, n. 23, p. 153–180, 2020. DOI: 10.29148/labor.v1i23.44128. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/44128. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

<< < 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.