Trabalho docente

o desafio de reinventar a avaliação em tempos de pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v1i23.44225

Palavras-chave:

Avaliação. Formação de professores. Pandemia.

Resumo

Este artigo traz à cena uma reflexão de forma exploratória sobre os desafios postos aos professores, no que tange à reinvenção dos processos avaliativos de cursos de EaD, diante do momento vivenciado pela COVID 19. Para esse debate, parte-se do pressuposto de que a avaliação sempre constituiu um desafio para o professor, pois a ação de avaliar pressupõe escolhas, as quais, muitas vezes, estão enlaçadas pelas definições das políticas públicas. No momento atual, em que a pandemia alterou o ritmo das vidas das pessoas, a avaliação na educação a distância, que se realizava presencialmente teve alterações para atender às especificações determinadas pelo isolamento social. Nesse cenário, o repensar sobre a avaliação se impõe e a possibilidade de refletir sobre a temática, num processo de formação continuada que se inicia. A formação continuada dos professores se evidencia na construção da subjetividade individual e coletiva.

Biografia do Autor

Jussara Bueno de Queiroz Paschoalino, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Doutorado Sanduíche pela Universidade do Porto. Pós-Doutorado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Possui graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Especialização em Educação pelo CEPEMG. Especialização em Psicopedagogia pelo CEPEMG. Especialização em Direitos Humanos pelo CES. Especialização em Temas Filosóficos pela UFMG. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Trabalho e Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Formação de professores, educação, ensino-aprendizagem, trabalho e educação, gestão, educação a distância e trabalho docente.

Mara Lúcia Ramalho, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM

Professora Adjunta da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM, lotada na Diretoria de Educação a Distância (DEAD). Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC/MG (2016); Mestre em Educação: Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP (2006); formação em pedagogia pela Universidade do Estado de Minas Gerais, UEMG/ Faculdade de Filosofia e Letras de Diamantina- FAFIDIA (1997). Diretora da Diretoria de Educação Aberta e a Distância da UFVJM. Professora do Programa de Pós-graduação em Educação (Mestrado profissional) com atuação na linha de pesquisa: Educação, sujeitos, sociedade, história da educação e políticas públicas educacionais. Prioriza as discussões sobre as temáticas: políticas públicas; educação a distância; educação, cidadania, direitos humanos e gestão de instâncias (municipal, estadual e federal) e instituições escolares. Vice coordenadora do Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Profissionais do Magistério da Educação Básica da UFVJM.

Virgínia Coeli Bueno de Queiroz, Universidade Estadual de Minas Gerais

Doutorado em Educação pelo Programa de Pós-Graduação Conhecimento e Inclusão Social em Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, linha de pesquisa Políticas Públicas em Educação: Concepção, Implementação e Avaliação. Possui Mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, graduação em Pedagogia pelo Instituto de Educação de Minas Gerais (IEMG). Atualmente, atua na Coordenação Pedagógica do Colégio Loyola. Tem experiência na área da educação, como professora e coordenadora pedagógica, com ênfase nos seguintes temas: currículo, formação de professores, ensino-aprendizagem, legislação educacional, trabalho docente e educação a distância.

Referências

ANDERSON, Lorin W.; DAVID R. Krathwohl; BENJAMIN S. Bloom. A Taxonomy for Learning, Teaching, and Assessing: a Revision of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives / Editors, Lorin W. Anderson, David Krathwohl; Contributors, Peter W. Airasian ... [et Al.]. Complete ed. New York: Longman, 2001. Print. Disponível em: <https://cft.vanderbilt.edu/guides-sub-pages/blooms-taxonomy/>. Acesso em 14 de fevereiro de 2020.
AUSUBEL, D. P. Algunos aspectos psicológicos de la estrutuctura del conocimiento. Buenos Aires: El Ateneo, 1973.
BLOOM, B. et al. Taxonomia dos objetivos educacionais: domínio cognitivo. Porto Alegre: Globo, 1983.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação 9394 de 1996. Disponível em: <http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 05 de fevereiro de 2019.
BRASIL. Decreto Nº 9.057, de maio de 2017.Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/20238603/do1-2017-05-26-decreto-n-9-057-de-25-de-maio-de-2017-20238503>. Acesso em: 05 de maio de 2020.
BRASIL. Parecer CNE/CP Nº: 5/2020. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=145011-pcp005-20&category_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192 >. Acesso em: 05 de maio de 2020.
BRITO, Ronnie Fagundes de; VANZIN, Tarcisio e ULBRICHT, Vânia. Reflexões sobre o conceito de criatividade: sua relação com a biologia do conhecer. Ciênc. cogn. [online]. 2009, vol.14, n.3, pp. 204-213.Disponível em:<http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cc/v14n3/v14n3a17.pdf>. Acesso em 05 de março de 2020.
CASALI, Alípio. Fundamentos para uma avaliação educativa. In: CAPPELLETTI, Isabel F. Avaliação da aprendizagem: discussão de caminhos. São Paulo: Editora Articulação Universidade/Escola. 2007.
DEMO, Pedro. Avaliação qualitativa. 6ª Edição, Campina, SP: Autores Associados, 1999.
NACONECY, Luiz Carlos Macedo. Curso de Direito Processual Civil / Luiz Carlos Macedo Naconecy. Ed. Revista dos Tribunais: São Paulo, 1984.
PERRENOUD, Philippe. Avaliação da Excelência à regulação das aprendizagens- entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.
PIAGET, J. Para onde vai a educação? Rio de Janeiro: J. Olympio: UNESCO, 1974
PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2005.
REY González, Fernando Luis. Sujeito e Subjetividade: uma aproximação histórico cultural. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.
SEE-MG. Guia de Orientações para Elaboração e Revisão de Itens e Questões de Múltipla Escolha. Disponível em:<http://professor.ufop.br/sites/default/files/danielmatos/files/guia_de_elaboracao_e_revisao_de_questoes_e_itens_de_multipla_escolha.pdf>. Acesso em 12 de março de 2020.
TEIXEIRA, Antônio. Universidade Rediviva na Sociedade do Conhecimento – Parte II – Tentativa de mudança. Pensar Educação em pauta. 15 de maio de 2020. Disponível em: <https://pensaraeducacao.com.br/pensaraeducacaoempauta/universidade-rediviva-na-sociedade-do-conhecimento-parte-ii-tentativa-de-mudanca/>. Acesso em 15 de maio de 2020.
VYGOTSKI, L. S. A formação social da mente. Livraria Martins Fontes Editora Ltda. São Paulo – SP, 1991. 4ª edição brasileira.

Publicado

2020-06-15

Como Citar

PASCHOALINO, Jussara Bueno de Queiroz; RAMALHO, Mara Lúcia; QUEIROZ, Virgínia Coeli Bueno de. Trabalho docente: o desafio de reinventar a avaliação em tempos de pandemia. Revista Labor, [S. l.], v. 1, n. 23, p. 113–130, 2020. DOI: 10.29148/labor.v1i23.44225. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/44225. Acesso em: 21 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.