ARQUITETURA ESCOLAR: CURRÍCULO OU CURRAL?

Autores

  • Enéas Arrais Neto
  • Diego Enéas Peres Ricca
  • Raphael Pires de Souza

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v1i16.6517

Resumo

A Arquitetura Escolar é muito pouco estudada tanto nos cursos de arquitetura quanto na formação dos educadores, nos cursos de pedagogia. Os estudos e publicações sobre arquitetura escolar disponíveis são em sua maioria focados nos aspectos eminentemente técnicos, e a relação da arquitetura escolar com o processo pedagógico que ocorre nesse espaço é abordada apenas referindo-se ao ensino infantil. O arquiteto em seu ato de projetar constitui-se também como educador. Suas opções e escolhas podem colaborar para o desenvolvimento educacional e refletem sua concepção curricular, e do papel da escola na sociedade. A arquitetura escolar, assim, pode ser parceira e componente de um currículo emancipador. Em suma, para cada projeto político pedagógico escolar corresponde uma ou algumas concepções específicas de arquitetura – eis a questão que tem passado em branco nas discussões tanto na área de arquitetura quanto na de educação-pedagogia.

Biografia do Autor

Enéas Arrais Neto

1Arquiteto (UFC), Mestre em Sociologia (UFC), Doutor em Educação (UFC-IOE/Univ.of London), Pós-Doutor em Filosofia da Arte e Subjetividade (E.H.E.S.S.- Paris); Prof. Associado da Universidade Federal do Ceará; Lider do LABOR – Laboratório de Estudos do Trabalho e Qualificação Profissional-UFC.

Diego Enéas Peres Ricca

Arquiteto (UNIFOR), Pesquisador LABOR – Laboratório de Estudos do Trabalho e Qualificação Profissional – UFC

Raphael Pires de Souza

Arquiteto (UFC), Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho (UNIFOR), Mestre em Políticas Públicas e Sociedade (UECE), Doutor em Educação (UFC); Professor da Universidade de Fortaleza – UNIFOR; Bolsista Hora Pesquisa – UNIFOR.

Downloads

Publicado

2017-03-15

Como Citar

ARRAIS NETO, Enéas; RICCA, Diego Enéas Peres; SOUZA, Raphael Pires de. ARQUITETURA ESCOLAR: CURRÍCULO OU CURRAL?. Revista Labor, [S. l.], v. 1, n. 16, p. 137–151, 2017. DOI: 10.29148/labor.v1i16.6517. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/6517. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos