AS TRANSFORMAÇÕES DO COURO NO TRABALHO DE ESPEDITO SELEIRO COMO ALTERNATIVA DE SUPERAÇÃO PARA AS ADVERSIDADES DO SERTÃO.

Autores

  • Valeska Alecsandra de Souza Zuim
  • Ana Cláudia Silva Farias
  • Ana Fabiola Pedrosa de Vasconcelos
  • Maria Silvia Barros de Held
  • Antônio Takao Kanamaru

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v1i11.6622

Resumo

Este artigo tem por objetivo inicial incentivar a reflexão acerca das adversidades encontradas nos sertões nordestinos por causa da seca e como a matéria – prima couro teve importância na colonização do nordeste e vida dos vaqueiros e artesões locais.  Apresenta também como o trabalho com o couro do mestre artesão Espedito Seleiro o auxiliou na superação das dificuldades de se viver no Sertão nordestino. E como esse mesmo couro mudou a realidade dos moradores da cidade de Nova Olinda no Sertão do Ceará.

Biografia do Autor

Valeska Alecsandra de Souza Zuim

Valeska  Alecsandra de Souza Zuim. Mestranda do programa de Pós-Graduação em Têxtil e Moda da Universidade de São Paulo – USP / BOLSISTA CAPES. Professora da Universidade de Fortaleza – UNIFOR.

Ana Cláudia Silva Farias

Ana Cláudia Silva Farias. Mestranda da Pós-Graduação em Têxtil e Moda da Universidade de São Paulo – USP / BOSISTA CAPES. Professora da Universidade de Fortaleza – UNIFOR.

Ana Fabiola Pedrosa de Vasconcelos

Ana Fabiola Pedrosa de Vasconcelos. Mestranda da Universidade de São Paulo – USP.

Maria Silvia Barros de Held

Maria Silvia Barros de Held. Professora Doutora da Universidade de São Paulo – USP no curso de Têxtil e Moda.

Antônio Takao Kanamaru

Antônio Takao Kanamaru. Professor Doutor da Universidade de São Paulo – USP no curso de Têxtil de Moda.

Downloads

Publicado

2017-03-16

Como Citar

ZUIM, Valeska Alecsandra de Souza; FARIAS, Ana Cláudia Silva; VASCONCELOS, Ana Fabiola Pedrosa de; HELD, Maria Silvia Barros de; KANAMARU, Antônio Takao. AS TRANSFORMAÇÕES DO COURO NO TRABALHO DE ESPEDITO SELEIRO COMO ALTERNATIVA DE SUPERAÇÃO PARA AS ADVERSIDADES DO SERTÃO. Revista Labor, [S. l.], v. 1, n. 11, p. 58–72, 2017. DOI: 10.29148/labor.v1i11.6622. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/6622. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos