ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO CONTEMPORÂNEA: SERIA ESTA UMA QUESTÃO?

Autores

  • Lydia Maria Pinto Brito
  • Ricardo Sérgio Gomes Vieira

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v1i10.6686

Resumo

A partir do texto “Ético: Ser ou não ser? Seria esta uma questão?” publicado nos Anais do Enanpad 2006, existe uma discussão se realmente pode haver ética nos relacionamentos de marketing em um ambiente concorrencial no qual as organizações estão inseridas. Neste artigo, trataremos da ética não como um pressuposto para a construção de relacionamentos de negócios, como aconteceu no artigo mencionando, mas na maneira como ela tende a ser entendida pelos atores organizacionais. Questionamo-nos, fundamentado pelos conceitos de ética da filosofia clássica e moderna, se é possível o exercício da ética dentro do modelo capitalista de produção? O que está se convencionando chamar de ética na Administração não seria uma moral datada histórica e espacialmente? Existe uma “ética” que não seja social? Os conceitos de Administração dão conta dos problemas gerados no campo de sua própria ação? Inferimos que os respondentes percebem a importância da moral, por eles nomeada de ética, entretanto, acreditamos ser necessário melhor compreensão do real significado e dimensão para a Administração contemporânea deste termo. Aqui reside o objetivo deste ensaio.

Biografia do Autor

Lydia Maria Pinto Brito

Mestre em Sociologia e doutora em Educação pela UFC. Professora do Mestrado em Administração da Universidade Potiguar .UNP.RN.

Ricardo Sérgio Gomes Vieira

Mestre e doutor em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco. Professor da Universidade Federal de Pernambuco.

Downloads

Publicado

2017-03-16

Como Citar

BRITO, Lydia Maria Pinto; VIEIRA, Ricardo Sérgio Gomes. ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO CONTEMPORÂNEA: SERIA ESTA UMA QUESTÃO?. Revista Labor, [S. l.], v. 1, n. 10, p. 115–138, 2017. DOI: 10.29148/labor.v1i10.6686. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/6686. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos