O CONCEITO GRAMSCIANO DE “REVOLUÇÃO PASSIVA” E O ESTADO BRASILEIRO.

Autores

  • Antonia de Abreu Sousa

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v1i3.9287

Resumo

O conceito de “revolução passiva”, “revolução-restauração” ou “transformismo” é categoria fundamental que Gramsci utiliza para compreender a formação do Estado burguês moderno na Itália (partindo dos fatos do Risorgimento, que culminaram na unificação nacional), para definir os traços fundamentais da passagem do capitalismo italiano para a etapa de capitalismo monopolista e para apontar o fascismo como forma de “revolução passiva”. É a partir desse entendimento que utilizaremos o conceito de “revolução passiva” para discutir a modernização capitalista no Brasil, haja vista que este conceito se aplica a diversos episódios da nossa história, bem como de um modo mais geral, a transição do País para a modernidade capitalista e ao capitalismo monopolista de Estado.

Biografia do Autor

Antonia de Abreu Sousa

Doutora em Educação Brasileira na Universidade Federal do Ceará; pesquisadora do Laboratório de Estudos sobre Trabalho e Qualificação Profissional – LABOR; pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Educação Profissional – NUPEP; professora  no Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia do Ceará.

Downloads

Publicado

2017-03-25

Como Citar

SOUSA, Antonia de Abreu. O CONCEITO GRAMSCIANO DE “REVOLUÇÃO PASSIVA” E O ESTADO BRASILEIRO. Revista Labor, [S. l.], v. 1, n. 3, p. 28–40, 2017. DOI: 10.29148/labor.v1i3.9287. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/9287. Acesso em: 12 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos