CONSCIÊNCIA E IMPÉRIO: POLÍTICA E TEOLOGIA MORAL NO MUNDO PORTUGUÊS DA IDADE MODERNA

  • Giuseppe Marcocci

Resumo

Este artigo apresenta a primeira reconstrução da relação entre consciência e império no mundo

português entre 1500 e 1650. Ele mostra em que grau a fundação da Mesa de Consciência,

um conselho régio de teólogos dedicado a questões como guerra, comércio, conversão e

escravidão, moldou a ideologia imperial. Neste contexto, “consciência” emergiu como uma

palavra-chave no vocabulário político, refletindo a importância da teologia moral para a linguagem

política em que se concebeu o império. Ela não apenas reforçou a hegemonia dos

teólogos, mas também encorajou a emergência de uma casuística missionária, a qual se tornou

crescentemente independente de autoridades centrais do Reino e de Roma. Sob o domínio dos

Habsburgo (1580-1640), esse sistema foi desmantelado, e os teólogos perderam a sua centralidade

na corte. Depois da Restauração em 1640, algumas das antigas instituições foram recuperadas

no nome, mas a antiga interconexão entre política e teologia moral não foi reinstalada.

Biografia do Autor

Giuseppe Marcocci

enviado pelo editor a pedido do autor

Publicado
2019-12-31
Seção
"Normatividades ultramarinas: os jesuítas e o Direito nos Impérios ibéricos"