ESPELHOS REFLEXOS, ESPELHOS OPACOS: selfies e autorrepresentação na era dos smartphones

Isaac Pipano

Resumo


Forma de autorretrato hegemônica, a selfie situa-se como um registro perfeitamente ajustada ao horizonte de estratégias que visam à exposição da vida íntima e à espetacularização do ordinário; à ubiquidade dos aparatos sociotécnicos e aos estreitos vínculos entre imagem e experiência, tão comuns em nosso tempo. Ao tensionar performance e autorrepresentação, essa modalidade de "escrita de si" contemporânea nos convoca para uma reflexão sobre o que a diferencia das demais práticas fotográficas enquanto um ato propriamente performático.


Palavras-chave


fotografia; selfie; performance.

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. A câmara clara - nota sobre fotografia. Trad. Júlio Castañon Guimarães. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

André Bazin, “A ontologia da imagem fotográfica”. In: O cinema. Ensaios. Ed. Brasiliense, São Paulo, 1991. pp. 19-26.

BRASIL, André. A performance: entre o vivido e o imaginado. Trabalho apresentado ao Grupo de Trabalho Comunicação e Experiência Estética do XX Encontro da Compós, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, de 14 a 17 de junho de 2011.

BRUNO, Fernanda. Máquinas de ver, formas de ser. Revista da FAMECOS. Dossiê Parceria em Grupos de Pesquisa,n. 24, 2004.

CANTON, Katia. Da política às micropolíticas. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

DELEUZE, Gilles. "Post-scriptum sobre as sociedades de controle". In: Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico e outros ensaios. Trad. Marina Appenzeller. Campinas: Papirus, 1993.

FELDMAN, Ilana. "O pavor da carne – entrevista com Paula Sibilia". In: Revista Trópico, jan. 2007. Disponível em: http:// p.php.uol.com.br/tropico/html/ textos/2853,1.shl.

FROSH, Paul. “The Gestural Image: The Selfie, Photography Theory, and Kinesthetic Sociability”. In: International Journal of Communication 9, 2015.

FLUSSER, Vilém. "A Fábrica". In: O mundo codificado - por uma filosofia do design e da comunicação. Trad. Raquel Abi-Sâmara. São Paulo: Cosac Naify, 2007, p. 33-44.

MAZZA, Joana; GURAN, Milton. Eu me desdobro em muitos - a autorrepresentação na fotografia contemporânea. Rio de Janeiro: CCBB, 2011.

SONTAG, Susan. Sobre fotografia. Trad. Rubens Figueiredo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

SENNETT, Richard. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SIBILIA, Paula. O show do eu - a intimidade como espetáculo. Nova Fronteira: Rio de Janeiro, 2008.

TAYLOR, Charles. Uma era secular. Trad. de Nélio Schneider e Luiza Araújo. São Leopoldo: Ed. da Unisinos, 2010.

______. As Fontes do Self – A construção da identidade moderna. Tradução: Adail Ubirajara Sobral e Dinah de Abreu Azevedo. São Paulo: Loyola, 1997. p.128.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2179-9938