Análise de diagnósticos associados às licenças médicas de servidores públicos do Ceará

  • Silvia Fernandes do Vale UNIFOR / DOUTORANDA
  • Regina Heloisa Maciel UNIFOR / PROFESSORA
  • Ana Paula Torres do Nascimento UNIFOR
  • José Wilson Oliveira Vasconcelos Faculdade Integrada do Brasil, Professor da Faculdade Vale do Jaguaribe, Professor da Faculdade Ateneu e Coordenador do CST Gestão em Recursos Humanos da Faculdade Ateneu.
  • Fernando Hugo Portela Pimentel UNIFOR / DOUTORANDO
Palavras-chave: Diagnóstico médico, Doenças ocupacionais, Distúrbio mental, Distúrbio osteomusculares relacionados ao trabalho – DORT, Servidor público estadual.

Resumo

O absenteísmo é um fenômeno complexo que envolve vários fatores relacionados aos ambientes de trabalho. Neste trabalho analisaram-se os diagnósticos relacionados aos afastamentos com licenças dos servidores públicos do Ceará e suas associações com variáveis sociodemográficas e laborais. As informações foram cedidas pela Coordenadoria de Perícia Médica do Estado. 26.707 Licenças Médicas e os 38.054 diagnósticos associados aos afastamentos de mais de quatro dias foram analisados, verificando-se as frequências e associações pelo teste de Qui-quadrado. Três grupos da CID-10 (F, 22,5%; M, 21,1%; e Z, 12,5%) apresentaram as maiores frequências. Gênero, idade e órgão de lotação apresentaram diferenças significativas: os diagnósticos se associaram às mulheres, à Secretaria de Educação e Polícia Militar e na faixa etária mais elevada. Distúrbios mentais afastaram os professores e policiais, predominantemente. Os resultados mostram a necessidade de ações de intervenção e mudanças efetivas nas políticas de saúde e promoção da saúde para os funcionários públicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Fernandes do Vale, UNIFOR / DOUTORANDA

Doutoranda em Psicologia pela Universidade de Fortaleza – UNIFOR.

Regina Heloisa Maciel, UNIFOR / PROFESSORA

Doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (1991) – USP. Universidade de Fortaleza – UNIFOR.

Ana Paula Torres do Nascimento, UNIFOR
Mestre em Psicologia pela Universidade de Fortaleza – UNIFOR.
José Wilson Oliveira Vasconcelos, Faculdade Integrada do Brasil, Professor da Faculdade Vale do Jaguaribe, Professor da Faculdade Ateneu e Coordenador do CST Gestão em Recursos Humanos da Faculdade Ateneu.

Mestre em Psicologia pela Universidade de Fortaleza. Atualmente é Professor da Faculdade Integrada do Brasil, Professor da Faculdade Vale do Jaguaribe, Professor da Faculdade Ateneu e Coordenador do CST Gestão em Recursos Humanos da Faculdade Ateneu. Atuando principalmente nos seguintes temas: Condições de Trabalho, condiç ões de vida, trabalho docente.

Fernando Hugo Portela Pimentel, UNIFOR / DOUTORANDO

Doutorando em Psicologia pela Universidade de Fortaleza – UNIFOR.

Referências

Alves, M., Godoy, S. C. B., & Santana, D.

M. (2006). Motivos de licenças médicas

em um hospital de urgência-emergência.

Revista Brasileira De Enfermagem,

(2), 195–200. (doi: 10.1590/S0034-

.

Andrade, T. B., Souza, M. G. C., Simões, M.

P. C., & Andrade, F. B. (2008). Prevalência

de absenteísmo entre trabalhadores

do serviço público. Scientia Medica, 18(4),

–171.

Batista, J. B. V., Carlotto, M. S., Coutinho,

A. S., Nobre Neto, F. D. & Augusto, L. G. S.

(2010). Prevalência da Síndrome de Burnout

e fatores sociodemográficos e laborais

em professores de escolas municipaisde João Pessoa, PB. Revista Brasileira

de Epidemiologia, 13(3), 502-513. (doi:

1590/S1415-790X2010000300013).

Batista, J. B. V., Carlotto, M. S. & Moreira,

A. M. (2013). Depressão como causa de

afastamento do trabalho: Um estudo com

professores do ensino fundamental. Psico,

(2), 257-262.

Cardoso, J. P., Ribeiro, I. Q. B., Araújo,

T. M., Carvalho, F. M., & Reis, E. J. F.

B. (2009). Prevalence of musculoskeletal

pain among teachers. Revista Brasileira

de Epidemiologia, 12(4), 604-614. (doi:

1590/S1415-790X2009000400010).

Carneiro, S. A. M. (2011). Saúde do servidor:

Uma questão para a gestão de pessoas. IV

Congresso CONSAD de Gestão Pública. Brasília,

a 27 jun. Recuperado de http://

www.repositorio.fjp.mg.gov.br/consad/

bitstream/123456789/757/1/C4_

TP_SA%C3%9ADE%20DO%20SERVIDOR%

UMA%20QUEST%C3%83O%20

PARA%20A%20GEST%C3%83O.pdf

Costa, F. M., Vieira, M. A., & Sena, R. (2009).

Absenteísmo relacionado à doenças entre

membros da equipe de enfermagem de

um hospital escola. Revista Brasileira de

Enfermagem, 62(1), 38-44. (doi: 10.1590/

S0034-71672009000100006).

Cunha, J. B.; Blank, V. L. G.; Boing, A. F.

(2009). Tendência temporal de afastamento

do trabalho em servidores públicos

(1995-2005). Revista Brasileira de Epidemiologia,

(2), 226-236. (doi:10.1590/

S1415-790X2009000200012).

Di Pietro, M. S. Z. (2007). Direito Administrativo.

a ed. São Paulo, Jurídica Atlas.

Fernandes, R. C. P.; Neto, A. M. S.; Sena, G.

M.; Leal, A. S.; Carneiro, C. A. P.; Costa, F.

P. M. (2002). Trabalho e cárcere: Um estudo

com agentes penitenciáriios da Região

Metropolitana de Salvador, Brasil. Cadernos

de Saúde Pública, 18(3), 807-816.

Fonseca, R. M. C., & Carlotto, M. S. (2011).

Saúde mental e afastamento do trabalhoem servidores do Judiciário do Estado do

Rio Grande do Sul. Psicologia e Pesquisa

(2), 117-125.

Gasparini, S. M., Barreto, S. M. & Assunção,

A. (2006). Prevalência de transtornos

mentais comuns em professores da rede

municipal de Belo Horizonte, Minas Gerais,

Brasil. Cadernos de Saúde Pública,

(12), 2679-2691. (doi: 10.1590/S0102-

-311X2006001200017).

Lancman, S., Sznelwar, L. I., Uchida, S.&

Tuacek, T. A. (2007). O trabalho na rua

e a exposição à violência no trabalho:

um estudo com agentes de trânsito. Interface-

Comunicação, Saúde, Educação,

(21), 79-92. (doi: 10.1590/S1414-

.

Lima, M. E. A. (2008). A polêmica em torno

do nexo causal entre distúrbio mental e

trabalho. Psicologia em Revista, 10(14),

-91.

Mango, M. S. M., Carilho, M. K., Drabovski,

B., Joucoski, E., Garcia, M. C., Gomes,

A. R. S. (2012). Análise dos sintomas osteomusculares

de professores do ensino

fundamental em Matinhos (PR). Fisioterapia

em Movimento, 25(4), 785-794. (doi:

1590/S0103-51502012000400011).

Metzger, J. L. (2011). Mudança permanente:

Fonte de penosidade no trabalho?

Revista Brasileira de Saúde Ocupacional,

(123), 12-24. (doi: 10.1590/S0303-

.

MPS - Ministério da Previdência Social

(2014). Estatísticas. Tabelas de acompanhamento

mensal dos benefícios auxílios

doença acidentários concedidos segundo

os códigos da CID-10, janeiro a dezembro

de 2013. Recuperado de http://www.previdencia.

gov.br/estatisticas/menu-de-

-apoio-estatisticas-seguranca-e- saude-

-ocupacional-Tabelas/

Nunes, A. V. L., & Lins. S. L. B. (2009).

Servidores Públicos Federais: Uma análise

do prazer e sofrimento no trabalho.

Revista de Psicologia Organizacional e do

Trabalho, 9(1), 51-67.

Paula, A. P. P. (2005). Administração pública

brasileira entre o gerencialismo e a

gestão social. Revista de Administração

de Empresas, 45(1), 36-49. (doi: 10.1590/

S003475902005000100005).

Pereira M. M., & Morgado, M. A. (2012).

A saúde do trabalhador em registros do

INSS de Mato Grosso: Processos de adoecimento

psíquico por motivo de trabalho.

Revista Anagrama, 5(4), 22-29

Pires, J. C. D. S., & Macêdo, K. B. (2006).

Cultura organizacional em organizações

públicas no Brasil. Revista de Administração

Pública, 40(1), 81–104. (doi:

1590/S0034-76122006000100005).

Reis, R. J., La Rocca, P. F. L., Silveira, A.

M., Bonilla, I. M. L., Giné, A. & Martins,

M. (2003). Fatores relacionados ao absenteísmo

por doença em profissionais de

enfermagem. Revista de Saúde Pública,

(5), 616–623. (doi: 10.1590/S0034-

.

Rodrigues, R. R. J., Ima, R. Y., & Ferreira,

W. F. (2001). Um espaço para o desenvolvimento

interpessoal no trabalho. Psicologia

em Estudo, 6(2), 123-127. (doi:

1590/S1413-73722001000200017).

Sala, A., Carro, A. R. L., Correa, A. N., &

Seixas, P. H. D. (2009). Licenças médicas

entre trabalhadores da Secretaria de

Estado da Saúde de São Paulo no ano

de 2004. Cadernos de Saúde Pública,

(10), 2168–2178 (doi: 10.1590/S0102-

X2009001000008).

Sancinetti, T. R., Gaidzinski, R. R., Felli, V.

E. A., Fugulin, F. M. T, Baptista, P. C. P.,

Ciampone, M. H. T., Kurcgant, P., & Silva,

F. J. (2009). Absenteísmo-doença na

equipe de enfermagem: relação com a taxa

de ocupação. Revista da Escola de Enfermagem

da USP, 43(2), 1277-1283. (doi:

1590/S0080-62342009000600023).

Sanderson, K., Andrews, G. (2006). Common

mental disorders in the workforce:

Recent findings from descriptive and social

epidemiology. Canadian Journal of

Psychiatry, 51(2), 63-75.

Santos, J. P., Mattos, A. P. (2010). Absenteísmo-

doença na prefeitura municipal de

Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Revista Brasileira de Saúde Ocupacional,

(121), 148-156. (doi: 10.1590/S0303-

.

Silva, D. M. P. P, & Marziale, M. H. P.

(2000). Absenteísmo de trabalhadores de

enfermagem em um hospital universitário.

Revista Latino-Americana de Enfermagem,

(5), 44-51. (doi: 10.1590/S0104-

.

Silva, E. B. D. F., Tomé, L. A. D. O., Costa,

T. D. J. G. D., & Santana, M. D. C. C. P.

(2012). Transtornos mentais e comportamentais:

Perfil dos afastamentos de servidores

públicos estaduais em Alagoas,

Epidemiologia e Serviços de Saúde,

(3), 505-514. (doi:10.5123/S1679-

.

Silva, M. B., & Vieira, S. B. (2008). O processo

de trabalho do militar estadual

e a saúde mental. Saúde e sociedade,

(4), 161-170. (doi: 10.1590/S0104-

.

Tavares, D. S. (2003). O sofrimento no trabalho

entre servidores públicos: uma análise

psicossocial do contexto de trabalho

em um Tribunal Judiciário Federal. Dissertação

(Mestrado em Saúde Ambiental),

Faculdade de Saúde Pública. São Paulo,

USP.

Publicado
2015-07-21
Como Citar
do Vale, S. F., Maciel, R. H., do Nascimento, A. P. T., Vasconcelos, J. W. O., & Pimentel, F. H. P. (2015). Análise de diagnósticos associados às licenças médicas de servidores públicos do Ceará. Revista De Psicologia, 6(1), 68-81. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/1694
Seção
Artigos