A pesquisa crítica na trama de narrativas: desenredando histórias de assédio sexual nas redes sociais / Critical research in a plot of narratives: untangling stories of sexual harassment on social media

Palavras-chave: Assédio sexual, Histórias, Mulheres, Ativismo digital, Pesquisa Social Crítica

Resumo

Os sites de redes sociais vêm impulsionando protestos antissexistas, nos quais mulheres narram suas experiências de violência sexual e também apoiam outras mulheres com histórias semelhantes. No protesto #PrimeiroAssédio, milhares de mulheres aceitaram o convite para contar suas primeiras histórias de assédio sexual. Este artigo reflete sobre os desafios da pesquisa social crítica e ética com vítimas de assédio sexual que narram suas experiências em plataformas digitais. Tal pesquisa implica desenlear uma trama que envolve as narrativas dominantes acerca dos corpos, papéis, direitos e deveres das mulheres; as contranarrativas das mulheres que contestam as narrativas dominantes; e  as narrativas construídas pelas pesquisadoras sobre as histórias contadas. O artigo discute o que está em jogo ao se escolher como narrar, incluindo a narração acadêmico-científica que se debruça sobre essas histórias. Em conclusão, as autoras entendem sua escrita como um ato político voltado para a transformação social e contra a condição subalterna feminina. As pesquisadoras trabalham para fortalecer as vozes das mulheres que denunciam a violência sexual, operando em aliança com elas, enquanto também contestam as narrativas hegemônicas de base patriarcal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cesaltina Barbosa Marques, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Mestre em Comunicação pela UFC (2010), especialista em Antropologia e Mundos Contemporâneos pela Universidade Católica de Brasília (2005) e graduada em Comunicação Social - Jornalismo pela UFC (2002). Integra o Grupo de Pesquisa da Relação Infância, Adolescência e Mídia (Grim) e o Laboratório de Psicologia em Subjetividade e Sociedade, ambos da UFC.

Idilva Maria Pires Germano, Universidade Federal do Ceará

Professora titular do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará.

Referências

Araújo, A. P. (2020). Abuso: a cultura do estupro no Brasil. Rio de Janeiro: Globo Livros.

Bamberg, M. (2004). Considering counter narratives. In M. Bamberg & M. Andrews (Eds.), Considering counter narratives: narrating, resisting, making sense (pp. 351–371). Amsterdam: John Benjamins.

Bogado, M. (2018). Rua. In H. B. de Hollanda (Ed.), Explosão feminista (pp. 23–60). São Paulo: Companhia das Letras.

Bruner, J. (1997). Atos de significação. Porto Alegre: Artes Médicas.

Cardoso, C. L., Lima, N. de Q., & Rocha, H. C. L. (2016). Primavera das Mulheres: uma análise da cobertura das revistas Época e IstoÉ acerca das manifestações das mulheres por direitos. XXXIX Congresso Intercom São Paulo-SP. São Paulo: Intercom - Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação.

Costa, C. (2018). Rede. In H. B. de Hollanda (Ed.), Explosão feminista (pp. 43–60). São Paulo: Companhia das Letras.

Fairclough, N. (2001). Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Faria, J. (2015). Hashtag Transformação: 82 mil tweets sobre o #PrimeiroAssedio - Think Olga. Retrieved from Thinkolga.com website: http://thinkolga.com/2015/10/26/hashtag-transformacao-82-mil-tweets-sobre-o-primeiroassedio/

Ganz, M. (2001). The power of story in social movements. Annual Meeting of the American Sociological Association. Retrieved from https://dash.harvard.edu/bitstream/handle/1/27306251/Power_of_Story-in-Social-Movements.pdf

Gready, P. (2008). The public life of narratives: ethics, politics, methods. In M. Andrews, C. Squire, & Tamboukoum M. (Eds.), Doing narrative research (pp. 137–156). Los Angeles, London, New Delhi, Singapore: Sage.

Grillo, C., Oliveira, G., & Buscato, M. (2015). A primavera das mulheres. Época. Retrieved from http://epoca.globo.com/vida/noticia/2015/11/primavera-das-mulheres.html

hooks, bell. (2019). Erguer a voz. São Paulo: Elefante Editora.

Olesen, V. L. (2006). Os feminismos e a pesquisa qualitativa neste novo milênio. In N. K. Denzin & Y. S. Lincoln (Eds.), O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens (p. p.129-257). Porto Alegre: Artmed.

Rocha, F. de B. M. (2017). A quarta onda do movimento feminista: o fenômeno do ativismo digital (Universidade do Vale do Rio dos Sinos). Retrieved from http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/6728

Rossi, M. (2015). Mulheres vão às ruas: “Pílula fica, Cunha sai.” El País. Retrieved from http://brasil.elpais.com/brasil/2015/10/30/politica/1446222175_318913.html

Sanderson, J., & Weathers, M. R. (2019). “Every time someone comes forward, it makes it easier for the next survivor to be heard”: Sport as a triggering agent to break the silence of child sexual abuse. Communication Quarterly, 67(3), 333–353. https://doi.org/10.1080/01463373.2019.1596141

Schradie, J. (2018). Moral Monday Is More Than a Hashtag: The Strong Ties of Social Movement Emergence in the Digital Era. Social Media and Society, 4(1). Retrieved from https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/2056305117750719

Squire, C. (2008). Experience-centred and culturally oriented approaches to narrative. In M. Andrews, C. Squire, & M. Tamboukou (Eds.), Doing narrative research (pp. 41–63). Los Angeles, London, New Delhi, Singapore: Sage.

Trujillo, E. B. (2008). Los testimonios o las narrativas de la(s) memoria(s). Estudios Politicos, 1(32), 85–115. Retrieved from https://revistas.udea.edu.co/index.php/estudiospoliticos/article/view/1249

Publicado
2021-07-01
Como Citar
Marques, A. C. B., & Pires Germano, I. M. (2021). A pesquisa crítica na trama de narrativas: desenredando histórias de assédio sexual nas redes sociais / Critical research in a plot of narratives: untangling stories of sexual harassment on social media. Revista De Psicologia, 12(2), 161 - 172. https://doi.org/10.36517/revpsiufc.12.2.2021.12
Seção
Dossiê Especial "Políticas de Narrativas nas Pesquisas Participativas"