Modelagem estrutural fatorial e consistência interna da escala de autoestima de Rosenberg em adolescentes brasileiros

  • Thatiana Maia Tolentino Universidade Católica de Brasília
  • Maria de Fatima de Matos Maia Universidade Estadual de Montes Claros
  • Nilton Soares Formiga Faculdade Internacional da Paraíba/ Laureate International Universities
  • Berenilde Valéria de Oliveira Sousa Universidade Estadual de Montes Claros
  • Gislane Ferreira Melo Universidade Católica de Brasília
Palavras-chave: Autoestima, Adolescentes, Modelagem estrutural, Consistência interna

Resumo

A autoestima é o processo avaliativo do autoconceito e deve ser mensurada com instrumentos fidedignos e confiáveis. Adicionalmente,
a avaliação dessa característica vem sendo considerada uma ferramenta importante na identificação e na prevenção de problemas
psicológicos.  Foi  objetivo  de  este  trabalho  realizar  de  forma  mais  robusta,  a  partir  da  análise  de  modelo  de  equação  estrutural
efetuada  no  Amos  a  avaliação  fatorial  da  escala  de  autoestima,  elaborada  por  Rosenberg  em  diferentes  amostras  etárias  de  12
a 20 anos. A amostra foi composta por 1864 sujeitos, onde 49% destes eram do sexo masculino e 51% feminino. De acordo com
os  resultados  obtidos,  a  escala  de  autoestima  apresentou  indicadores  estatísticos  que  justificam  a  sua  consistência  fatorial  para
amostra de jovens brasileiros, confirmando os dois fatores propostos: autoestima negativa e autoestima positiva. Considerando os
indicadores estatísticos do modelo fatorial, estes, revelaram-se satisfatórios dentro dos intervalos que têm sido considerados como
aceitáveis na literatura vigente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thatiana Maia Tolentino, Universidade Católica de Brasília
Mestre, Brasília, Distrito Federal – Brasil. Grupo Integrado de Pesquisa em Psicologia do Esporte, Exercício e Saúde, Saúde Ocupacional e Mídia – GIPESOM; Bolsista CAPES/PROSSUP - Universidade Católica de Brasília – UCB.
Maria de Fatima de Matos Maia, Universidade Estadual de Montes Claros
Doutora, Montes Claros, Minas Gerais – Brasil- Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes; Grupo Integrado de Pesquisa em Psicologia do
Esporte, Exercício e Saúde, Saúde Ocupacional e Mídia – GIPESOM.
Nilton Soares Formiga, Faculdade Internacional da Paraíba/ Laureate International Universities
Doutor- Faculdade Internacional da Paraíba/ Laureate International Universities – João Pessoa-PB
Berenilde Valéria de Oliveira Sousa, Universidade Estadual de Montes Claros
Mestre, Montes Claros, Minas Gerais – Brasil- Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes; Grupo Integrado de Pesquisa em Psicologia do
Esporte, Exercício e Saúde, Saúde Ocupacional e Mídia – GIPESOM.
Gislane Ferreira Melo, Universidade Católica de Brasília
Doutora - Brasília, Distrito Federal - Brasil; Universidade Católica de Brasília – UCB.

Referências

Assis, S., Pesce, R. P., Avanci, J. Q.,& Njaine,

K. (2005). Encarando os desafios da

vida: Uma conversa com adolescentes. Rio

de Janeiro. Fiocruz.

Bilich, F., Silva, R.,& Ramos. P. (2006).

Análise de flexibilidade em economia da

informação: modelagem de equações estruturais.

Revista de Gestão da Tecnologia

e Sistemas de Informação, 3(2), 93-122.

Bizarro, B., & Silva, A. (2005). Estudo do

bem-estar psicológico durante a adolescência.

Faculdade de Psicologia e de Ciências

da Educação da Universidade de Lisboa.

Branden, N. (2000). Autoestima: Como

aprender a gostar de si mesmo. São Paulo,

SP: Saraiva.

Byrne, B. M. (1989). A primer of LISREL:

Basic applications and programming for

confirmatory factor analytic models. New

York: Springer-Verlag.

Coopersmith, S. (1967). The Antecedents of

self-esteem. San Francisco: Freeman.

Dias, M.G.F.F. (1996). Tarefas desenvolvimentais

e bem-estar psicológico dos jovens.

TesedeDoutoramento não publicada.

Faculdade de Psicologia e Ciências da

Educação daUniversidade do Porto.

Diener, E., & Lucas, R. (2000). Subjective

emotional well being. Em M. Lewis& J. M.

Haviland (Orgs.), Handbook of Emotions

(pp. 325-337). New York: Guilford.

Dini, G. M., Quaresma, M. R.,&Ferreira, L.

M.(2004). Adaptação Cultural e Validação

da Versão Brasileira da Escala de Autoestima

de Rosenberg. Revista da Sociedade

Brasileira Cirurgia Plástica, 19 (1), 41-52.

Garson, G. D. (2003). Public Information

Technology: Policy and Management Issues.

Hershey,PA: Idea Group Publishing.

Giacomoni, C. H. (2002). Bem-estar subjetivo

infantil: conceito de felicidade e construção

de instrumentos para avaliação. Tese

de Doutorado Não-Publicada, Programa de

Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento.

Universidade Federal do Rio

Grande do Sul, Porto Alegre.

Goldsmith, R.E. (1986). Dimensionality of

Rosenberg Self-esteem Scale. Journal of

socialBehavior and Personality, 1, 253-

Hair, J. F.; Anderson, R. E.; Tatham, R.

L.,& Black, W. (2005). Análise Multivariada

de Dados. Porto Alegre: Bookman.

Hagborg,W.J. (1993). The Rosenberg Self-

Esteem Scale and Harter s Self-PerceptionProfile

for adolescents: A concurrent

validity study. Psychology in Schools, 30,

-136.

Hutz, C. (2000). Adaptação brasileira da

Escala de Autoestima de Rosenberg. Curso de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade

Federal do Rio Grande do Sul,

Porto Alegre, Mimeo.

Hutz, C. S.,& Zanon, C. (2011). Revisão da

adaptação, validação e normatização escola

de autoestima de Rosenberg. Avaliação

Psicológica, 10, 41-49.

Joreskög, K.,& Sörbom, D. (1989). LISREL

user’s reference guide. Mooresville: Scientific

Software

Marsh, H.W. (1996). Positive and negative

global self-esteem: A substantively meaningful

distinction or artifactors? Jounal

of Personality and Social Psychology, 70,

-819.

McCarthy, J.D., & Hoge, D.R. (1982). Analysis

of age effects in longitudinal studies

of adolescent self-esteem. Developmental

Psychology, 18, 372-379.

Marriel, L., Assis, S. G., Avanci, J. Q., &

Oliveira, R.V.C. (2006). Violência Escolar e

Autoestima de adolescentes. Cadernos de

Pesquisa, 36 (127), 35-50.

Mruk, C. (1995). Self-esteem: research,

theory, and practice. Springer Publishing

Company: Nova York.

Muenjohn, N.,& Armstrong, A. (2007).

Transformational Leadership: The Influence

of Culture on the Leadership Behaviours

of Expatriate Managers. International

Journal of Business and Information, 2

(2), 265-283.

Peixoto, F. (2004). Qualidade das relações

familiares, autoestima, autoconceito e

rendimento acadêmico. Análise Psicológica,

(23), 235-244.

Robins, R.W., Hedin, H.M., & Trzesniewski,

K.H. (2001). Measuring global selfesteem:

Construct validation of a singleitem

measure ant the Rosenberg Self-esteem

scale. Personalityand Social Psychology

Bulletin, 27, 151-161.

Romano, A., Negreiros, J.,&Martins, T.

(2007).Contributos para a validação da

escala de autoestima de Rosenberg numa

amostra de adolescentes na região interior

norte do país. Psicologia, Saúde & Doenças,

(1), 109-116.

Rosenberg, M. (1973). La autoimagen del

adolescente y la sociedad. (M. Galiano,

Trad.). Buenos Aires: Paidos. (Obra original

publicada 1965).

Rosenberg, M. (1965). Society and the adolescent

self-image. Princeton: PrincetonUniversity

Press.

Sánches, A.,& Escribano, E. (1999). Medição

do autoconceito. Edusc, Bauru.

Santos, P.J., & Maia, J. (1999). Adaptação

e análise factorial confirmatória da Rosenbergself-

steem scale com uma amostra e

adolescentes: Resultados preliminares: In

Avaliaçãopsicológica: Formas e contextos

(vol. VI, pp. 101-103). Braga: Apport.

Santos, P.J., & Maia, J. (2003). Análise factorial

confirmatória e validação preliminar

de uma versão portuguesa da escala

de auto-estima de Rosenberg. Psicologia:

Teoria, Investigação e Prática, 2, 253-268.

Sbicigo, J. B., Bandeira, D. R.,& Dell’Aglio,

D. D. (2010). Escala de Autoestima de Rosenberg

(EAR): Validade fatorial e consistência

interna. Psico-USF, 15(3), 395-403.

Silbert, E., & Tippett, J. (1965). Self-esteem:

Clinical assessment and measurementvalidation.

Psychological Reports, 16,

-1071.

Sousa, B.V.O, Maia, M.F.M.,& Vasconcelos-

Raposo, J.J.B. (2012). Bem-estar,

autoestima e índice de massa corporal

de adolescentes.Motricidade, 8 (2), 1065-

Tabachnick, B. G.,& Fidell, L. S. (1996).

Using multivariate statistics. Needham

Heights, MA: Allyn & Bacon.

Tafarodi, R.W., & Swann, Jr., W.B. (2001).

Two-dimensional self-esteem: Theory andmeasurement.

Personality and Individual

Differences,31, 653-673.

Triandis, H.C. (1995). Individualism and

collectivism. Boulder, CO: Westview Press.

Trianis, H. C. et al. (1993). An etic-emic

analysis of individualism and collectivims.

Journal of cross-cultural psychology, 24

(3), 366-383.

Weiss, M. (1993). Psychological effects of

intensive sport participation on children

and youth: Self-esteem and motivation.

In: Cahill, B. & Pearl, A. (Eds.). Intensive

participation in children’s sport. (pp. 39-

. Champaign, IL: Human Kinetics.

Van De Vijver, F.,& Leung, K. (1997). Methods

and data analysis for cross-cultural

research. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Publicado
2016-03-29
Como Citar
Tolentino, T. M., Maia, M. de F. de M., Formiga, N. S., Sousa, B. V. de O., & Melo, G. F. (2016). Modelagem estrutural fatorial e consistência interna da escala de autoestima de Rosenberg em adolescentes brasileiros. Revista De Psicologia, 6(2), 40-49. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/2580
Seção
Artigos