Histórias de morte e luto: um estudo sócioantropológico da vivência da morte em um grupo operativo no CRAS

  • Andréia Santiago Sobreira Santos Souza Secretaria Municipal de Saúde em Sinop, MT.
  • Franklin Santana Santos Faculdade de Medicina da USP
Palavras-chave: Morte, Luto, Construção social, Grupo operativo

Resumo

O  presente  artigo  inicia  apresentando  uma  reflexão  sócioantropológica  sobre  a  relação  saúde  e  doença,  demonstrando  a  partir
desses indicadores que a morte e luto, os quais queremos destacar, podem ser lidos através de múltiplos impulsionadores e bases
epistemológicas. Aqui escolhemos a Antropologia e a Sociologia. Através da exposição de análises de textos dentro da abordagem
sócio-antropológica  gostaríamos  de  reforçar  a  necessidade  desse  olhar  multidisciplinar,  destacando  seu  caráter  enriquecedor  e
clareador para o estudo da morte e do luto. Para tanto, nos propomos a narrar uma vivência em um grupo operativo numa unidade de
Centro de Referência em Assistência Social (CRAS), onde o assunto “morte” surgiu como fator disparador de experiências passadas,
relacionadas a perdas e luto. A observação desse fenômeno coletivo nos instigou a refletir sobre a morte como uma construção social
ainda atrelada a aspectos negativos e de superação (luto) desafiadora, fora do âmbito de trabalho em saúde, necessariamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréia Santiago Sobreira Santos Souza, Secretaria Municipal de Saúde em Sinop, MT.
Psicóloga clínica, Servidora Pública Municipal, lotada na Secretaria Municipal de Saúde em Sinop, MT.
Franklin Santana Santos, Faculdade de Medicina da USP
Médico geriatra, doutor em medicina pela Faculdade de Medicina da USP. Pós-doutor em Psicogeriatria pelo Instituto Karolinska - Suécia e formação complementar em Saúde e Espiritualidade pela Duke University, professor colaborador da Disciplina de Tanatologia da pós-graduação da Faculdade de Medicina
da USP e sócio-fundador da Pinus Longaeva Assessoria e Consultoria em Saúde e Educação.

Referências

BARROS, N. F.; NUNES, E. D. (2009). Sociologia,

medicina e a construção da sociologia

da saúde. Revista saúde pública.

Campinas, vol.43 (1), p. 169-175.

COELHO, M. T. A. D.; FILHO, Naomar A.

(2002). Conceitos de saúde em discursos

contemporâneos de referência científica.

História, ciência e saúde. Rio de Janeiro,

vol. 9 (2): 315-33, p. 315-333, maio/dez.

KOVÁCS, M. J. (2009). Perdas e Processos

de Luto. In: F. S. SANTOS (Org.). A arte de

morrer: visões plurais. Bragança Paulista:

Editora Comenius.

MENEZES, R. A. (2004). Em busca da boa

morte:antropologia dos cuidados paliativos.

Rio de Janeiro: Garamond: FIOCRUZ.

MINAYO, M. C. (2006). Contribuições da

antropologia para pensar a saúde. In:

CAMPOS, Gastão Wagner Souza et al.

Tratado de saúde coletiva. São Paulo:

Editora Hucitec.

OLIVEIRA, F. A. (2002). Antropologia nos

serviços de saúde: integralidade, cultura

e comunicação. Interface, comunicação,

saúde e educação. Botucatu, vol. 6, n. 10,

p. 63-74, fev.

RODRIGUES, J. C. S. (2009). A morte

numa perspectiva antropológica. In: F. S.

SANTOS, (Org.). A arte de morrer: visões

plurais. Bragança Paulista: Editora Comenius.

SANTOS, F. S. (2009). (Org.). A arte de

morrer: visões plurais. Bragança Paulista:

Editora Comenius.

SEPILLI, T. (2011). Saúde e antropologia:

contribuições à interpretação da condição

humana em ciências da saúde. Interface,

comunicação, saúde e educação. Botucatu,

vol. 15, n.38, p. 903-914, jul./set.

SIGNORELLI, S. (2011). Não me esqueças:

a finitude, a vida e a morte. São José dos

Campos: Della Bídia Editora.

UCHÔA, E.; VIDAL, J. M. (1994). Antropologia

médica: elementos conceituais e metodológicos

para uma abordagem da saúde

e da doença. Caderno de saúde pública. Rio

de Janeiro, vol.10 (4), p.497-504, out./dez.

Publicado
2016-03-29
Como Citar
Souza, A. S. S. S., & Santos, F. S. (2016). Histórias de morte e luto: um estudo sócioantropológico da vivência da morte em um grupo operativo no CRAS. Revista De Psicologia, 6(2), 59-75. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/2581
Seção
Artigos