CRAS e território: relato de experiência em um Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos

  • Marina Lemos Carcereri Mano Universidade Federal de Santa Catarina
  • Laura Cardoni Ruffier Universidade Federal de Santa Catarina
  • Graziele Aline Zonta Universidade Federal do Paraná
  • Andrea Vieira Zanella Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo relatar a experiência de estágio de alunas de um curso de graduação em Psicologia em um Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (CCFV). Foram realizados grupos com crianças com o objetivo de trabalhar questões relativas às suas vivências cotidianas e as emoções dali advindas. Em todas as intervenções utilizou-se como mediadores do processo grupal materiais artísticos e lúdicos, incluindo desenho, sucata, contação de histórias e brincadeiras diversas. Observou-se que os temas mais frequentemente expressos pelas crianças, através de suas falas e de suas produções artísticas, relacionavam-se ao vínculo com a mãe e familiares, perdas e conflitos e aqueles marcados por diferenciações de gênero. Além de relevante por possibilitar ao grupo de crianças o (re)criar e o (re)pensar de sentimentos, ações, relações e vivências, a experiência de estagiar em um CCFV evidenciou inúmeras dificuldades e desafios, como a rotatividade dos funcionários e a precariedade do serviço e do vínculo com o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS).

Biografia do Autor

Marina Lemos Carcereri Mano, Universidade Federal de Santa Catarina
Psicóloga pela Universidade Federal de Santa Catarina e estudante de licenciatura na mesma Universidade.
Laura Cardoni Ruffier, Universidade Federal de Santa Catarina
Psicóloga pela Universidade Federal de Santa Catarina e mestranda na mesma Universidade. Trabalha na linha de pesquisa migrações, processos psicológicos e saúde mental.
Graziele Aline Zonta, Universidade Federal do Paraná
Psicóloga pela Universidade Federal do Paraná, mestre e doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atua como psicóloga na Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis da Universidade Federal do Paraná
Andrea Vieira Zanella, Universidade Federal de Santa Catarina
Psicóloga pela Universidade Federal do Paraná, mestre e doutora pela Pontifica Universidade Católica de São Paulo. Orientadora de mestrado e doutorado vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina e professora vinculada a mesma universidade. Trabalha na linha de Relações Éticas e Estéticas e Processos de Criação.

Referências

Andaló, C. (2006). Mediação grupal: uma leitura histórico-cultural. São Paulo: Ágora.

Corrêa, C. S., & Souza, S. J. (2011). Violência e vulnerabilidades: os jovens e as notícias de jornal. Fractal: Revista de Psicologia, 23(3), 461-486.

Cunha, T. C., & Bicalho, P. P. G. (2018). Por uma Concepção Política de Conflito Escolar. Revista de Psicologia, 9(1).

Fernandes, W. J. (2003). Grupos e configurações vinculares. Artmed Editora.

Fontes, V. (2017). Capitalismo, crises e conjuntura. Serviço Social e Sociedade, n. 130, 409-425

Lapassade, G. (1983). Dialética dos grupos, das organizações e das instituições. Em G. Lapassade. Grupos, organizações e instituições. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Maranhão, J. H., & Vieira, C. A. L. (2017). Brincar como linguagem da criança: Contribuições contemporâneas. Revista de Psicologia, 8(2).

Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS (2016). Caderno de Orientações. Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família e Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. Brasília: DF

Novaes, L. C. (2010). A formação des (continuada) dos professores temporários: provisoriedade e qualidade de ensino. Revista Diálogo Educacional, 10(30).

Pichon-Rivière, E. (1998). O processo Grupal. São Paulo: Martins Fontes.

Quintal, M. (2016). Desafios atuais e antigas sutilezas nas práticas da psicologia social comunitária. Psicología, Conocimiento y Sociedad, 6(1), 131-163.

Silva, M. E. F., & Brabo, T. S. A. M. (2017). A introdução dos papéis de gênero na infância: brinquedo de menina e/ou de menino? Revista Trama Interdisciplinar, v. 7, n. 3, 127-140.

Silva, R. B., Carvalhaes, F. F. (2016). Psicologia e Políticas Públicas: Impasses e Reinvenções. Psicologia & Sociedade., vol. 28, nº2, 247-256

Teixeira, S. M (2010). Trabalho social com famílias na Política de Assistência Social: elementos para sua reconstrução em bases críticas. Serviço Social em Revista, v.13, n.1, 4-23.

Vigotski, L. S. (2009). Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico-livro para professores; apresentação e comentários Ana Luiza Smolka; tradução Zoia Prestes. São Paulo: Ática.

Publicado
2019-07-01
Como Citar
Lemos Carcereri Mano, M., Cardoni Ruffier, L., Zonta, G. A., & Vieira Zanella, A. (2019). CRAS e território: relato de experiência em um Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. Revista De Psicologia, 10(2), 91 - 96. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/31551