Representação social da violência contra as mulheres: revisão sistemática dos estudos no Brasil

  • Kalline Flávia Silva de Lira Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Representações sociais, violência contra a mulher, psicologia, pesquisa científica

Resumo

A relevância da Teoria das Representações Sociais no campo da Psicologia é indiscutível, por possibilitar a análise dos fenômenos de relevância social. Este trabalho apresenta os resultados de uma revisão sistemática sobre a violência contra as mulheres à luz das representações sociais. O levantamento foi realizado no portal da CAPES para dissertações e teses, e plataformas BVS-Psicologia, e MEDLINE, para artigos científicos. As análises realizadas nesses universos tiveram por suporte os textos dos resumos das dissertações e teses, e os textos completos dos artigos disponíveis nas plataformas escolhidas, restritos à produção do período de 2013 a 2016. As leituras realizadas permitem endossar que os estudos sobre a violência contra as mulheres baseiam-se raramente na Teoria das Representações Sociais, tendo sido encontrado um volume muito pequeno de produção na área do conhecimento destacada, que foi a Psicologia. Compreendemos que questões relacionadas ao fenômeno da violência contra as mulheres podem ser discutidas, face à importância das representações sociais das mulheres em situação de violência, dos homens agressores, dos/as profissionais, entre outros atores que compõem a rede de enfrentamento da violência contra a mulher.

Biografia do Autor

Kalline Flávia Silva de Lira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Doutoranda em Psicologia Social, pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Mestre em Direitos Humanos, pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Psicóloga.

Referências

Abric, J-C. (2001). Práticas sociales y representaciones. México: Ediciones Ccoyacán.

Ângulo-Tuesta, A. J. (1997). Gênero e violência no âmbito doméstico: a perspectiva dos profissionais de saúde. (Dissertação de Mestrado). Departamento de Ciências Sociais, Fundação Oswaldo cruz, Rio de Janeiro - RJ.

Brasil. (2006). Lei nº 11.340, de 07/08/2006. Lei Maria da Penha. Cria mecanismo para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília: Casa Civil. Recuperado em 05 maio, 2018, de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm.

Centro Feminista de Estudos e Assessoria. (2007). Lei Maria da Penha: do papel para a vida. Comentários à lei 11.340/2006 e sua inclusão no ciclo orçamentário. Brasília: CFEMEA.

D’Oliveira, A. F. P. L. (2000). Violência de gênero, necessidades de saúde e uso de serviços em atenção primária. (Tese de Doutorado). Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo, São Paulo – SP.

Dantas-Berger, S. M., & Giffin, K. (2005). A violência nas relações de conjugalidade: invisibilidade e banalização da violência sexual? Cadernos de Saúde Pública, 21 (2), 417-425.

Jodelet, D. (2001). Representações Sociais: um domínio em expansão. In D. Jodelet (Org.). As Representações Sociais (pp. 17-41). Rio de Janeiro: EDUERJ.

Jodelet, D. (2011). Sobre o movimento das representações sociais na comunidade científica brasileira. Temas em Psicologia, 19 (1), 19-26.

Krug, E. G.; Dahlberg, L. L.; Mercy, J. A.; Zwi, A. B., & Lozano, R. (2002). Relatório Mundial sobre Violência e Saúde. Brasília: OMS/Opas/UNDP/Secretaria de Estado dos Direitos Humanos.

Moscovici, S. (1978). A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Moscovici, S. (2012). A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis: Vozes.

Scott, J. W. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, 20 (2), 71-99.

Waiselfisz, J. J. (2012). Mapa da Violência 2012. Atualização: Homicídio de mulheres no Brasil. Brasília: Instituto Sangari.

Waiselfisz, J. J. (2015). Mapa da Violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. Brasília: ONU/OPAS/OMS/SPM/Flacso. Instituto Sangari.

Publicado
2019-07-01
Como Citar
Lira, K. F. S. de. (2019). Representação social da violência contra as mulheres: revisão sistemática dos estudos no Brasil. Revista De Psicologia, 10(2), 22 - 30. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/32387