A interface da psicologia com a surdez: uma revisão sistemática

  • Gláucio Camargos Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - FAMERP
  • Lazslo Àvila Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - FAMERP

Resumo

A falta de compreensão sobre as diferenças culturais e linguísticas de pessoas que apresentam a surdez como marca corporal pode ser uma barreira para psicólogos e equipes de pesquisa em saúde que trabalham com essa população. Seguindo a metodologia PRISMA de pesquisa sistemática este artigo realiza uma revisão em periódicos nacionais e internacionais a fim de caracterizar a atual situação de atendimento psicoterápico para surdos e seu contexto. Apresentamos o resultado de uma busca feita em periódicos indexados nas bases de dados SciELO e PUBmed no período dos últimos 10 anos. Os principais resultados indicam que o conceito socioantropológico de surdez prevalece sobre o modelo médico-clínico, que as temáticas de maior interesse são a linguagem e a língua, o desenvolvimento cognitivo e as relações familiares. A maioria dos estudos encontrados no período de recorte dessa revisão conforma um leque que vai da fusão entre o pensamento, o discurso e seu resultado cultural em um dos extremos, a uma separação e a segregação de ambos, no outro. Discute-se a necessidade de ampliar a produção científica na área.

Referências

Andrade, L. F.; Castro, S. S. Saúde e surdez: instrumentos de pesquisa em língua de sinais. Medicina (Ribeirão Preto) 2016;49(2):175-84

Atkinson, J. R.; The Perceptual Characteristics of Voice-Hallucinations in Deaf People: Insights into the Nature of Subvocal Thought and Sensory Feedback Loops. Schizophr Bull 2006; 32 (4): 701-708.

Bisol, C; Sperb, T.M. Discursos sobre a surdez: deficiência, diferença, singularidade construção de sentido. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa. Mar 2010, Volume 26 Nº 1 Páginas 07 - 13

Bremm, E. S; Bisol, C. A. Sinalizando a adolescência: narrativas de adolescentes surdos. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 28, n. 2, p. 272-287, 2008.

Bruin, E.; Brugmans, P. The Psychotherapist and The Sign Language Interpreter. Journal Deaf Stud Deaf Educ. 2006 Summer; 11(3):360-8. PMID: 16540701

Capovilla, F. C. O implante coclear como ferramenta de desenvolvimento lingüístico da criança surda. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, (1998) 8(1/2), 26-88

Davidson, F; Cave, M.; Reedman, R; Briffa, D; Dark, F. Dialecticalbehavioral therapy informed treatment with deaf mental health consumers: na Australian pilot program. Australias Psychiatry. 2012 Oct;20(5):425-8.

Fernandes, E. Língua de sinais e desenvolvimento cognitivo de crianças surdas. Informativo Técnico-Científico Espaço INES, (2000)13, 48-51

Freud, S. (1923). O Ego e o Id. In: Freud, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. v. 19. Rio de Janeiro: Imago, 1990, p.183.

Lacan, J. O seminário livro 10: A angústia. (1962-63). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

Lacan, J. Escritos. (1966) Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

Munro, L; Knox, M., E Lowe, R. Exploring the Potential of Constructionist Therapy: Deaf Clients, Hearing Therapists and a Reflecting Team. Journal of Deaf Stud Deaf Educ (2008) 13 (3): 307-323.

Pinto, T. Relações possíveis entre desencadeamento psicótico e implante coclear: reflexões a partir do contexto clínico francês. Psicologia Clínica, (2013)25(2), 33- 51

Quinet, A. (2000). Teoria e clínica da psicose. Rio de Janeiro: Forense Universitária

Santana, A. P., Guarinello, A. C., Berberian, A. P., & Massi, G. O estatuto simbólico dos gestos no contexto da surdez. Psicol. estud., (2008)13(2), 297-306

Silva, G. F. da. Reflexões psicanalíticas sobre a língua, o estrangeiro e a intimidade em

casos de surdez profunda. Psicol. Am. Lat., México , (2007) n. 9, abr. 53-71

Vigotsky, L.S. Pensamento e Linguagem. Martins fontes, São Paulo, 1989

Publicado
2019-07-01
Como Citar
Camargos, G., & Àvila, L. (2019). A interface da psicologia com a surdez: uma revisão sistemática. Revista De Psicologia, 10(2), 148 - 158. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/32445