Familiares de Jovens Assassinados: Uma Revisão Sistemática de Literatura

  • Jéssica Silva Rodrigues Universidade Federal do Ceará
  • João Paulo Pereira Barros Universidade Federal do Ceará

Resumo

Este artigo visa analisar o modo como familiares de jovens assassinados têm sido retratados na literatura que discute a violência letal juvenil. Como objetivos específicos, propõe-se pôr em análise produções discursivas de artigos científicos sobre repercussões dos homicídios juvenis nos familiares das vítimas, compreendendo de que modo esse tema vem sendo abordado nas produções no campo da psicologia. Para tanto, foi realizada uma revisão sistemática de literatura sobre o tema, utilizando-se os seguintes descritores: Homicídio, Família, Jovem. Visando ampliação dos resultados, foram realizadas buscas com variações desses descritores. As buscas foram feitas na plataforma CAPES e PEPSIC, no período de abril de 2018.  Foram selecionados 16 artigos produzidos entre os anos de 2005 e 2017, que versavam sobre os impactos dos homicídios juvenis no cotidiano de seus familiares. Os resultados foram apresentados a partir dos seguintes tópicos: O lugar dos familiares nas produções; Repercussões psicossociais nos familiares de jovens assassinados; e Implicações da Psicologia nas discussões sobre impactos dos homicídios juvenis em familiares.

Biografia do Autor

Jéssica Silva Rodrigues, Universidade Federal do Ceará
Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Especialista em Saúde Mental pela Escola de Saúde Pública do Ceará. Mestranda em psicologia pela UFC.
João Paulo Pereira Barros, Universidade Federal do Ceará
Professor da Graduação e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal do Ceará

Referências

Sant’anna, A., Aerts, D., & LOPES, M. (2005). Homicídios entre adolescentes no Sul do Brasil: situações de vulnerabilidade segundo seus familiares. Cadernos de Saúde Pública, 21(1), 120-129.

Almeida, E. J., Garcia - santos, S., & Haas, E. I. (2011). Padrões Especiais de Luto em Mães que Perderam Filhos por Morte Súbita. Revista de Psicologia da IMED, 3(2), 607-616.

Araújo, F. A. (2012). Das Consequências da “arte” macabra de fazer desaparecer corpos: violência, sofrimento e política entre familiares de vítima de desaparecimento forçado. (Tese de Doutorado em Sociologia e Antropologia - Instituto de Filosofia e Ciências Sociais) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Barbosa, C. G., Melchiori, L. E., & Neme, C. M. B. (2011). Morte, família e a compreensão fenomenológica: revisão sistemática de literatura. Psicol. rev. (Belo Horizonte), 17(3), 363-377.

Brites, J., & Fonseca, C. (2013). As metamorfoses de um movimento social: Mães de vítimas de violência no Brasil. Analise Social, 48 (209), p.858-878.

Costa, D. H., Njaine, K. Schenker, & M. (2017). Repercussões do homicídio em famílias das vítimas: uma revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, 22 (9), p. 3087-3097.

Cremasco, M. V. F., Schinemann, D., & Pimenta, S. O. (2015). Mães que Perderam Filhos: uma Leitura Psicanalítica do Filme Rabbit Hole. Psicologia, 35(1), 54-68.

Damasceno, L., Rodrigues, H. S. J., Aguiar, D. P. (2014). Dor, Sofrimento e Luto em mães de periferia de Fortaleza. In: Trabalho apresentado na 29ª Reunião Brasileira de Antropologia, Natal, RN/Brasil.

Domingues, D. F., & Dessen, M. A. (2013). Reorganização familiar e rede social de apoio pós-homicídio juvenil. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 29 (2),141-148.

Domingues, D. F., Dessen, M. A.; Queiroz, E. (2015). Luto e enfrentamento em famílias vitimadas por homicídio. Arq. bras. psicol., 67 (2), p.61-74.

Domingues, D. F., Villas boas, A. C. V. B., & Dessen, M. A. (2011). Homicídio juvenil por arma de fogo e reorganização familiar: um estudo de caso. Psico,42(1), pp.51-58.

Fonseca, C. (2005) Concepções de família e práticas de intervenção: uma contribuição antropológica. Saúde e Sociedade, 14(2), p.50-59.

Grisales, S. A. (2016). Fazer visíveis as perdas: Morte, memória e cultura material. Tempo Social, 28(1), 85-104.

Mioto, R. C. Novas propostas e velhos princípios: a assistência às famílias no contexto de programas de orientação e apoio sociofamiliar. In.: Sales, M. A., Matos, M. C., Leal, M. A. (orgs.). (2010). Política Social, família e juventude uma questão de direitos. (6ª ed., pp. 43 – 59) São Paulo: cortez.

Molina, M. (2017). Reparación para las víctimas en el municipio de tumaco. Análisis Político,30(90), 121-139.

Nascimento, P. H. A. (2017) “A escola é a segunda família e a família é a primeira escola” Uma arqueogenealogia da parceria entre família e escola. (Dissertação de Mestrado em psicologia).Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Nieto, P. (2010). Relatos autobiográficos de vítimas do conflito armado: uma proposta teórico-metodológica. Revista de Estudios Sociales, 36, 76-85.

Moura junior, J. F., & Sarriera, J. C. (2017). As Relações entre Pobreza e Bem-estar: uma revisão sistemática. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, Londrina, 8(2),100-125.

Rodrigues, H. S. J., Damasceno, L. (2015). Coração de mãe é terra que ninguém anda: Um estudo das redes, “tramas” e conflitos de mães em luto nas favelas à beira-mar. RBSE – Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, 14 (40), 37-45.

Sampaio, R. F.; Mancini, M.C. (2007) Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev. bras. fisioter., 11(1), 83-89.

Santos, J. E. F. (2007). Homicídio entre jovens de uma periferia de salvador, Bahia: um relato de experiência sobre a violência e o desenvolvimento humano. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 17 (3), 72-84.

Santos, J. E. F. (2010) Cuidado com o vão: Repercussões do homicídio entre jovens de periferia. (1ª ed.). Salvador - Bahia: EDUFBA.

Sarti, C. A. (2003). A família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. São Paulo: Cortez, 2003.

Schenker, M.; Njaine, K. (2017). Homicídios de jovens: os impactos da perda em famílias de vítimas. Physis, 27(3), 685-705.

Silva, C.M. (2017). A Ética nas famílias contemporâneas: Reflexões sobre o “ser” e o “outro do ser” a partir dos filmes Abril Despedaçado e Boyhood. (Dissertação de Mestrado em Psicologia). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Silvestre, C. (2016). Genealogia e história não resolvida do desaparecimento forçado no México. Iconos, 20(2), 93-114.

Zaluar, A.; Monteiro, M. F. G. (2012). Desigualdades regionais do risco de mortalidade de jovens: Raça, renda e/ou escolaridade da mãe? Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, 5(3), 369-386.

Publicado
2019-07-01
Como Citar
Rodrigues, J. S., & Barros, J. P. P. (2019). Familiares de Jovens Assassinados: Uma Revisão Sistemática de Literatura. Revista De Psicologia, 10(2), 177 - 186. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/32996