Experiências formativas de gestores relacionados ao curso de Psicologia de uma universidade interiorizada: estudo fenomenológico

  • Aline Mattos Braga Barros Universidade Federal da Bahia
  • Paulo Coelho Castelo Branco Universidade Federal da Bahia

Resumo

Este estudo objetiva compreender experiências formativas de docentes com funções administrativas relacionadas ao curso de Psicologia de uma instituição de ensino superior situada no interior do estado da Bahia. A pesquisa se orientou qualitativamente pelo Método Fenomenológico Empírico com quatro gestores, cada qual com diferentes funções. As experiências apontam para os seguintes sentidos: motivações para assumir o cargo; implicações e ampliações formativas no trabalho administrativo; desafios e potencialidades da gestão pública em uma universidade interiorizada; crescimento do curso e perspectivas para futuras gestões. Entende-se que não há uma formação prévia para assumir tal cargo e que muitos problemas apontados remetem a um cenário nacional maior, fruto das políticas expansionistas educacionais do ensino superior, que afetam as universidades interiorizadas no trabalho docente e na formação discente. A despeito disso, existem potencialidades relacionadas à formação do psicólogo e a instauração de serviços para comunidade. Conclui-se com a sugestão de uma pesquisa de contraste entre a capital e o interior.

Biografia do Autor

Aline Mattos Braga Barros, Universidade Federal da Bahia
Graduada em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia. Graduada em Jornalismo pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Especialista em Comunicação e Marketing Empresarial pela Faculdade Juvêncio Terra.
Paulo Coelho Castelo Branco, Universidade Federal da Bahia
Professor Adjunto da Universidade Federal da Bahia. Doutor em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Coordenador do Núcleo de Estudos em Psicologia Humanista. Coordenador do Programa de Mestrado em Psicologia da Saúde da UFBA. Coordenador Adjunto do GT de História da Psicologia da ANPEPP.

Referências

Andrade, C., & Holanda, A. (2010). Apontamentos sobre pesquisa qualitativa e pesquisa empírico-fenomenológica. Estudos de Psicologia (Campinas), 27(2), 259-268. doi: 10.1590/S0103-166X2010000200013

Aguiar, M. (2016). Um olhar sobre desafios da gestão didático-pedagógica no Ensino Superior. Revista Pro-Posições, 27(3), 221-236. doi:10.1590/1980-6248-2015-0078

Araújo, C., & Santos, L. (2014). O Reuni na opinião dos gestores de uma universidade pública. Psicologia & Sociedade, 26(3), 642-651. doi: 10.1590/S0102-71822014000300013

Bendassolli, P., & Gondim, S. (2014). Significados, sentidos e função psicológica do trabalho: Discutindo essa tríade conceitual e seus desafios metodológicos. Avances en Psicología Latinoamericana, 32(1), 131-147. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=79929780010

Castelo-Branco, P. (2014). Diálogo entre análise de conteúdo e método fenomenológico empírico: percursos históricos e metodológicos. Revista da Abordagem Gestáltica - Phenomenological Studies, 20(2), 189-197. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rag/v20n2/v20n2a06.pdf

Castelo-Branco, P., & Feitosa, E. (2017). Formação do Psicólogo nos interiores do Brasil: reflexões e implicações. Em F. Lemos et al. (Orgs.), Conversas transversalizantes entre Psicologia Política, Social-Comunitária e Institucional com os campos da Educação, Saúde e Direitos Humanos (Vol. 7., pp. 557-566). Curitiba: CRV.

Costa, C., & Goulart, S. (2018). Capitalismo acadêmico e reformas neoliberais no ensino superior brasileiro. Cadernos EBAPE.BR, 16(3), 396-409. doi: 10.1590/1679-395165788

Costa, J., Costa, A., Lima, F., Seixas, P., Pessanha, V., & Yamamoto, O. (2012). A produção científica sobre a formação do psicólogo no Brasil. Psicologia em Pesquisa, 6(2), 130-138. doi: 0.5327/Z1982-12472012000200006

Esther, A., Silva, F., & Melo, B. (2010). A Identidade Gerencial de Chefes de Departamento de Universidades Federais em Minas Gerais. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 3 (2), 213-222. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/gerais/v3n2/v3n2a10.pdf

Hoff, M. (1999). A proposta de diretrizes curriculares para os cursos de psicologia: uma perspectiva de avanços?. Psicologia: Ciência e Profissão, 19(3), 12-31. doi: 10.1590/S1414-98931999000300003

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. (2016). Sinopse estatística da educação superior 2015. Brasília: INEP. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/visualizar/-/asset_publisher/6AhJ/content/resultados-de-2015-ja-podem-ser-consultados-e-revelam-desafios-para-a-educacao-superior-brasileira?redirect=http%3a%2f%2fportal.inep.gov.br%2f

Giorgi, A. (2008). Sobre o método fenomenológico utilizado como modo de pesquisa qualitativa nas ciências humanas: teoria, prática e avaliação. Em J. Poupart et al (Orgs.), A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos (p. 386-409., A. Cristina, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1997).

Kanan, L., & Zanelli, J. (2011). Envolvimento de docentes-gestores com o trabalho no contexto universitário. Psicologia & Sociedade, 23(1), 56-65. doi: 10.1590/S0102-71822011000100007

Léda, D., & Mancebo, D. (2009). REUNI: heteromia e precarização da universidade e do trabalho docente. Educação & Realidade, 34(1), 49-64. Recuperado de http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/8457/4922

Macedo, J., & Dimenstein, M. (2011). Expansão e interiorização da Psicologia: reorganização dos saberes e poderes na atualidade. Psicologia, Ciência e Profissão, 31(2), 296-313. doi: 10.1590/S1414-98932011000200008

Macêdo, S. (2000). Psicologia clínica e aprendizagem significativa: relatando uma pesquisa fenomenológica colaborativa. Psicologia em Estudo, 5(2), 49-76. doi: 10.1590/S1413-73722000000200005

Mancebo, D., Valle, A., & Martins, T. (2015). Políticas de expansão da educação superior no Brasil 1995-2010. Revista Brasileira de Educação, 20(80), 31-50. doi: 10.1590/S1413-24782015206003

Maslow, A. (2003). Diário de negócios de Maslow (D. Sthephens, Org., N. Freire, Trad.). Rio de Janeiro: Qualitymark. (Trabalho original publicado em 1965).

Rocha, M., Boris, G., & Moreira, V. (2012). A experiência suicida numa perspectiva humanista-fenomenológica. Revista da Abordagem Gestáltica, 18(1), 69-78. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rag/v18n1/v18n1a10.pdf

Sampaio, J. (2009). O Maslow desconhecido: uma revisão de seus principais trabalhos sobre motivação. RAUSP – Revista de Administração, 44(1), 5-16. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=223417526001

Silva, E., & Mancebo, D. (2014). Subjetividade docente na expansão da UFF: criação, refração e adoecimento. Fractal: Revista de Psicologia, 26(2), 479-492. doi:10.1590/1984-0292/1272

Publicado
2019-07-01
Como Citar
Barros, A. M. B., & Castelo Branco, P. C. (2019). Experiências formativas de gestores relacionados ao curso de Psicologia de uma universidade interiorizada: estudo fenomenológico. Revista De Psicologia, 10(2), 121 - 129. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/33963