A Vivência do Luto da Equipe de Saúde na Oncologia Pediátrica

  • Ana Jamille Carneiro Vasconcelos
  • Caio Monteiro Silva
  • Pedro Renan Santos de Oliveira

Resumo

A morte e a saúde são presentes na humanidade em todo tempo e espaço, contudo os modos de experiência diferem de acordo com cada cultura. Este trabalho, ancorado teoricamente na fenomenologia heideggeriana, buscou analisar a vivência do luto da equipe de saúde no contexto da oncologia pediátrica. Foi realizada uma revisão narrativa de periódicos em Psicologia e Saúde, os quais integraram o material qualitativo analisado e utilizado na construção das categorias temáticas “A equipe de saúde em seus processos de trabalho” e “O câncer infantil em seus processos de cuidado”. A literatura indica o sofrimento dos profissionais de saúde em sua atuação e propõe estratégias de apoio para uma maior preparação desses sujeitos ao lidarem com os desafios e sentimentos despertados na prática. As dimensões éticas e emocionais da oncologia pediátrica são especialmente complexas; o extenso período de tratamento favorece maior envolvimento afetivo com o paciente, mobilizando intensamente os profissionais. Identificamos nos princípios norteadores dos cuidados paliativos possíveis contribuições para a capacitação e o cuidado da equipe de saúde referente à terminalidade, especialmente quanto à comunicação na relação terapêutica. O aprofundamento da temática pode favorecer o embasamento de práticas de apoio aos profissionais e uma assistência em saúde mais humanizada.

Biografia do Autor

Ana Jamille Carneiro Vasconcelos
Graduação em Psicologia pela Universidade Estadual do Ceará (2016). Especialização em Residência Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar à Saúde - Assistência em Transplante pela Universidade Federal do Ceará (2018). Especialização em Psicologia da Saúde pelo Conselho Regional de Psicologia (2018). Experiência na área de Saúde Pública e Psicologia Hospitalar.
Caio Monteiro Silva
Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará - UFC; Gestalt-Terapeuta pelo Instituto Gestalt do Ceará - IGC; Bacharel em Psicologia pela Universidade de Fortaleza - UNIFOR. Atualmente é Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará - UFC (Linha de Pesquisa: Sujeito e Cultura na Contemporaneidade), Pesquisador do Laboratório de Psicologia em Subjetividade e Sociedade - LAPSUS, Professor no curso de psicologia da faculdade Ari de Sá. Desenvolve trabalhos no campo da Família, Ética, Sociedade e Subjetividades Contemporâneas, Gestalt-Terapia, Psicologia Clínica e Epistemologia.
Pedro Renan Santos de Oliveira
Doutor em Psicologia (Social) no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFC - com estância doutoral (doutorado sanduíche) na Universidad Complutense de Madrid - Espanha. Mestre em Saúde da Família - UFC. Especialista com Residência em Saúde da Família e Comunidade - SMSE/ UECE. Formação e Bacharelado em Psicologia - UFPE. Foi Conselheiro da VIII Plenária do CRP-11 (2013-2016), membro da Comissão de Saúde e membro da Direção (tesoureiro). Atuou na implantação das Residência Multiprofissional no estado do Ceará, e coordenou o Programa de Residência em Saúde da Família e Comunidade na Escola de Saúde Pública do Ceará (RIS - ESP/CE) entre 2011 e 2015. Atua na área da Formação em Saúde e desenvolve práticas e pesquisas em Saúde Mental na Atenção Primária a Saúde e Psicologia em interface com a Saúde Coletiva. Experiência na área da assistência psicológica, com ênfase em Psicologia Clínica de abordagem Psicossocial. Atualmente, Professor Universitário, filiado ao Núcleo de Psicologia Social e Saúde (NUPSA) da UniChristus/ CE, também Pesquisador Visitante do "Paralaxe" - Grupo Interdisciplinar de Estudos, Pesquisas e intervenções em Psicologia Social Crítica (grupo CNPq), vinculado ao Dpto. de Psicologia da UFC, e Supervisor Clínico-Institucional da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) de Maracanaú-CE.

Referências

Aguiar, I. R., Veloso, T. M. C., Pinheiro, A. K. B., & Ximenes, L. B. (2006). O envolvimento do enfermeiro no processo de morrer de bebês internados em unidade neonatal. Acta Paul Enferm., 19(2), 131-137.

Almeida, M. D. (2011). A criança com tumor de sistema nervoso central: considerações da psicanálise para a área da saúde. Dissertação de Mestrado Não-Publicada, Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Araújo, M. M. T., & Silva, M. J. P. (2007). A comunicação com o paciente em cuidados paliativos: valorizando a alegria e o otimismo. RevEscEnferm USP, 41(4), 668-674.

Ariès, P. (2003). História da morte no ocidente: da Idade Média aos nossos dias. Rio de Janeiro: Ediouro Publicações.

Ariès, P. (1981). História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Editora Guanabara S. A.

Cardoso, E. A. O., & Santos, M. A. (2013). Luto antecipatório em pacientes com indicação para transplante de células tronco hematopoéticas. Ciências & Saúde Coletiva, 18(9), 2567-2575.

Caputo, R. F. (2008). O homem e suas representações sobre a morte e o morrer: um percurso histórico. Saber acadêmico: Revista Multidisciplinar da UNIESP, 6, 73-80.

Costa, J. C., & Lima, R. A. G. (2005). Luto da equipe: revelações dos profissionais de enfermagem sobre o cuidado à criança/adolescente no processo de morte e morrer. Rev. Latino-Am Enfermagem, 13(2), 151-157.

Doka, K. (1989). Disenfranchised grief: Recognizing hidden sorrow. New York: Lexington Books.

Färber, S. S. (2013). Tanatologia clínica e cuidados paliativos: facilitadores do luto oncológico pediátrico. Cad. Saúde Colet., 21(3), 267-271.

Genezini, D. (2012). Assistência ao luto. In Carvalho, R. T., & Parsons, H. F. (Org.). Manual de Cuidados Paliativos ANCP (pp. 569-584) (2a ed.). Academia Nacional de Cuidados Paliativos.

Giddens, A. (1991). As consequências da modernidade. São Paulo: Unesp.

Heidegger, M. (1999). Ser e tempo. (M. De S. Cavalcante, Trad.) Petrópolis: Vozes.

Heidegger, M. (2002). A questão da técnica. In: Ensaios e Conferências. Trad. Emanuel Carneiro Leão. Petrópolis: Vozes.

Kovács, M. J. (2010). Sofrimento da equipe de saúde no contexto hospitalar: cuidando do cuidador profissional. O Mundo da Saúde, 34(4), 420-429.

Kovács, M. J., Esslinger, I., Vaiciunas, N., & Souza, T. M. (2008). Cuidando do cuidador em UTIs pediátrica e neonatal. O Mundo da Saúde, 32(1), 24-30.

Kubler-Ross, E. (1996). Sobre a morte e o morrer (7a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Lyotard, J. (2009). A condição pós-moderna. 12. ed. Rio de Janeiro: José Olympio.

Matsumoto, D. Y. (2012). Cuidados paliativos: conceitos, fundamentos e princípios. In Carvalho, R. T., & Parsons, H. F. (Orgs.). Manual de Cuidados Paliativos ANCP (2a ed.) (pp. 23-30). [s.l.]: Academia Nacional de Cuidados Paliativos.

Nogueira-Martins, M. C. F., & Bógus, C. M. (2004). Considerações sobre a metodologia qualitativa como recurso para o estudo das ações de humanização em saúde. Revista Saúde e Sociedade, 3(13), 44-57.

Paro, D., Paro, J. & Ferreira, D. L. M. (2005). O enfermeiro e o cuidar em oncologia pediátrica. Arq. Ciênc. Saúde. 12(3), 151-157.

Rother, E. T. (2007). Revisão sistemática x revisão narrativa. Acta Paul Enferm. 20(2), 5-6.

Silva, A. F., Issi, H. B., Motta, M. G. C., & Botene, D. Z. A. (2015). Cuidados paliativos em oncologia pediátrica: percepções, saberes e práticas na perspectiva da equipe multiprofissional. Rev. Gaúcha Enferm., 36(2), 56-62.

Silva, E. P., & Sudigursky, D. (2008). Concepções sobre cuidados paliativos: revisão bibliográfica. Acta Paul Enferm., 21(3), 504-508.

Souza, L. F., Misko, M. D., Silva, L., Poles, K., Santos, M. R., & Bousso, R. S. (2013). Morte digna da criança: percepção de enfermeiros de uma unidade de oncologia. Rev. Esc. Enferm. USP, 47(1), 30-37.

Vosgerau, D. S. A. R., & Romanowski, J. P. (2014). Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Rev. Diálogo Educ. Curitiba, 14(41), 165-189.

Zorzo, J. C. C. (2004). O processo de morte e morrer da criança e do adolescente: vivências dos profissionais de enfermagem. Dissertação de Mestrado Não-Publicada, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Publicado
2019-07-01
Como Citar
Vasconcelos, A. J. C., Silva, C. M., & Oliveira, P. R. S. de. (2019). A Vivência do Luto da Equipe de Saúde na Oncologia Pediátrica. Revista De Psicologia, 10(2), 111 - 120. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/39806