Solidão e qualidade de vida em brasileiras vivendo em Portugal / Loneliness and quality of life in Brazilian women living in Portugal

  • Eliany Nazaré Oliveira Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral-CE
  • Lycelia oliveira Universidade Federal do Ceará https://orcid.org/0000-0003-0257-4115
  • Francisco Rosemiro Guimarães Ximenes Neto Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA
  • Roberta Magda Martins Moreira Universidade Federal do Ceará - UFC
  • Marcos Aguiar Ribeiro Universidade Federal de São Paulo
  • Gleisson Ferreira Lima Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia

Resumo

Este pesquisa possui como tema qualidade de vida e solidão de imigrantes brasileiras vivendo em Portugal. Delinea-se com o seguinte objetivo: averiguar em que medida a solidão interfere na qualidade de vida e saúde de mulheres imigrantes brasileiras que vivem em Portugal. Estudo transversal conduzido de julho a setembro de 2016, em Portugal, com 682 imigrantes brasileiras maiores de 18 anos que viviam no país há mais de três meses. Os instrumentos utilizados foram um questionário sociodemográfico, a Escala de Solidão - UCLA e o questionário Medical Outcomes Study 36-item short-form health survey (SF-36). Ao fazer a correlação entre a Escala de qualidade de vida e saúde SF-36 e a Escala de solidão – UCLA, as evidências são de que as imigrantes brasileiras que apresentaram maior qualidade de vida, apresentaram menos solidão. Os resultados evidenciaram que a qualidade de vida e saúde quando estão em bom nível podem ser redutores da solidão. A qualidade de vida e saúde podem ser diminuída em situações onde a solidão for preponderante. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliany Nazaré Oliveira, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral-CE

ENFERMEIRA, DOUTORA  EM ENFERMAGEM PELA UFC. DOCENTE DOS MESTRADOS PROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA - UFC/FIOCRUZ  E ACADÊMICO EM SAÚDE DA FAMÍLIA - UFC/SOBRAL. DOCENTE DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DA UVA

Lycelia oliveira , Universidade Federal do Ceará

Psicologa e estaduante do mestrado Acadêmico em Saúde da Familia na Universidade Federal do Ceará - UFC 

Francisco Rosemiro Guimarães Ximenes Neto, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA

Docente do Curso de Enfermagem da UVA 

Roberta Magda Martins Moreira, Universidade Federal do Ceará - UFC

Enfermeira e Mestranda no Mestrado Acadêmico em Saúde da Familia - UFC 

Marcos Aguiar Ribeiro, Universidade Federal de São Paulo

Enfermaiero, Doutorando, Departamento de Enfermagem - UNIFESP 

Gleisson Ferreira Lima, Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia

Profissional de Educação Física -  Aluno da Residência Multiprofissional em Saúde Mental 

Referências

Barroso S. M. et al. (2016). Evidências de validade da Escala Brasileira de Solidão

Barroso S. M. et al. (2016). Evidências de validade da Escala Brasileira de Solidão UCLA. Jornal Brasileiro de psiquiatria. (Rio de Janeiro), 65(1), 68-75. http://dx.doi.org/10.1590/0047-2085000000105.

Campos MB. (2015). Características demográficas e a voluntariedade da migração. REMHU, Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana (Brasília), 23(45), 273- 290. http://dx.doi.org/10.1590/1980 8585250319880004514.

Castro M, Amorim I. (2016). Qualidade de vida e solidão em idosos residentes em lar. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental (Porto), 3, 39-44. http://dx.doi.org/10.19131/rpesm.0115.

Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios (CSEM). (2014). Mulher migrante: agente de resistência e transformação. (Brasília), 5 (Série Caminhos).

Ciconelli RM. (1997). Tradução para o português e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida. [tese]. São Paulo (SP): Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo.

Dutra D. (2013). Mulheres, migrantes, trabalhadoras: a segregação no mercado de trabalho. REMHU: Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana (Brasília), 21(40), 177- 193.

Franken I, Coutinho MPL, Ramos MNP. (2012). Representações sociais, saúde mental e imigração internacional. Psicol. cienc. prof. (Brasília), 32(1), 202-219. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932012000100015.

Góis P. et al. (2009). Segunda ou terceira vaga? As características da imigração brasileira recente em Portugal. Revista Migrações (Lisboa), 5,111-133.

Gonçalves V. (2015). Educação e sociedade: a realidade da educação/formação na vida da imigração brasileira em Portugal. Revista Migrações (Lisboa), 12,113-136.

Granada D. et al. (2017). Discutir saúde e imigração no contexto atual de intensa mobilidade humana. Interface (Botucatu), 21(61), 285-296. http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0626.http://dx.doi.org/10.1590/1980 85852503880004415. Jornal Nexo. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/grafico/2018/02/16/ Em-que-pa%C3%Adses-vivem-os-brasileiros-no-exterior-segundo-o-Itamaraty

Lechner E. (2007). Imigração e saúde mental, in DIAS, Sónia (org.), Revista Migrações. Número Temático Imigração e Saúde (Lisboa), 1, 79-101.

Marôco J. (2011). Análise estatística com o SPSS Statistics. 5. ed. Pero Pinheiro: Report Number.

Martins EG, Vedovato LR. (2009). Migração internacional de mulheres e o trabalho doméstico remunerado: opressão e cidadania na era da globalização. Revista Direito Práx.(Rio de Janeiro), 8(3), 1975-2009. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8966/2017/23572.

Mazza D. (2015). O direito humano à mobilidade: dois textos e dois contextos. REMHU. Revista Interdisciplinar Mobilidade Humana (Brasília), 23(44), 237-257. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid= S1980-85852015000100237&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 17 mar. 2019.

Milesi R, Marinucci R. (2016). Mulheres migrantes e refugiadas a serviço do desenvolvimento humano dos

outros. Instituto Migrações e Direitos Humanos, (Brasília). Disponível em: https://bit.ly/2s5jkjV. Acesso em: 27 nov. 2016.

Minayo M, Hartz ZMA, Buss PM.(2000). Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva (Rio de Janeiro), 5(1), 7-18.

Minayo MCS. (2002). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em Saúde. São Paulo-Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco.

Moura IH, Nobre RS, Cortez RMA, Campelo V, Macedo, SF, Silva ARV. (2016). Qualidade de vida de estudantes de graduação em enfermagem. Revista Gaúcha Enfermagem (Porto Alegre), 37(2), e55291. http://dx.doi.org/10.1590/1983- 1447.2016.02.55291.

Neto F. (2014). Psychometric analysis of the short-form UCLA Loneliness Scale (ULS-6) in older adults. Eur J Ageing.,11(4), 313-9.

Neto J, Oliveira EN, Neto F. (2017). Acculturation, Adaptation and Loneliness among Brazilian Migrants Living in Portugal, People's Movements in the 21st Century - Risks, Challenges and Benefits, Ingrid Muenstermann, IntechOpen. DOI: 10.5772/65693.

Oliveira EN. (2017). Qualidade de vida de imigrantes brasileiras vivendo em Portugal. Saúde debate (Rio de Janeiro), 41(114), 824-835. http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201711412. ONU. UN system task team on the post-2015 UN development agenda. (2012). Migration and Human mobility.

Ouakinin S, Pires Barreira D. (2015). Solidão e Saúde Mental. Acta Med Port., 28(1), 130-132. Disponível em: https://actamedicaportuguesa.com/revista/index.php/amp article/viewFile/6162/4224.

Pereira S, Esteves A. (2017). Os efeitos da crise económica na situação laboral dos imigrantes: o caso dos brasileiros em Portugal. REMHU. Revista Interdisciplinar Mobilidade Humana (Brasília), 25(49), 135-152. doi.org/10.1590/1980- 85852503880004908.

Reis PCSSC. et al. (2016). A solidão em utilizadores portugueses do facebook. Psicol. Soc. (Belo Horizonte), 28(2), 237-246. http://dx.doi.org/10.1590/1807-03102016v28n2p237.

Rosa MD, Tatit I. (2012). Errância e isolamento: as dimensões de desejo e de gozo da solidão. Psicol. Rev. (Belo Horizonte), 18(3), 46-457. http://dx.doi.org/10.5752/P.1678-9563.2012v18n3p446

Serviço de Estrangeiros E Fronteiras. (2017). Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo. Barcarena; Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), [Internet]. Disponível em: https://www.sef.pt/pt/pages/conteudo-detalhe.aspx nI D=92.

Sousa ICF. (2007). A integração de imigrantes brasileiras em Roma: conquistas e dificuldades.

Imaginario (São Paulo), 13(14), 399-415. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext &pid=S1413- 66X2007000100018&lng=pt&nrm=iso.

World Health Organization (CH). (1994). The development of the World Health Organization quality of life assessment instrument (WHOQOL). In: Orley J, Kuyken W, editors. Quality of life assessment: international perspectives. Berlin: Springer Verlag, 41-60.UCLA. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. (Rio de Janeiro), 65(1), 68-75. http://dx.doi.org/10.1590/0047-2085000000105.

Campos MB. (2015). Características demográficas e a voluntariedade da migração. REMHU, Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana (Brasília), 23(45), 273- 290. http://dx.doi.org/10.1590/1980-8585250319880004514

Castro M, Amorim I. (2016). Qualidade de vida e solidão em idosos residentes em lar. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental (Porto), 3, 39-44. http://dx.doi.org/10.19131/rpesm.0115.

Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios (CSEM). (2014). Mulher migrante: agente de resistência e transformação. (Brasília), 5 (Série Caminhos).

Ciconelli RM. (1997). Tradução para o português e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida. [tese]. São Paulo (SP): Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo.

Dutra D. (2013). Mulheres, migrantes, trabalhadoras: a segregação no mercado de trabalho. REMHU: Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana (Brasília), 21(40), 177- 193.

Franken I, Coutinho MPL, Ramos MNP. (2012). Representações sociais, saúde mental e imigração internacional. Psicol. cienc. prof. (Brasília), 32(1), 202-219. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932012000100015.

Góis P. et al. (2009). Segunda ou terceira vaga? As características da imigração brasileira recente em Portugal. Revista Migrações (Lisboa), 5,111-133.

Gonçalves V. (2015). Educação e sociedade: a realidade da educação/formação na vida da imigração brasileira em Portugal. Revista Migrações (Lisboa), 12,113-136.

Granada D. et al. (2017). Discutir saúde e imigração no contexto atual de intensa mobilidade humana. Interface (Botucatu), 21(61), 285-296. http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0626.http://dx.doi.org/10.1590/1980 85852503880004415. Jornal Nexo. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/grafico/2018/02/16/ Em-que-pa%C3%Adses-vivem-os-brasileiros-no-exterior-segundo-o-Itamaraty

Lechner E. (2007). Imigração e saúde mental, in DIAS, Sónia (org.), Revista Migrações. Número Temático Imigração e Saúde (Lisboa), 1, 79-101.

Marôco J. (2011). Análise estatística com o SPSS Statistics. 5. ed. Pero Pinheiro: Report Number.

Martins EG, Vedovato LR. (2009). Migração internacional de mulheres e o trabalho doméstico remunerado: opressão e cidadania na era da globalização. Revista Direito Práx.(Rio de Janeiro), 8(3), 1975-2009. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8966/2017/23572.

Mazza D. (2015). O direito humano à mobilidade: dois textos e dois contextos. REMHU. Revista Interdisciplinar Mobilidade Humana (Brasília), 23(44), 237-257. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php script=sci_arttext&pid=S1980-85852015000100237&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 17 mar. 2019.

Milesi R, Marinucci R. (2016). Mulheres migrantes e refugiadas a serviço do desenvolvimento humano dos outros. Instituto Migrações e Direitos Humanos, (Brasília). Disponível em: https://bit.ly/2s5jkjV. Acesso em: 27 nov. 2016.

Minayo M, Hartz ZMA, Buss PM.(2000). Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva (Rio de Janeiro), 5(1), 7-18.

Minayo MCS. (2002). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em Saúde. São Paulo-Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco.

Moura IH, Nobre RS, Cortez RMA, Campelo V, Macedo, SF, Silva ARV. (2016). Qualidade de vida de estudantes de graduação em enfermagem. Revista Gaúcha Enfermagem (Porto Alegre), 37(2), e55291. http://dx.doi.org/10.1590/1983- 1447.2016.02.55291.

Neto F. (2014). Psychometric analysis of the short-form UCLA Loneliness Scale (ULS-6) in older adults. Eur J Ageing.,11(4), 313-9.

Neto J, Oliveira EN, Neto F. (2017). Acculturation, Adaptation and Loneliness among Brazilian Migrants Living in Portugal, People's Movements in the 21st Century - Risks, Challenges and Benefits, Ingrid Muenstermann, IntechOpen. DOI: 10.5772/65693.

Oliveira EN. (2017). Qualidade de vida de imigrantes brasileiras vivendo em Portugal. Saúde debate (Rio de Janeiro), 41(114), 824-835. http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201711412.

ONU. UN system task team on the post-2015 UNdevelopment agenda. (2012). Migration and Human

mobility. development agenda. (2012). Migration and Human mobility.

Ouakinin S, Pires Barreira D. (2015). Solidão e Saúde Mental. Acta Med Port., 28(1), 130-132. Disponível em: https://actamedicaportuguesa.com/revista/index.php/amp article/viewFile/6162/4224.

Pereira S, Esteves A. (2017). Os efeitos da crise económica na situação laboral dos imigrantes: o caso dos brasileiros em Portugal. REMHU. Revista Interdisciplinar Mobilidade Humana (Brasília), 25(49), 135-152. doi.org/10.1590/1980- 85852503880004908.

Reis PCSSC. et al. (2016). A solidão em utilizadores portugueses do facebook. Psicol. Soc. (Belo Horizonte), 28(2), 237-246. http://dx.doi.org/10.1590/1807-03102016v28n2p237.

Rosa MD, Tatit I. (2012). Errância e isolamento: as dimensões de desejo e de gozo da solidão. Psicol. Rev. (Belo Horizonte), 18(3), 46-457. http://dx.doi.org/10.5752/P.1678-9563.2012v18n3p446

Serviço de Estrangeiros E Fronteiras. (2017). Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo. Barcarena; Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), [Internet]. Disponível em: https://www.sef.pt/pt/pages/conteudo-detalhe.aspx nI D=92.

Sousa ICF. (2007). A integração de imigrantes brasileiras em Roma: conquistas e dificuldades. Imaginario (São Paulo), 13(14), 399-415. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 66X2007000100018&lng=pt&nrm=iso.

World Health Organization (CH). (1994). The development of the World Health Organization quality of life assessment instrument (WHOQOL). In: Orley J, Kuyken W, editors. Quality of life assessment: international perspectives. Berlin: Springer Verlag, 41-60.

Publicado
2020-01-01
Como Citar
Nazaré Oliveira, E., oliveira , L., Ximenes Neto, F. R. G., Martins Moreira, R. M., Aguiar Ribeiro, M., & Ferreira Lima, G. (2020). Solidão e qualidade de vida em brasileiras vivendo em Portugal / Loneliness and quality of life in Brazilian women living in Portugal. Revista De Psicologia, 11(1), 35 - 50. https://doi.org/10.36517/revpsiufc.11.1.2020.3
Seção
Relatos de Pesquisa