Representações sociais das campanhas de doação de órgãos na mídia digital no Brasil / Social representations of organ donation campaigns in digital media in Brazil

Resumo

O número de transplante de órgãos no Brasil aumentou em 15,7% no primeiro semestre de 2017, se comparado com o mesmo período do ano passado. No entanto, especialistas acreditam que o índice poderia ser mais satisfatório se a população tivesse mais acesso à informação sobre as doações de órgãos. Com isso, este estudo descritivo das campanhas sobre a doação de órgãos buscou alcançar as representações sociais atribuídas ao tema. Foram analisadas campanhas veiculadas aos sites oficiais da saúde, através de uma análise de conteúdo e avaliação entre juízes. A partir disso, foram encontradas 22 campanhas impressas e 18 vídeos disponíveis para acesso no período de 2015 a 2017. Os principais achados demonstram que os conteúdos das campanhas remetiam a categoria de sensibilização emotiva, no entanto o mesmo não foi considerado informativo. Além disso, a apresentação em metáforas exigia do receptor uma aproximação anterior com o tema para sua melhor compreensão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dnyelle Souza Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Psicologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina

Andréa Barbará da Silva Bousfield, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora adjunta do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

Albarado, A.J. (2018). Campanhas audiovisuais do ministério da saúde contra dengue, zika e chikungunya nos anos de 2014 a 2017: Análise das estratégias de comunicação em saúde. Dissertação apresentada no Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva da Universidade de Brasília. Brasília/DF.

Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Billig, M. (1997). Rhetorical and discursive analysis: How families talk about the royal family. In N. Hayes (Org.), Doing qualitative analysis in psychology. Hove, UK: Psychology Press.

Brasil (1997). Lei nº 9.434, de 04 de fevereiro de 1997. Recuperado em 24 de julho de 2018, de http://www.planalto.gov.br/cCivil_03/LEIS/L9434.htm.

Brasil (2015). ABTO - Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. Dados numéricos da doação de órgãos e transplantes realizados por estado e instituição no período: Janeiro/março 2015. Recuperado de http://www.abto.org.br/abtov03/Upload/file/RBT/2015/rbt201508052015-lib.pdf

Brasil. (2017). Decreto nº 9175, de 18 de outubro de 2017. Regulamenta a Lei nº 9.434, de 4 de fevereiro de 1997. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/d9175.htm.

Calvo, B. R., Blanca, M. J., & Frutos, M. A. (2002). La toma de decisión sobre donación de órganos en la población Andaluza. Psicothema, 14 (2), 300-309.

Castro, C.R., & Castro, M.R. (2018). Metáforas no processo de objetivação de representações sociais. Psicologia & Sociedade, 30: 1-11, e159429. Doi: 10.1590/1807-0310/2018v30159429.

Flick, U. (2009). An introduction to qualitative research (4ª ed.). Thousand Oaks, CA: Sage Publications Ltd.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. (4. Ed). São Paulo: Atlas.

Goetz, E. R., Camargo, B. V., Bertolo, R. B., & Justo, A. M. (2008). Representação social do corpo na mídia impressa. Psicologia e Sociedade, 20(2), 226-236.

Harrison, T. R., Morgan, S. E., & Chewning, L. V. (2008). The challenges of social marketing of organ donation: News and entertainment coverage of donation and transplantation. Health Marketing Quarterly, 25(1/2), 33–65.

Hewstone, M., & Augoustinos, M. (1998). 'Social Attributions and Social Representa tions', In U. Flick (Org.), The Psychology of the Social. (pp. 60-76). Cambridge University Press.

Justo, A.M. (2012). Representação social. Rio do Sul: UNIDAVI - PROPEX.

Justo, AM. (2016). Corpo e representações sociais: sobrepeso, obesidade e práticas de controle de peso. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Jodelet, D. (1992). Représentation sociale: phénomènes, concept et théorie. Em S. Moscovici (ed.) La psychologie sociale (pp. 357- 389). Paris: Presses Universitaires de France.

Jovchelovitch, S. (2008). Os contextos do saber. Petrópolis: Vozes.

Lauri, M. A. (2009). Metaphors of organ donation, social representations of the body and the opt-out system. British Journal of Health Psychology, 14(4), 647-666. Doi: http://dx.doi.org/10.1348/135910708X397160.

Lupton, D. (1994) Toward the Development of Critical Health Communication Praxis. Health Communication, 6(1), 55-67, Doi: 10.1207/s15327027hc0601_4.

Marková, I. (2000). Amédée or how to get rid of it: Social representations from a dialogical perspective. Culture & Psychology, 6(4), 419-460.

Moloney, G., & Walker, I. (2002). Talking about transplants: Social representations and the dialectical, dilemmatic nature of organ donation and transplantation. British Journal of Social Psychology, 41, 299–320. Doi: http://dx.doi.org/10.1348/014466602760060264.

Morgan, S. E. (2009). The intersection of conversation, cognitions, and campaigns: The social representation of organ donation. Communication Theory, 19(1), 29-48. Doi: http://dx.doi.org/10.1111/j.1468-2885.2008.01331

Moscovici, S. (2003). Representações Sociais: Investigações em Psicologia Social. Petrópolis: Vozes.

Moscovici, S. (2012). A psicanálise, sua imagem e seu público (Coleção Psicologia Social). Petrópolis, RJ: Vozes. (Original publicado em 1961).

Oliveira, F. C., Rocha, J. P. D. C., Gianordoli-Nascimento, I. F., Naiff, L. A. M., & Ávila, R. F. (2017). Novas páginas de pesquisa em Psicologia social: o fazer pesquisa na/da internet. Psicologia e Saber Social, 6(2): 186-204.

Roza, B. A., Garcia, V. D., Barbosa, S. F. F., Mendes, K. D. S., Schirmer, J. (2010). Doação de órgãos e tecidos: relação com o corpo em nossa sociedade. Acta Paul Enferm, 23(3), 417-22.

Rezende, L. B. O., Sousa, C.V., Pereira, J. R., & Rezende, L. O. (2015). Doação de Órgãos no Brasil: Uma Análise das Campanhas Governamentais sob a Perspectiva do Marketing Social. Brazilian Journal of Marketing – BJM, 14 (3): 362-376. Doi: 10.5585/remark.v14i3.2902.

Sanner, M. (1994). Attitudes toward organ donation and transplantation. A model for understanding reactions to medical procedures after death. Social Science Medicine, 38(8), 1141–1152.

Schons, K.S (2018). Epitáfios do consumo: alegorias da morte em filmes publicitários de doação e órgãos. Dissertação apresentada no Programa de Pós Graduação em Comunicação na Universidade Federal do Paraná. Curitiba/PR.

Silva, S.L., Oliveira, I. L.F., Pego, Z.O., Pereira, J.R., & Sousa, C.V. (2016). Condicionantes da motivação para a doação de órgãos: uma análise à luz do marketing social. Teoria e Prática em Administração, 6(5): 69-96.

Wakefield, C. E., Watts, K. J., Homewood, J., Meiser, B., & Siminoff, L. A. (2010). Attitudes toward organ donation and donor behavior: a review of the international literature. Prog Transplant., 20(4), 380-391.

Publicado
2020-07-01
Como Citar
Souza Silva, D., Becker da Silva, M. L., & Barbará da Silva Bousfield, A. (2020). Representações sociais das campanhas de doação de órgãos na mídia digital no Brasil / Social representations of organ donation campaigns in digital media in Brazil. Revista De Psicologia, 11(2), 48 - 62. https://doi.org/10.36517/10.36517/revpsiufc.11.2.2020.4