Conscientização para Transformação social: Apontamentos para a Psicologia Social Comunitária / Conscientization for social transformation: appointments for community social psychology

Palavras-chave: Conscientização, transformação social, psicologia social comunitária

Resumo

O presente artigo trata-se de um estudo teórico que objetivou analisar a incorporação da categoria “conscientização” no campo da Psicologia Social Comunitária (PSC), de modo a refletir sobre o complexo arcabouço teórico que constitui tal pressuposto e os desafios que são colocados para a prática profissional da(o) psicóloga(o) comunitário(a) inserida(o) no atual contexto social brasileiro. Para tanto, buscamos delinear as bases teóricas da categoria conscientização a partir de Paulo Freire e sua adoção por percussores da psicologia social latino-americana, como Ignácio Martín-Baró e Maritza Montero. Em seguida, discorremos sobre os possíveis impasses teórico-metodológicos enfrentados por profissionais da psicologia para a concretização de ações de conscientização nos espaços de atuação profissional e comunitária. Consideramos que os limites e possibilidades colocados para a tarefa de conscientização perpassam por uma análise histórica dos fenômenos sociais e subjetivos, em sua relação dialética, tornando-se cada vez mais necessário o resgate e fortalecimento de perspectivas críticas de atuação que assumam, em sua radicalidade, o ideário ético-político de Libertação.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana de Almeida Pinto, Universidade Federal de Juiz de Fora

Graduada e Mestra em Psicologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Atualmente, doutoranda em Psicologia na linha Processos Psicossociais em Saúde pela UFJF. 

Fernando Santana de Paiva, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Psicólogo e Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Doutor em Psicologia (Psicologia Social) pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor de graduação e pós-graduação do Departamento de Psicologia da UFJF. Membro da comissão editorial da Revista Psicologia & Sociedade, da Associação Brasileira de Psicologia Social (ABRAPSO). Integrante do GT em Saúde Comunitária, da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia (ANPEPP). 

Referências

Baima, L. S. (2014). Limites e Possibilidades na Contribuição para a Mudança Social: uma avaliação da formação em Psicologia Social Comunitária no Brasil. Dissertação de mestrado não-publicada, Pontifícia Católica de Campinas, Campinas, Brasil.

Baima, L. S. (2019). Psicologia e luta de classes no Brasil: uma análise histórica da inflexão política da psicologia comunitária. Tese de Doutorado, Pontifícia Católica de Campinas, Campinas, Brasil.

Freire, P. (1979). Conscientização: Teoria e Prática da Libertação: Uma Introdução ao Pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Moraes.

Freire, P. (1981). Ação cultural para a liberdade e outros escritos (5a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freitas, M. F. Q. (2005). (In)Coerências entre práticas psicossociais em comunidade e projetos de transformação social: aproximações entre Psicologias Sociais da Libertação e Comunitária. Psico, 36 (1), pp. 47-54.

Freitas, M. F. Q. (2012). Psicologia na comunidade, psicologia da comunidade e psicologia (social) comunitária – Práticas da psicologia em comunidade nas décadas de 1960 a 1990, no Brasil. Em: Campos, R. H. F (org.), Psicologia Social Comunitária: Da solidariedade à autonomia (17a ed., pp. 44-65). Petrópolis, RJ: Vozes.

Freitas, M. F. Q. (2015). Práxis e formação em Psicologia Social Comunitária: exigências e desafios ético-políticos. Estudos de Psicologia (Campinas), 32 (2), pp. 521-532.

Goes, N. A.; Ximenes, V. M. & Moura Jr., J. F. (2015). Relações da Psicologia Comunitária com a Libertação a partir da dialética dominação-opressão. Teoría y Crítica de la Psicología, 6, pp. 140-161.

Góis, C.W.L. (2005). Psicologia Comunitária: atividade e consciência. Fortaleza: Publicações Instituto Paulo Freire.

Iasi, M.L. (2011). Ensaios sobre consciência e emancipação (2a ed.). São Paulo: Expressão Popular.

Lacerda Jr., F. (2010). Notas Sobre o Desenvolvimento da Psicologia Social Comunitária. Em: Lacerda Jr., F. & Guzzo, R. S. L. (orgs), Psicologia & sociedade: interfaces no debate sobre a questão social (pp. 19-41). Campinas: Alinea Editora.

Lane, S. T. M. (2012a). A psicologia social e uma nova concepção do homem para a psicologia. Em: Lane, S. T. M. & Codo, W. (orgs), Psicologia social: o homem em movimento (14a ed., pp. 10-19). São Paulo: Brasiliense.

Lane, S. T. M. (2012b). Histórico e fundamentos da psicologia comunitária no Brasil. Em: Campos, R. H. F. (org), Psicologia Social Comunitária: Da solidariedade à autonomia (17a ed., pp. 15-28). Petropólis, RJ: Vozes.

Martin-Baró, I. (1986). Hacia una psicología de la liberación. Boletín de Psicología, 22, pp. 219-230.

Martin-Baró, I. (1996). O papel do psicólogo. Estudos de Psicologia, 2 (1), pp. 7-27.

Martin-Baró, I. (2017a). Entre o indivíduo e a sociedade. Em: Martin-Baró, I., Crítica e libertação na Psicologia: estudos psicossociais (pp. 101-161). (Org. e Trad. Lacerda Jr., F.). Petrópolis: Editora Vozes.

Martin-Baró, I. (2017b). O latino indolente: caráter ideológico do fatalismo latino-americano. Em: Martin-Baró, I., Crítica e libertação na Psicologia: estudos psicossociais (pp. 173-203). (Org. e Trad. Lacerda Jr., F.). Petrópolis: Editora Vozes.

Montaño, C. (2016). Marxismo e transformação social: tendências e contratendências. Em: Oliveira, I. F.; Paiva, I. L.; Costa, A. L. F. C.; Coelho-Lima, F. & Amorim, K. (orgs), Marx hoje: pesquisa e transformação social (pp. 101-134). São Paulo: Outras Expressões.

Montero, M. (2004a). Introducción a la Psicología Comunitaria: desarrollo, conceptos y processos. Buenos Aires: Paidós.

Montero, M. (2004b). Relaciones Entre Psicología Social Comunitaria, Psicología Crítica y Psicología de la Liberación: Una Respuesta Latinoamericana. Psykhe, 13(2), pp. 17-28.

Montero, M. (2010). A tensão entre o fortalecimento e as influências alienadoras no trabalho psicossocial comunitário e político. Em: Lacerda Jr., F. & Guzzo, R.S.L. (orgs), Psicologia & sociedade: interfaces no debate sobre a questão social (pp. 65-81). Campinas: Alinea Editora.

Netto, J. P. & Braz, M. (2008). Economia Política: uma introdução crítica (4a ed.). São Paulo: Cortez.

Oliveira, I. F. & Paiva, I. L. (2016). A atualidade do marxismo e sua contribuição para o debate sobre a formação e atuação do profissional de Psicologia. Em: Oliveira, I.F.; Paiva, I.L.; Costa, A.L.F.C.; Coelho-Lima, F. & Amorim, K. (orgs), Marx hoje: pesquisa e transformação social (pp. 223-244). São Paulo: Outras Expressões.

Senra, C. M. G. & Guzzo, R. S. L. (2012). Assistência social e psicologia: sobre tensões e conflitos do psicólogo no cotidiano do serviço público. Psicologia & Sociedade, 24 (2), p. 293-299.

Vieira, E. M. & Ximenes, V. M. (2008). Conscientização: Em que interessa este conceito à psicologia. Psicologia Argumento, 26 (52), pp. 23-33.

Vieira, E. M. & Ximenes, V. M. (2012). Atividade Comunitária e Conscientização: uma investigação a partir da participação social. Barbarói, 36, pp. 91-112.

Ximenes, V. M., Nepomuceno, B. B., Cidade, E. C. & Moura Júnior, J. F. (2016). Implicações psicossociais da pobreza: diversidades e resistências. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora.

Yamamoto, O. H. (2007). Políticas sociais, "terceiro setor" e "compromisso social": perspectivas e limites do trabalho do psicólogo. Psicologia & Sociedade, 19

Publicado
2021-07-01
Como Citar
de Almeida Pinto, M., & Santana de Paiva, F. (2021). Conscientização para Transformação social: Apontamentos para a Psicologia Social Comunitária / Conscientization for social transformation: appointments for community social psychology. Revista De Psicologia, 12(2), 12 - 24. https://doi.org/10.36517/revpsiufc.12.2.2021.1