Conversações sobre masculinidades e cuidado de si no documentário The Mask You Live In / Conversations about masculinity and self-care in The Mask You Live In documentary

Palavras-chave: -

Resumo

Como um percurso para problematizar noções de masculinidades que se circulam na vida em sociedade, bem como seus múltiplos efeitos nas trajetórias de homens, o presente trabalho visa analisar alguns discursos apresentados em um dispositivo tecnológico especifico, o documentário estadunidense The Mask You Live In, a partir de um diálogo com o campo dos estudos de gênero e com a concepção ética referente ao cuidado de si, tal como articulada por Michel Foucault. Tendo como percurso metodológico a pesquisa documental, a análise localiza os processos de subjetivação como campos de forças em disputa, onde noções hegemônicas e subalternas coexistem em guerra. Conclui-se, provisoriamente, afirmando a importância da circulação de movimentos de resistência, que disparam debates críticos sobre ordem dos gêneros e que ressaltam o cuidado de si como exercício fundamental na invenção de modos mais autônomos e criativos de existência.

 

Palavras Chaves: Dispositivo; masculinidades; documentário; cuidado de si.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Fernandes de Carvalhaes, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Docente no Departamento de Psicologia Social e Institucional e no Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Estadual de Londrina. Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, mestre em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista.

Matheus Crivelari Fortes, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Mestrando do Programa de Mestrado em Psicologia Social da UEL (PPGPSI-UEL)

Referências

Akotirene, C. (2019). Interseccionalidade. São Paulo: Pólen Livros.

Alves, C. B. &Delmondez, P. (2015). Contribuições do pensamento decolonial à psicologia política.Revista Psicologia Política, 15, 647-661.

Butler, J. (2019a).Problemas de gênero:Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Butler, J. (2019b).A vida psíquica do poder: teorias da sujeição. Belo Horizonte: Autêntica.

Butler, J. (2019c). Corpos que importam: os limites discursivos do sexo (1a ed.). São Paulo: n-1 edições.

Caetano, M. R. V., & Junior, P. M. S. (2018). De guri a cabra macho: masculinidades no Brasil. Rio de Janeiro: Lamparina.

Connell, R., & Pearse, R. (2015). Gênero: uma perspectiva global. São Paulo: nVersos.

Connell, R. (2005). Masculinities. Polity.

De Lauretis, T. (1994). A tecnologia do gênero. In H. B. Holanda (Org.), Tendências e impasses: o feminismo como crítica cultural (p. 206-242). Rio de Janeiro: Rocco.

Foucault, M. (2019). História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2014). Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Rio de Janeiro: Vozes.

Foucault, M. (2006a). A Hermenêutica do Sujeito. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2006b). A ordem do discurso. São Paulo: Loyola.

Fanon, F. (2020). Pele negra máscaras brancas. São Paulo: UBU.

Galvão, B. A. (2014). A ética em Michel Foucault: do cuidado de si à estética da existência. Intuitio, 7(1), 157-168.

Haraway, D. (1995). Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, 5, 7-41.

Junior, J.A.S, & Silva, M. L. R. (2018). In M. Caetano & P. M. S. Júnior (Org.), De guri a cabra-macho: masculinidades no Brasil (pp. 86-107). Rio de Janeiro: Lamparina.

Louro, G. L. (2019).O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica.

Louro, G. L. (2013). Currículo, gênero e sexualidade: O “normal”, o “diferente” e o excêntrico. In: G. P. Louro; J. Felipe; S. V. Goellner (Orgs). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo (p. 43-53). Petrópolis: Vozes.

Mansano, S. V. (2009). Sujeito, subjetividade e modos de subjetivação na contemporaneidade. Revista de Psicologia da UNESP, 8, 110-117.

Meirelles, F. (diretor). (2002). Cidade de Deus [DVD]. Rio de Janeiro: Globo Filmes.

Miskolci, R. (2020). Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças (3a ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Nascimento, M. (2001).Desaprendendo o silêncio: uma experiência de trabalho com grupos de homens autores de violência contra a mulher(Dissertação de Mestrado em Saúde Coletiva, Instituto de Medicina Social da UERJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil).

Nascimento, M. (2014). Hombres, masculinidades y homofobia: apuntes para la reflexión desde lo conceptual y de lo político.Conexoes Psi,2(2), 41-59.

Newsom, J. S. (Direção), Anthony, J., Congdon, J., Newsom, J. S. (Produção), Newsom, J. S. e Congdon, J. (Roteiro), & Holland, E. (música). (2015). The mask you live in [Documentário]. Estados Unidos: The Representation Project; The Annenberg Foundation; The Brin Wojcicki Foundation; Novo Foundation; Pacific Gas and Electric; Peery Foundation.

Pimentel, A. (2001). O método da análise documental: seu uso numa pesquisa historiográfica. Cadernos de Pesquisa, 114, 179-195.

Restier, H., & Souza, R. M. (2019). Diálogos contemporâneos sobre homens negros e masculinidades. São Paulo: Ciclo Contínuo Editorial.

Retondar, M. J., & Harris, E. R. A. (2013). Jogos eletrônicos e violência. Motrivivência, (43), 183-191.

Santos, W. B. (2016). Adolescência heteronormativa masculina. Entre a construção obrigatória e a desconstrução necessária. São Paulo: Intermeios.

Silvestre, H. (2019). Notas sobre a fome. São Paulo: Ciclo Contínuo Editorial.

Spink, M. J. P., Brigagão, J. I. M., Nascimento, V. L. V., & Cordeiro, M. P. (Orgs). (2014). A produção de informação na pesquisa social:compartilhando ferramentas. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Varella, J. (2019, Março 14). Massacre de Suzano reacende debate sobre a má influência de games violentos. Folha de São Paulo: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2019/03/massacre-de-suzano-reacende-debate-sobre-ma-influencia-de-games-violentos.shtml

World Health Organization [WHO]. (2014). Preventing suicide: a global imperative. (2014). World Health Organization: https://www.who.int/mental_health/suicide-prevention/world_report_2014/en/

Publicado
2021-07-01
Como Citar
Fernandes de Carvalhaes, F., & Crivelari Fortes, M. (2021). Conversações sobre masculinidades e cuidado de si no documentário The Mask You Live In / Conversations about masculinity and self-care in The Mask You Live In documentary. Revista De Psicologia, 12(2), 91 - 104. https://doi.org/10.36517/revpsiufc.12.2.2021.6