Narrativas (des)construídas como tarefa política da pesquisa participativa decolonial / (Un)constructed narratives as a political task of decolonial participatory research

Palavras-chave: Pesquisa participativa, narrativas, questões epistêmico-metodológicas, decolonialidade

Resumo

O presente artigo tem como objetivo refletir sobre questões epistêmico-metodológicas na construção de narrativas nas pesquisas participativas. Situamos nossas reflexões a partir de três pesquisas realizadas no processo de doutorado, de duas pesquisadoras e um pesquisador que fazem parte de Instituições diferentes, mas participam do mesmo grupo de pesquisa – GEPCOL-UFPE, o mesmo GT da ANPEPP, e desenvolveram seus estudos com foco nas narrativas das juventudes. Destacamos nesses estudos, que para a execução de pesquisas participativas que buscam construir narrativas é necessário à emergência de um caminho alternativo aos modelos hegemônicos, o que requer uma mudança de postura da/o pesquisadora/or, no sentido de que essa/e considere os marcadores sociais que lhe constituem na relação com as/os participantes e na construção das informações. É necessário também o uso de referenciais epistêmicos metodológicos que possibilitem a valorização das experiências dos sujeitos, que permitam que essas/es falem, sejam ouvidas/os e tenham suas vozes visibilizadas nos textos. Consideramos que a narrativa é política por se fazer compartilhada, por buscar visibilizar as situações de opressão e desigualdades na sociedade, e também por contribuir na construção de práticas decoloniais e da resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roseane Amorim da Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Mestre em Psicologia - UFPE. Docente da Universidade Federal Rural de Pernambuco - Unidade Acadêmica de Serra Talhada - UAST.

Renata Moura, Escola Técnica Estadual Professor Antônio Carlos Gomes da Costa da rede de Pernambuco - ETEPAC/PE

Doutora em Educação no Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE.  Mestre em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação -UFPE. Graduada em Pedagogia pela UFPE. Professora da Escola Técnica Estadual Professor Antônio Carlos Gomes da Costa da rede de Pernambuco - ETEPAC/PE.

Antonio Santos, Universidade Federal de Alagoas

Doutor em Psicologia pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Mestre em educação pela Universidade Federal de Alagoas - UFAL. Docente do curso de Psicologia da Universidade Federal de Alagoas - UFAL - Unidade Educacional de Palmeira dos Índios.

Referências

Alves, C. & Delmondez, P. (2015). Contribuições do pensamento decolonial à Psicologia Política. Revista Psicologia Política, 15(34), 647-661. Disponível em:< https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7434404>. Acesso em: 20 de fevereiro de 2021.

Alcântara, C. N. (2018). O Decolonial na pesquisa em artes no Brasil [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas. Disponível em: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2018/10/23/o-decolonial-na-pesquisa-em-artes-no-brasil/. Acesso em: 22 de fevereiro de 2021.

Amorim, S. & Pádua, K. C. (2010). Explorando narrativas: algumas reflexões sobre suas possibilidades na pesquisa. In: Campos, R. C. P. R. de (Org.). Pesquisa, Educação e Formação Humana: nos trilhos da História. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Ballestrin, L. (2013). América Latina e o giro decolonial. Rev. Bras. de Ciênc. Polít., Brasília, v.11, p. 89-117. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0103-33522013000200004&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 03 de maio de 2021.

Batista, N. C. S.; Bernardes, J. & Menegon, V. M. (2014). Conversas no cotidiano: um dedo de prosa na pesquisa. In: Spink, M. J., et al (ORGs.) A produção de informação na pesquisa social: compartilhando Ferramentas. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais (publicação virtual), pp.97-122.

Bernardino-Costa, J. & Grosfoguel, R. (2016). Decolonialidade e perspectiva negra. Soc. estado., Brasília, v. 31, n. 1, p. 15-24. Disponível em:<https://www.scielo.br/pdf/se/v31n1/0102-6992-se-31-01-00015.pdf>. Acesso em: 03 de maio de 2021.

Carvalho, K. M. de. (2021). A utopia decolonial: o projeto transmoderno, pluriversal e o direito à diferença de igualdade. PerCursos, 21(47), 130 - 152. Disponível em: <https://doi.org/10.5965/1984724621472020130>. Acesso em: 26 de fevereiro de 2021.

Castro, R. D. de; Mayorga, C. (2019). Decolonialidade e pesquisas narrativas: contribuições para a Psicologia Comunitária. In: Pesquisas e Práticas Psicossociais. 14(3), São João del-Rei, julho-setembro. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082019000300011&lng=pt&tlng=pt.>. Acesso em: 20 de fevereiro de 2021.

Fine, M.; Fox, M. (2013). A Prática da Liberdade: Pesquisa de Ação Participativa da Juventude para a Justiça na Educação. In: Menezes, J. de A.; Costa, M. R. & SANTOS, T. C. dos S. JUBRA: territórios interculturais de juventude. Recife: Editora Universitária da UFPE.

Freire, P. (1998). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 7ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Galvão, C. (2005). Narrativas em Educação. Ciência & Educação, v. 11, n. 2, p. 327-345. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/ciedu/v11n2/12.pdf>. Acesso em: 20 de fevereiro de 2021.

Grosfoguel, R.; Mignolo, W. (2008). Intervenciones Descoloniales: una breve introducción. In: Tabula Rasa. Nº. 9: 29-37, julio-diciembre, Bogotá – Colombia. Disponível em:<http://www.scielo.org.co/pdf/tara/n9/n9a03.pdf>. Acesso em: 20 de fevereiro de 2021.

Jesus, R. de C. D. P. de. (2020). Narrativas implicadas sobre memória, cultura e negritude no recôncavo da Bahia. In: Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica. Salvador, v. 05, n. 14, p. 612-626, maio/ago. Disponível em:<https://www.revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/8097>. Acesso em: 25 de fevereiro de 2021.

Kilomba, G. (2019). Memórias Da Plantação. Episódios de racismo cotidiano.Trad. Jess Oliveira. Cobogó: Rio de Janeiro.

Lugones, M. (2014a). Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, 214 22(3): 320, setembro-dezembro, p. 935-952. Disponível em:<https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36755>. Acesso em: 15 de fevereiro de 2021.

Lugones, M. (2014b). Colonialidad y Género: hacia um feminismo descolonial. In: Mignolo, W. (ORG). (2014). Género y decolonialidad. 2. ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo. p. 13-42.

Maldonado-Torres, N. (2019). Analítica da colonialidade e decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: Bernardino-Costa, J.; Maldonado-Torres, N.; Grosfoguel, R. (ORGs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica. p. 27-53

Marques, P. M. & Genro, M. E. H. (2016). Por uma ética do cuidado: em busca de caminhos descoloniais para a pesquisa social com grupos subalternizados. In: Estud. sociol. Araraquara v.21 n.41 p.323-339 jul.-dez. Disponível em:<https://periodicos.fclar.unesp.br/estudos/article/view/8506>. Acesso em: 12 de fevereiro de 2021.

Meihy, J. C. S. B.; Holanda, F. (2015). História oral: como fazer, como pensar. 2ª ed. 4ª reimpressão. São Paulo: Contexto.

Moura, R. P. dos S. (2020). “A quem a escola pertence?”: Reflexões sobre as ocupações como um novo modo de produção de conhecimentos. 247p. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Federal de Pernambuco: Recife.

Mignolo, W. D. (2008). Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF - Dossiê: Literatura, língua e identidade, 34, 287-324. Disponível em:

Nogueira, C. (2001). A análise do discurso. Métodos e técnicas de avaliação: novos contributos para a prática e investigação. Braga: CEEP.

Oliveira, D. C. de; Almeida, L. & Oliveira, R. W. de. (2019). Pesquisa Participativa Decolonial: Movimentos de Pensamento entre Terra e Marte. In: Rev. Polis e Psique. 20 anos do PPGPSI/UFRGS, 107 – 127. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/PolisePsique/article/view/97526>. Acesso em: 03 de maio de 2021.

Paiva, V. (2002). Sem mágicas soluções: a prevenção ao HIV e à AIDS como um processo de “emancipação psicossocial”. In: Parker, R.; Terto Jr.,V. (Org.) Anais do seminário: prevenção à AIDS: limites e possibilidades na terceira década. Rio de Janeiro: ABIA.

Parker, R. (1998). Teorias de intervenção e prevenção do HIV/AIDS. In: PARKER, R.; Terto JR., V. Entre Homens: homossexualidade e AIDS no Brasil. Rio de Janeiro: ABIA.

Quijano, A. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org.) (Ed.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Colección ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, p. 227–278.

Santos, A. B. (2015). Colonização, Quilombos: modos de significação. Brasília: Ministério da Cultura.

Santos, A. C. de H. (2020). Modos de vida e formas de resistência de jovens homens homossexuais rurais no contexto escolar do semiárido alagoano. 242p. Tese (Doutorado em Psicologia). Universidade Federal de Pernambuco: Recife.

Santos, V. M. dos. (2018). Notas desobedientes: decolonialidade e a contribuição para a crítica feminista à ciência. Psicologia & Sociedade. Disponível em: <https://dx.doi.org/10.1590/1807-0310/2018v30200112>. Acesso em: 27 de fevereiro de 2021.

Silva, R. A. da. (2019). Desigualdades e Resistências entre os/as jovens quilombolas e da periferia urbana de Garanhuns/PE. 243p. Tese. (Doutorado em Psicologia). Universidade Federal de Pernambuco: Recife.

Silva, R. A. da, et al. (2017). Vamos conversar?: Histórias de jovens sobre o uso de bebidas alcoólicas nas comunidades quilombolas. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 12(2), 263-279. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082017000200003&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: 27 de fevereiro de 2021.

Publicado
2021-07-01
Como Citar
Amorim da Silva, R., Paula dos Santos Moura, R., & Cêsar de Holanda Santos, A. (2021). Narrativas (des)construídas como tarefa política da pesquisa participativa decolonial / (Un)constructed narratives as a political task of decolonial participatory research. Revista De Psicologia, 12(2), 147 - 160. https://doi.org/10.36517/revpsiufc.12.2.2021.11
Seção
Dossiê Especial "Políticas de Narrativas nas Pesquisas Participativas"