Homicídios juvenis em Fortaleza: questões para a estratégia saúde da família / Youth homicides in Fortaleza: issues for the family health strategy

Palavras-chave: Estratégia Saúde da Família, Violência, Juventudes

Resumo

Esse artigo pretende discutir como a violência urbana é abordada por profissionais inseridos em equipes da Estratégia Saúde da Família da cidade de Fortaleza, destacando como a intensificação dos homicídios têm repercutido em seus cotidianos. Trata-se de um desdobramento de uma pesquisa-intervenção, à luz do método da cartografia, que analisou práticas institucionais em torno da problemática dos homicídios infanto-juvenis em territórios de uma periferia da capital cearense. O trabalho buscou articulações da Psicologia Social com autores e autoras de áreas afins que seguem caminhos semelhantes no trato das juventudes e das expressões da violência. Os dados foram produzidos por observações, conversas no cotidiano, entrevistas e grupos de discussões. A seção de resultados e discussão destaca: o desafio de tomar a violência como objeto de ação-reflexão-ação, demandando um conjunto de ações comunitárias e intersetoriais e a necessidade de uma nova agenda no âmbito das políticas de saúde para lidar com violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Fernando de Souza Benicio, Universidade Federal do Ceará

Psicólogo com formação em Psicologia Hospitalar (Pró-Reitoria de Extensão/UFC - 2012). Atualmente, faz especialização em Saúde da Família (UNILAB) e mestrado acadêmico em Psicologia (UFC). É pesquisador-bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Integra o grupo de pesquisas e intervenções sobre Violência, Exclusão Social e Subjetivação (VIESES-UFC) que é cadastrado no diretório de grupos de pesquisa do CNPQ. Supervisona o projeto de extensão Re-Tratos da juventude, atuando na formação de profissionais por meio da construção de dispositivos de análise coletiva e intervenção micropolítica, de caráter transversal e intersetorial, em torno dos processos de subjetivação e dos direitos humanos de juventudes em territórios da cidade de Fortaleza-CE. Participa da Comissão Organizadora do projeto Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde (VER-SUS). Desenvolveu um trabalho de Apoio Institucional na Rede de Atenção Psicossocial de Fortaleza (Secretaria Municipal de Saúde) e foi colaborador do projeto close certo - Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais (Ministério da Saúde). Áreas de atuação e pesquisas: Direitos Humanos; Políticas Públicas; Saúde Coletiva; Saúde da Família; Redução de Danos; Juventudes e HIV/AIDS.

Carla Jéssica de Araújo Gomes, Universidade Federal do Ceará

Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Bolsita de Iniciacao Científica CNPQ.

Membro do VIESES-UFC: Grupo de pesquisas e intervenções sobre violencia, exclusão social e subjetivação. 

Referências

Barreira, C. & Batista, E. (2011). Violência e conflito social. In C. Barreira & E. Batista., Segurança e sociedade: treze lições (pp. 11-18). Campinas: Pontes Editora.
Barros, J. P. P., Acioly, L. F., & Ribeiro, J. A. D. (2016). Re-tratos da juventude na cidade de Fortaleza: direitos humanos e intervenções micropolíticas. Revista de psicologia, 7(1), 84-93.
Barros, J. P. P., Paiva, L. F. S., Rodrigues, J. S., Silva, D. B., & Leonardo, C. S. (2018). “Pacificação” nas periferias: discursos sobre as violências e o cotidiano de juventudes em Fortaleza. Revista de Psicologia, 9(1), 117-128.
Barros, L. M. R. & Barros, M. E. B. (2014). Pista da análise: O problema da análise em pesquisa cartográfica. In E. Passos, V. Kastrup, & S. Tedesco (Orgs), Pistas do método da cartografia: A experiência da pesquisa e o plano comum (pp. 373-390). Porto Alegre: Sulina.
Benicio, L. F. & Barros, J. P. P. (2017). Estratégia Saúde da Família e Violência Urbana: abordagens e práticas sociais em questão. SANARE-Revista de Políticas Públicas, 16(1), 102-112.
Benicio, L. F. S., Barros, J. P. P., Rodrigues, J. S., Silva, D. B., Leonardo, C. S., & Costa, A. F. (2018). Necropolítica e Pesquisa-Intervenção sobre Homicídios de Adolescentes e Jovens em Fortaleza, CE. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(2), 192-207.
Brasil (2012). Política nacional de atenção básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde.
Cerqueira, D. R. C., Lima, R.S., Bueno, S., Neme, C., Ferreira, H., Coelho, D., Alves, P. P., Pinheiro, M., Astolfi, R., & Marques, D. (2018). Atlas da Violência 2018. Rio de Janeiro, RJ: Fórum Brasileiro de Segurança Pública/Ipea.
Coimbra, C. (2001). Operação Rio: o mito das classes perigosas. Rio de janeiro, RJ: Intertexto.
Coimbra, C., Bocco, F., & Nascimento, M. L. (2005). Subvertendo o conceito de adolescência. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 57(1), 2-11.
Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência. (2017). Cada vida importa: relatório do primeiro semestre de 2017 do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência. Assembléia Legislativa. Fortaleza, CE: Autor.
Delgado, P. G. G. (2012). Violência e saúde mental: os termos do debate. O social em questão, Rio de Janeiro, 15(28), 187-198.
Fiuza, T. M., Miranda, A., Ribeiro, M. T. A. M., Pequeno, M. L., & Oliveira, P. R. S. (2011). Violência, drogadição e processo de trabalho na Estratégia de Saúde da Família: conflitos de um grande centro urbano brasileiro. Revista Brasileira de Medicina da Família e Comunidade, 6(18), 32-39.
Fórum Brasileiro de Segurança Pública. (2017). 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. São Paulo, SP: Autor.
Gonçalves, H. C. B, Queiroz, M. R., & Delgado, P. G. G. (2017). Violência urbana e saúde mental: desafios de uma nova agenda? Fractal: Revista de Psicologia, 29(1), 17-23.
Lemos, F. C. S., Scheinvar, E., & Nascimento, M. L. D. (2014). Uma análise do acontecimento "crianças e jovens em risco". Psicologia & Sociedade, 26(1), 158-164.
Lemos, F. C. S., Bicalho, P. P. G., Alvarez, M. C., & Brício, V. N. (2015). Governamentalidades neoliberais e dispositivos de segurança. Psicologia & Sociedade, 27(2), 332-340.
Melo, D. L. B. & Cano, I. (2017). Índice de homicídios na adolescência: IHA 2014. Rio de Janeiro, RJ: Observatório de Favelas.
Minayo, M. C. S. & Souza, E. R. (1998). Violência e saúde como um campo interdisciplinar e de ação coletiva. História, Ciências, Saúde, Rio de Janeiro, 4(3), 513-531.
Moraes, M. (2010). PesquisarCOM: política ontológica e deficiência visual. In M. Moraes & V. Kastrup (Org), Exercícios de ver e não ver: arte e pesquisa com pessoas com deficiência visual (pp. 26-51). Rio de Janeiro, RJ: Nau Editor.
Morais, M. P., Krause, C., Neto, V. C. L., (Orgs.) (2016). Caracterização e tipologia de assentamentos precários: estudos de caso brasileiros. Brasília, DF: Ipea.
Paiva, I. L. & Oliveira, I. F. (2015). Juventude, violência e políticas sociais: da criminalização à 160 efetivação de direitos humanos. In A. Scisleski & N. Guareschi (Orgs.), Juventudes, marginalidade social e direitos humanos: da psicologia às políticas públicas. Porto Alegre, RS: EdiPUCRS.
Passos, E., Kastrup, V., & Escóssia, L. (2009). Pistas do método da cartografia: pesquisa intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre, RS: Sulina.
Passos, E., Kastrup, V., & Tedesco, S. (2014). Pistas do método da cartografia 2: a experiência da pesquisa e o plano comum. Porto Alegre, RS: Sulina.
Rocha, M. L. & Aguiar, K. F. (2003). Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicologia Ciência e Profissão. 23(4), 64-73.
Rolnik, S. & Guattari, F. (2006). Micropolítica: cartografías del deseo. Madrid: Traficantes de Sueños.
Secretaria Municipal de Saúde (2016). Homicídios de crianças e adolescentes de 10 a 19 anos em Fortaleza: análise epidemiológica e espacial 2000-2016. Fortaleza, CE: Autor.
Silva, M. R. F. D., Silveira, L. C., Pontes, R. J. S., & Vieira, A. N. (2015). O cuidado além da saúde: cartografia do vínculo, autonomia e território afetivo na saúde da família. Rev Min Enferm [internet], 19(1), 249-54.
Publicado
2022-01-01
Como Citar
Benicio, L. F. de S., Barros, J. P. P., & Gomes, C. J. de A. (2022). Homicídios juvenis em Fortaleza: questões para a estratégia saúde da família / Youth homicides in Fortaleza: issues for the family health strategy. Revista De Psicologia, 13(1), 59 - 71. https://doi.org/10.36517/revpsiufc.13.1.2022.5
Seção
Relatos de Pesquisa