A violência contra a mulher na perspectiva da Psicologia: uma revisão bibliográfica / The violence against women in the perspective of Psychology: a bibliographical review

Palavras-chave: Psicologia; Gênero; Violência contra a mulher; Interseccionalidade.

Resumo

Este artigo propõe contribuir com o debate existente sobre prevenção e estratégias de enfrentamento à violência de gênero contra as mulheres. O estudo buscou pesquisar como essa temática tem sido retratada nas produções acadêmicas brasileiras no campo da Psicologia, visando problematizar de que modo a interseção entre marcadores de raça, gênero e classe é abordada por autores(as) da área, e analisando as repercussões psicossociais da violência nas mulheres. Foi utilizado como método a revisão bibliográfica sobre o tema da violência doméstica em artigos científicos publicados especificamente da base de dados SciELO. Averiguou-se como resultado que o fenômeno da violência necessita de um amplo cuidado, aprimorando o apoio e suporte à mulher e à família acometida pelo contexto da violência, e que há grande necessidade de considerar as discussões e intervenções de modo interseccional. Como conclusão, foi possível compreender através dos estudos avaliados que existem fatores que interferem na produção e manutenção das opressões vivenciadas. Por fim, compreende-se a necessidade de a psicologia dialogar junto a outros campos de atuação, a fim de contribuir na construção de conhecimento a partir de problemas sociais, e de modo a incentivar o desenvolvimento de estudos de caráter preventivo e com estratégias mais efetivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Lima, ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ

Especializanda em Estratégias de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher pela Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP-CE), Fortaleza, CE, Brasil. E-mail para correspondência: psicologa.sandralima@gmail.com. Av. Carneiro de Mendonça, 261-Demócrito Rocha, Fortaleza-CE, 60440155. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-1737-0895

Jéssica Rodrigues, Universidade Estadual do Ceará

Docente no Departamento de Psicologia da Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza, CE, Brasil.

E-mail para correspondência:jsrodriguespsi@gmail.com ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8395-1626

Referências

Amorim, E. O. (2017). “Eu dava conta de silenciar tudo”: relato de uma vivência no ciclo da violência contra a mulher. Anais da XI Semana de História UFES. https://periodicos.ufes.br/semanadehistoria/article/view/23082
Akotirene, C. (2019). Interseccionalidade. São Paulo: Pólen Produção Editorial LTDA.
Aragão, C. M. C. (2020). Mulheres silenciadas: mortalidade feminina por agressão no Brasil, 2000-2017. Revista Baiana de Saúde Pública, 44(1), 55-67. https://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/3180
Brasil. Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm
Carneiro, S. (2005). A construção do outro como não ser como fundamento do ser. Tese de Doutorado em Educação na Universidade de São Paulo. São Paulo: USP.
Collins, P. H. H. & Bilge, S. (2020). Interseccionalidade. Trad.: Rane Souza. São Paulo: Boitempo.
Costa, J. B. (2013). Controle de vida, Interseccionalidade e política de empoderamento: as organizações políticas das trabalhadoras domésticas no Brasil. Estudos Históricos, 26(52), 471-489.
Faria, N., Silveira, M. L., & Nobre, M. (Orgs.). (1998). Sexualidade e Gênero: uma abordagem feminista. São Paulo: SOF (Sempreviva Organização Feminista). http://www.sof.org.br/wp-content/uploads/2000/01/Caderno-GenPP.pdf
Farias, N., & Araújo, D. L. G. Caminhos e desafios do movimento feminista na luta contra a violência contra a mulher. In: Farias, N., Leonardo, G. M. N., Araújo, M. L. G., & Albuquerque, G. A. (Orgs.). (2019). Trilhando caminhos no enfrentamento à violência contra as mulheres (pp. 86-94). Fortaleza: ESP-CE. https://www.esp.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/78/2019/12/Livro-Trilhando-Caminhos-WEB.pdf
FBSP. (2020). Violência Doméstica: Durante a pandemia de Covid-19. Fórum Brasileiro de segurança Pública, 3ª ed., v. 2. https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2018/05/violencia-domestica-covid-19-ed03-v2.pdf
Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas.
Gomes, C. M., & Santos, M. J. D. J. A. (2013, novembro). Violência Doméstica Na Literatura Brasileira. Anais do VI Fórum Identidades e Alteridades e II Congresso Nacional Educação e Diversidade (UFS). https://ri.ufs.br/bitstream/riufs/1952/1/ViolenciaDomesticaLiteraturaBrasileira.pdf
Gonzalez, L. (1983). Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: Silva, L. A (Org.). Movimentos sociais, urbanos, memórias étnicas e outros estudos. Brasília: ANPOCS.
IPEA. (2020). Atlas da Violência. Brasília; Rio de Janeiro; São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública. https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/24/atlas-da-violencia-2020
Koller, S. H., Couto, M. C. P. D. P., & Hohendorff, V. (2014). Manual de Produção Científica. Porto Alegre: Penso.
Leite, A. C., & Fontanella, B. J. (2019, jan.-dez.). Violência doméstica contra a mulher e os profissionais da APS: predisposição para abordagem e dificuldades com a notificação. Rev. Bras. Med. Fam. Comunidade (Online), 14(41). https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)2059
Lugones, M. (2014). Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas, 22(3), 935-952. https://doi.org/10.1590/%25x
Marconi, M. A.., & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de metodologia científica. 5ª ed. São Paulo: Atlas.
Martini, T. (2009). A Lei Maria da Penha e as medidas de proteção à mulher. Monografia (Bacharel em Direito pela Universidade Vale do Itajaí). Itajaí: Univali.
Nobre, M. (Org.). (2018). Violência e Desigualdade no Brasil. 2ª ed. São Paulo: SOF (Sempreviva Organização Feminista). http://www.sof.org.br/wp-content/uploads/2017/11/Violencia-e-desigualdade-web.pdf
Parada, C. S. (2017). Representações sociais de gênero na violência contra a mulher. Rio de Janeiro: Gramma.
PEBMED. (2020, outubro). CORONAVÍRUS: tudo o que você precisa saber sobre a nova pandemia. PEBMED (Online), publicação interativa, s. p. https://pebmed.com.br/coronavirus-tudo-o-que-voce-precisa-saber-sobre-a-nova-pandemia/
Penha, M. (2012). Sobrevivi... posso contar. 2ª ed. Fortaleza: Armazém da Cultura.
Pimentel, S., & Araújo, S. (2020). Raça e Gênero: discriminações, interseccionalidades e resistências. São Paulo: EDUC.
Prado, D., Sanematsu, M., & Wang, L. (2017). Feminicídio #InvisibilidadeMata. São Paulo: Instituto Patrícia Galvão.
Ribeiro, D. (2019). Lugar de Fala. São Paulo: Pólen.
Schienbinger, L. Medidores de equilíbrio. In: Schienbinger, L. O feminismo mudou a ciência? Trad. Raul Fiker. Bauru: EDUSC, 2001.
Silva, I. M. D. (2018). Feminino negro invisibilizado e colonialidade do poder punitivo. Maranhão: REDOR (Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisas sobre Mulher e Relação de Gênero).
Smigay, K. V. (1989). Mulheres: (re)partidas e excluídas. Psicologia & Sociedade, 4(7), 11-18.
Sobieranski, C. A. B., & Camargo, M. (2020, jan.-fev.). O papel da mulher na formação social do Brasil e as diversas Expressões da Violência. Anais do VII Seminário de Políticas Sociais no Mercosul - SEPOME. / As políticas sociais na América Latina e a garantia dos direitos humanos. Pelotas: UCPEL, 2020. https://pos.ucpel.edu.br/ppgps/wp-content/uploads/sites/5/2020/07/ANAIS-VERS%C3%83O-MENOR.pdf
Tavares, M. L.; Lois. (2016, 15 dez). Anotações sobre a teoria feminista do direito de Catharine MacKinnon, 2(2), 151-170.
Teixeira, J. B., & Braz, M. (2002). O projeto ético-político do Serviço Social. Direitos e competências profissionais. In: CFESS; ABEPSS (Orgs.). Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS.
Vieira, P. R., Garcia, L. P., & Maciel, E. L. N. Isolamento social e o aumento da violência doméstica: o que isso nos revela? Revista Brasileira de Epidemiologia (Online), 23(1), e200033. https://doi.org/10.1590/1980-549720200033
Zaremba, J. (2019, fevereiro). Maioria das mulheres não denuncia agressor à polícia ou família, indica pesquisa. Folha de São Paulo (Online). https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/02/maioria-das-mulheres-nao-denuncia-agressor-a-policia-ou-a-familia-indica-pesquisa.shtml
Publicado
2022-01-01
Como Citar
da Conceição da Silva Lima, S., & Silva Rodrigues, J. (2022). A violência contra a mulher na perspectiva da Psicologia: uma revisão bibliográfica / The violence against women in the perspective of Psychology: a bibliographical review . Revista De Psicologia, 13(1), 139 - 153. https://doi.org/10.36517/revpsiufc.13.1.2022.11
Seção
Estudos Teóricos