O apego está na relação? Revisão sobre a sensibilidade materna no Brasil / Is the attachment in the relationship? Review on maternal sensitivity in Brazil

Palavras-chave: Sensibilidade materna; Desenvolvimento infantil; Saúde materna; Comportamento materno; Vulnerabilidade social

Resumo

Esta revisão integrativa de literatura visa mapear artigos brasileiros a partir do referencial da sensibilidade materna, por meio de busca nas bases de dados do Portal CAPES, de modo mais específico, na BVS Brasil e SciELO, realizada em 2019, e atualizada no primeiro semestre de 2020, utilizando os descritores “sensibilidade materna”, “maternal sensitivity and brazil” e “sensibilidade materna and vulnerabilidade”. Os critérios de inclusão foram artigos empíricos realizados no Brasil, publicados nos últimos 10 anos (2010-2020) em português, com acesso irrestrito em texto completo. Encontrou-se 685 referências e somente 14 estudos foram analisados na íntegra por atenderem aos critérios estabelecidos nesta pesquisa. Percebe-se que alguns fatores impactam negativamente na sensibilidade materna, como a vivência em situação de vulnerabilidade socioeconômica; a saúde mental da mãe e a fragilidade da rede de suporte. Evidencia-se escassez de produções brasileiras sobre essa temática e de pesquisas interventivas com a díade mãe-bebê, demonstrando a relevância deste trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Luís Maia Morais

Graduado em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará. Especializando em Saúde Mental pela Universidade Aberta do Brasil – Universidade Regional do Cariri, Brasil.

Pedro Henrique Alves da Silva

Graduado em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará. Especializando em Saúde Mental pela Universidade Aberta do Brasil – Universidade Regional do Cariri, Brasil.

Cínthia Mendonça Cavalcante, Universidade Federal do Ceará

Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual do Ceará. Professora adjunta do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Ceará, Brasil.

Referências

Abreu, C. N. (2005). Teoria do Apego: fundamentos, pesquisas e implicações clínicas. São Paulo: Casa do Psicólogo.
Ainsworth, M. D. S. (1969). Maternal sensitivity scales: The Baltimore Longitudinal Project. Power, 6, 1379-1388. Recuperado de: .
Alvarenga, P., Cerezo, M. A., Wiese, E., & Piccinini, C. A. (2019). Effects of a short video feedback intervention on enhancing maternal sensitivity and infant development in low-income families. Attachment & Human Development, 1-21. doi:.
Alvarenga, P., Dazzani, M. V. M., Alfaya, C. A. S., Lordelo, E. R., & Piccinini, C. A. (2012). Relações entre a saúde mental da gestante e o apego materno-fetal. Estudos de Psicologia, 17(3), 477-484. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-294X2012000300017
Alvarenga, P., Machado, S. C. B., & Lins, T. C. S. (2014). O impacto da responsividade materna aos oito meses da criança sobre as práticas de socialização maternas aos 18 meses. Estudos de Psicologia, 19(4), 305-314. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-294X2014000400008.
Black, M. M., Walker, S. P., Fernald, L. C. H., Andersen, C. T., Digirolamo, A. M., Lu, C., … & Grantham-McGregor, S. (2017). Early childhood development coming of age: science through the life course. The Lancet, 389(10064), 77-90. doi: .
Bowlby, J. (1989). Uma base segura: aplicações clínicas da teoria do apego. (S. M. Barros, Trad.). Porto Alegre: Artes médicas.
Bowlby, J. (2002). Apego e perda: a natureza do vínculo. (3ª ed., A. Cabral, Trad.). São Paulo: Martins fontes. (Texto original publicado em 1984).
Bowlby, J. (2006). Formação e rompimento dos laços efetivos. (4ª ed. A. Cabral, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Texto original publicado em 1982).
Bowlby, J. (2020). Cuidados Maternos e Saúde Mental. (6ª ed., V. L. B. Souza & I. Rizzini). São Paulo: Martins Fontes. (Texto original publicado em 1981).
Carbonell, O. A. (2013). La sensibilidad del cuidador y su importancia para promover un cuidado de calidad en la primera infancia. Ciências Psicológicas, 7(2), 201-207. Recuperado de: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5044281.
Cassiano, R. G. M., & Linhares, M. B. M. (2015). Temperamento, prematuridade e comportamento interativo mãe-criança. Psicologia: Reflexão & Crítica, 28(2), 416-424. doi:https://doi.org/10.1590/1678-7153.201528222
Cavalcante, M. C. V., Filho, F. L., França, A. K. T. C., & Lamy, Z. C. (2017). Relação mãe-filho e fatores associados: análise hierarquizada de base populacional em uma capital do Brasil-Estudo BRISA. Ciência & Saúde Coletiva, 22(5), 1683-1693. doi:https://doi.org/10.1590/1413-81232017225.21722015
Cruz, D. S. M., Collet, N., Andrade, E. M. C., Nóbrega, V. M., & Nóbrega, M. M. L. (2017). Vivências de mães de crianças diabéticas. Esc. Anna Nery, 21(1). Recuperado de:.
Cyr, C., Dubois-Comtois, K., Michel, G., Poulin, C., Pascuzzo, K., Losier, V., … & Moss, E. (2012). Attachment Theory in the Assessment and Promotion of Parental Competency in Child Protection Cases. IntechOpen, 63-86. Recuperado de:.
Dalbem, J. X., & Dell’aglio, D. D. (2005). Teoria do apego: bases conceituais e desenvolvimento dos modelos internos de funcionamento. Arq. Brasilei. de Psicologia, 57(1), 12-24. Recuperado de: .
Engle, P. L., Black, M. M., Behrman, J. R., Mello, M. C., Gertler, P. J., Kapiriri, L., … & Young, M. E. (2007). Strategies to avoid the loss of developmental potential in more than 200 million children in the developing world. The Lancet, 369(9557), 229-242. doi:https://doi.org/10.1016/S0140-6736(07)60112-3
Esteves, C. M, Anton, M. C., & Piccinini, C. A. (2011). Indicadores da preocupação materna primária na gestação de mães que tiveram parto pré-termo. Psicologia Clínica, 23(2), 75-99. Recuperado de: .
Figueiredo, A. M., Mateus, V., Osório, A., & Martins, C. (2014). A contribuição da sensibilidade materna e paterna para o desenvolvimento cognitivo de crianças em idade pré-escolar. Análise Psicológica, 32(2), 231-242. doi:https://doi.org/10.14417/ap.842.
Fonseca, V. R. J. R. M., Silva, G. A., & Otta, E. (2010). Relação entre depressão pós-parto e disponibilidade emocional materna. Cad. Saúde Pública, 26(4), 738-746. Recuperado de: .
Frota, M. A., Bezerra, J. A., Férrer, M. L. S., Martins, M. C., & Silveira, V. G. (2011). Percepção materna em relação ao cuidado e desenvolvimento infantil, Revista Brasi. Promo. Saúde, 24(3), 245-250. Recuperado de: .
Fundo de Populações das Nações Unidas (2018). O Poder de escolha: direitos reprodutivos e a transição demográfica. Recuperado de: .
Grantham-McGregor, S., Cheung, Y. B., Cueto, S., Glewwe, P., Richter, L., & Strupp, B. (2007). Developmental potential in the first 5 years for children in developing countries. The Lancet, 369(9555), 60-70. doi:https://doi.org/10.1016/S0140-6736(07)60032-4
Hassan, B. K; Werneck, G. L. & Hasselmann, M. H. (2016). Saúde mental materna e estado nutricional de lactentes com seis meses de idade. Rev. Saúde Pública, 50(7), 1-9. Recuperado de:
Nunes, L. L., & Aquino, F. S. B. (2014). Habilidade de comunicação intencional de bebês: o que pensam as mães? Psicologia: Teoria e Pesquisa, 30(4), 363-372. Recuperado de:.
Perosa, G. B., Carvalhaes, M. A. B. L., Benício, & M. H. D., Silveira, F. C P. (2011). Estratégias alimentares de mães de crianças desnutridas e eutróficas: estudo qualitativo mediante observação gravada em vídeo. Ciência & Saúde Coletiva, 16(11), 4455-4464. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001200018
Pessôa, L. F., & Moura, M, L, S. (2011). Fala Materna Dirigida à Criança em Cenários Comunicativos Específicos: Um Estudo Longitudinal, Psic: Teor. e Pesq., 27(4), 439-447. Recuperado de: .
Ribeiro, D. G., Perosa, G. B., & Padovani, F. H. P. (2014). Fatores de risco para o desenvolvimento de crianças atendidas em Unidades de Saúde da Família, ao final do primeiro ano de vida: aspectos sociodemográficos e de saúde mental materna. Ciência & Saúde Coletiva, 19(1), 215-226. doi: .
Rodrigues, O. M. P. R., & Nogueira, S. C. (2016). Práticas Educativas e Indicadores de Ansiedade, Depressão e Estresse Maternos. Psicologia: Teor. e Pesquisa, 32(1), 35-44. doi:https://doi.org/10.1590/0102-37722016012293035044
Rother, E. T. (2007). Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, 20(2), v-vi. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001
Saldan, P. C., Demario, R. L., Brecailo, M. K., Ferriani, M. G. C., & Mello, D. F. (2015). Interação nos momentos da alimentação entre mães e crianças desnutridas menores de dois anos. Ciência & Saúde Coletiva, 20(1), 65-74. Doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232014201.21302013
Santelices, M. P., Farkas, C., Montoya, M. F., Galleguillos, F., Carvacho, C., Fernández, A., … & Himmel, E. (2015). Factores predictivos de sensibilidad materna en infancia temprana. Psicoperspectivas, 14(1), 66-76. Recuperado de: .
Silva, M. R. S. (2003). A construção de uma trajetória resiliente durante as primeiras etapas do desenvolvimento da criança: o papel da sensibilidade materna e do suporte social (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Recuperado de:.
Silva, S. S. C., Pendu, Y. L., Pontes, F. A. R., & Dubois, M. (2002). Sensibilidade materna durante o banho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 18(3), 345-352. Acesso em 09 jul 2020, doi: https://doi.org/10.1590/S0102-37722002000300015
Scott, R. P., Lira, L. C., Matos, S. S., Souza, F. M., Silva, A. C. R., & Quadros, M. T. (2018). Itinerários terapêuticos, cuidados e atendimento na construção de ideias sobre maternidade e infância no contexto da Zika. Interface (Botucatu), 22(66), 673-684. doi:https://doi.org/10.1590/1807-57622017.0425
Souza, M. T., Silva, M. D., & Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), 8(1), 102-106. doi: https://dx.doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134
Walker, S. P., Wachs, T. D., Gardner, J. M., Lozoff, B., Wasserman, G. A., Pollitt, E., … & Carter, J. A. (2007). Child development: risk factors for adverse outcomes in developing countries. The Lancet, 369(9556), 145-157. Recuperado de: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/17223478/.
Publicado
2022-01-01
Como Citar
Maia Morais, J. L., Alves da Silva, P. H., & Mendonça Cavalcante, C. (2022). O apego está na relação? Revisão sobre a sensibilidade materna no Brasil / Is the attachment in the relationship? Review on maternal sensitivity in Brazil. Revista De Psicologia, 13(1), 112 - 125. https://doi.org/10.36517/revpsiufc.13.1.2022.9
Seção
Estudos Teóricos