E quando contarmos nossas histórias? Relatos em uma formação racista // And when do we tell our stories? Stories in a racist degree

Palavras-chave: Epistemicídio; racismo; antirracismo.

Resumo

Situando o campo onto-epistemológico do espaço universitário, este texto volta-se para a contestação da produção de conhecimento científico e, com isso, possibilitar marcar o não-marcado (privilégio do saber) e citar sobre o mal falado (racismo). Para isso, situa-se que a entrada na universidade de sujeitos historicamente construídos como objetos científicos acarreta tensões através  da exposição de um curioso silenciamento acerca da produção da ficção de neutralidade de um certo tipo de sujeito-sistema (homem, branco, cis, hétero). Neste escrito, ocorre a marcação da localização da autoria (negra, homem, cis, gay) como uma estratégia de produção de autonomia, do negro falar sobre si, marcando a trajetória como parte do fazer ciência - não como novidade e, sim, como uma re-inauguração anti-racista. Com o objetivo de tentar responder “Quem pode falar?” (KILOMBA, 2019, p. 33), organiza-se a partir daqui uma “contação de histórias” biográfica-coletiva  sobre os atravessamentos de uma formação racista em para pessoas negras, a qual pretende se ater sobre os tensões, os racismos e as negociações das questões raciais na área da Psicologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoel Nogueira Maia Neto, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Mestrando do programa em Saúde da População Negra e Indígena, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Participante do Grupo Afetivo de Pesquisa Quilombolar, da Universidade Federal do Ceará (UFC). Participante do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gênero, Raça e Saúde (NEGRAS), da UFRB.

Referências

Bispo, N. (2019, Setembro 05). Nêgo Bispo, saberes quilombolas - parte 1. [Arquivo de vídeo]. Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=ByWld8Gonr8&t=675s
Borba, S. (2018). A importância psicológica dos mitos contemporâneos. (Trabalho de Conclusão de Curso). Departamento de Psicologia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.
Cardoso, L. (2010). Branquitude acrítica e crítica: A supremacia racial e o branco anti-racista. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, 8 (1), 603-630.
Carone, I. (2018). Breve histórico de uma pesquisa psicossocial sobre a questão racial brasileira. In I. Carone & M. Bento (orgs.), Psicologia Social do Racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil (pp. 13-23). Petrópolis: Editora Vozes.
Conselho Federal De Psicologia. (2017). Relações raciais: manual de referências técnicas para a atuação de psicólogas/os. Recuperado de https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2017/09/relacoes_raciais_baixa.pdf.
Cruz, F., Lemos, G., & Jesus, L. (2020). Contracolonização e soberanias intelectuais de povos indígenas, negros e quilombolas. In: L. Jesus, M. de Barros & R. Filice (orgs.), Tecendo redes antirracistas II: contracolonização e soberania intelectual (pp 234-257). Fortaleza: Imprensa Universitária UFC.
Evaristo, C. (2016). Olhos d’água. Rio de Janeiro: Editora Pallas.
Fanon, F. (2020). Pele Negra, máscaras brancas.São Paulo: Editora Ubu.
Gomes, L. (2019). Ser pardo: o limbo identitário-racial brasileiro e a reinvidicação da identidade. Cadernos de Gênero e Diversidade, 5 (1), 66-78. http://portalseer.ufba.br/index.php/cadgendiv.
Jesus, C. (2014). Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Editora Ática.
Jesus, J. (2015). Lições para uma Psicologia das Oprimidas. In: A. Lima, D. Antunes & M. Calegare, M (orgs.), A Psicologia Social e os atuais desafios ético-políticos no Brasil (pp 208-217). Porto Alegre: Editora ABRAPSO.
Maia Neto, M. & Oliveira, S. (2019). Negritude como foco para intervenções artísticas e terapêuticas. Revista de Psicologia da UFC, 10 (2), 17-24.
Mombaça, J. (2015). Pode um cu mestiço falar?. Medium, online. https://medium.com/@jotamombaca/pode-um-cu-mestico-falar-e915ed9c61ee.
Mombaça, J. (2016). Rumo à uma redistribuição desobediente de gênero e anticolonial da violência! Issuu, online. https://issuu.com/amilcarpacker/docs/rumo_a_uma_redistribuic a o_da_vi
Nascimento, T. (2019a). 07 notas sobre o apocalipse ou poemas para o fim do mundo. Rio de Janeiro: Editora Garupa e Kazal.
Nascimento, T. (2019b). Cuírlombismo literário: poesia negra LGBTQI desorbitando o paradigma da dor. São Paulo: N-1 Edições.
Passô, G. (2017). Mata teu pai. Rio de Janeiro: Cobogó.
Penna, W. (2019). Escrevivências das memórias de Neusa Santos Souza: apagamentos e lembranças negras nas práticas psis. (Dissertação de Mestrado). Departamento de Psicologia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Pequeno, M. (2019). Pesquisa condições de trabalho de psicólogas no Ceará: relatório sintético. http://crp11.org.br/upload/Relat%C3%B3rio%20Resumido%20Pesquisa%20Condi%C3%A7%C3%B5es%20de%20Trabalho%20-%20Final%28capa%29.pdf
Prestes, C. (2020). Não sou eu do campo psi? vozes de Juliano Moreira e outras figuras negras. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/As Negros/As, 12 (ed. esp.), 52-77.
Ramos, L. (2017). Na Minha Pele. Rio de Janeiro: Editora Objetiva.
Santos Filho, A. & Bonfim, C. (2020). Jovens negros na universidade: o racismo como fator de sofrimento psíquico. Anais do Simpósio Internacional sobre Juventude Brasileira (JUBRA), Belém, Brasil, 8, 62-63.
Schucman, L., & Martins, H. (2017). A Psicologia e o Discurso Racial sobre o Negro: do “Objeto da Ciência” ao Sujeito Político. Psicologia: Ciência e Profissão, 2017, 37 (núm. esp.), 172-185.
Silva, J. (2003). A Psicologia das Cores: considerações acerca dos usos do conceito de Raça Humana na construção do discurso sobre o psiquismo brasileiro. (Trabalho de Conclusão de Curso). Departamento de Psicologia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.
Simas, L., & Rufino, L. (2020). Encantamento: sobre política de vida. Rio de Janeiro: Mórula Editorial.
Souza, N. S. (1983). Tornar-se negro ou vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Editora Graal.
Souza, N. S. (2008, Agosto 04). Trilogia da Mente. [Arquivo de vídeo]. Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=eugWGvhG48o&t=3s
Veiga, L. (2019). Descolonizando a psicologia: notas para uma Psicologia Preta. Fractal: Revista de Psicologia, 31 (1), 244-248.
Publicado
2022-06-30
Como Citar
Maia Neto, M. N. (2022). E quando contarmos nossas histórias? Relatos em uma formação racista // And when do we tell our stories? Stories in a racist degree. Revista De Psicologia, 13(2), 80 - 90. https://doi.org/10.36517/10.36517/revpsiufc.13.2.2022.6
Seção
Relatos de Experiência