Teste de Inteligência não verbal R-1: o tamanho do efeito para as normas de 2018 // R-1 non-verbal intelligence test: the effect size for the 2018 standards

Palavras-chave: Teste de inteligência; normatização; tamanho do efeito.

Resumo

O estudo apresenta os tamanhos do efeito, seus intervalos de confiança, classificações e visualizações para a atualização normativa de 2018 do Teste não verbal de Inteligência R-1, visto que as diferenças estatisticamente calculadas com base no valor p oferecerem evidências tênues contra a hipótese nula e, por isso, não servem como uma prova da significância clínica. Utilizou-se a amostra normativa do instrumento, composta por 5.595 adultos, de ambos os sexos, com idades entre 18 e 65 anos, provenientes das cinco regiões geográficas brasileiras e subdivididos pelos níveis de ensino fundamental, médio e superior. Os resultados apontaram tamanhos do efeito entre médios e grandes na comparação entre os níveis de ensino fundamental e médio;  grande a muito grande na relação entre o ensino fundamental e o superior e; pequenos a médios entre os níveis médio e superior de ensino. Concluiu-se que as diferenças estatisticamente observadas, por meio das análises de variância e pos-hoc de Tukey refletem um efeito real quando se considera o impacto da variável nível de escolaridade no desempenho do teste. Entendeu-se que os estudos normativos do instrumento refletem um impacto real quando se considera a variável em estudo, devendo incluir o tamanho do efeito e seus respectivos intervalos de confiança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Augusto Dias, Universidade Cidade de São Paulo

Graduado em Psicologia pela Universidade Guarulhos (1991), Especialização em Psicopedagogia pela Universidade Guarulhos (1998), Mestrado em Psicologia com concentração em Avaliação Psicológica pela Universidade São Francisco (2005) e especialização em Educação a Distância pelas Faculdades Senac - Florianópolis (2009). Atua como professor cursos de graduação em Psicologia, ministrando as disciplinas de Avaliação Psicológica, Psicodiagnóstico, Psicometria e Estágios Supervisionados. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em fundamentos e medidas, atuando principalmente nos seguintes temas: avaliação psicológica, testes psicométricos e técnicas projetivas. No momento, é docente dos Cursos de Psicologia da Universidade Cidade de São Paulo (UNICID), São Paulo - SP e Universidade Guarulhos (UNG), Guarulhos - SP.

Referências

Alves, I. C. B. (1998). Variáveis significativas na avaliação da inteligência. Psicologia Escolar e Educacional, 2(2), 109-114. Recuperado em 25 de janeiro de 2022, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85571998000200005&lng=pt&tlng=pt.

Alves, I. C. B. (2002). R – 1: Teste não verbal de inteligência – Manual. Vetor Editora.

Alves, I. C. B. (2009). R-1: Teste Não Verbal de Inteligência - Manual. (3ª ed. ampliada). Vetor Editora.

Alves, I. C. B. (2018). Teste não verbal de inteligência (R-1). 4ª ed. Vetor Editora.

Barrosa, L. A. N., Ferrari-Pilonia, C., Torresb, E. M., Estrelac, C., & Valladares-Netod, J. (2018). Effect size: a statistical basis for clinical practice. Rev Odonto Cienc. 33(1), 84-90. https://doi.org/10.15448/1980-6523.2018.1.29437

Braga, M. B. P. (2018). Escala de Proficiência em Concepções Térmicas: Diagnóstico Psicométrico de Estudantes em Portugal e Brasil (Tese), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Cohen J. (1988). Statistical power analysis for the behavioral sciences. th ed. Lawrence Eribaum.

Cohen, J. (1992). A power primer. Psychological Bulletin, 112(1), 155-159. https://doi.org/10.1037/0033-2909.112.1.155

Conselho Federal de Psicologia (2018). Resolução CFP 09/2018. Estabelece diretrizes para a realização da Avaliação Psicológica no exercício profissional da psicóloga e do psicólogo, regulamenta o Sistema de Avaliação de Testes Psicológicos – SATEPSI e revoga as Resoluções n o 022/2003, nº006/2004 e nº 005/2012 e Notas Técnicas nº 01/2017 e 02/2017. Conselho Federal de Psicologia.

Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da Vetor Editora Psicopedagógica. (2010). Novas Tabelas de normas: Testes da Vetor Editora. Vetor Editora.

Dhaker, H.. Deme, El-H. , & El-Adlouni S. (2021). On Inference of Overlapping Coefficients in Two Inverse Lomax Populations. Journal of Statistical Theory and Applications Vol. 20(1), March 2021, pp. 61–75. doi: https://doi.org/10.2991/jsta.d.210107.002

Esteves, C., Silva, F. C., & Cardoso, T. (2014). Tabelas normativas: Avaliação psicológica no contexto de trânsito. Vetor Editora.

Espirito-Santo, H. & Daniel, F. (2015). Calcular e apresentar tamanhos do efeito em trabalhos científicos (1): As limitações do p < 0,05 na análise de diferenças de médias de dois grupos. Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, 1(1), 3-16. http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/429

FIELD, A. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS [recurso eletrônico] / Andy Field ; tradução Lorí Viali. – 2. ed. – Dados eletrônicos. Artmed.

Funder, D. C., & Ozer, D. J. (2019). Evaluating effect size in psychological research: Sense and nonsense. Advances in Methods and Practices in Psychological Science, 2, 156–168. https://doi.org/10.1177/2515245919847202
GOTTSFRITZ, M. O.; ALVES, I. C. B. (2009). Normas do Teste de Inteligência Não Verbal R-1 para Adultos Não Alfabetizados. Interação em Psicologia, 13(1), p. 59-68. doi: http://dx.doi.org/10.5380/psi.v13i1.15856

Goulet-Pelletier, J.-C., & Cousineau, D. (2018). A review of effect sizes and their confidence intervals, part I: The cohen’s d family. The Quantitative Methods for Psychology, 14(4), 242–265. doi:10.20982/tqmp.14.4.p242

Gurnsey, R. (2017). Statistics for research in Psychology: A modern approach using estimation. Thousand Oaks, CA: SAGE.

Hespanhol, L., Vallio C.S., Costa, L. M. & Saragiotto, B.T. (2018). Understanding and interpreting confidence and credible intervals around effect estimates. Brazilian Journal of Physical Therapy. 23(4), 290-301. https://doi.org/10.1016/j.bjpt.2018.12.006

Hirakata, V., Branco Mancuso, A., & de Jezus Castro, S. (2019). Teste de Hipóteses: Perguntas que você sempre quis fazer, mas nunca teve coragem. Clinical & Biomedical Research, 39(2). Retrieved from https://seer.ufrgs.br/hcpa/article/view/93649

Johnson, V. E. (2013). Revised standards for statistical evidence. PNAS, 110(48), 19313–19317. www.pnas.org/lookup/suppl/doi:10. 1073/pnas.1313476110/-/DCSupplemental.


Magnusson, K. (2021). Interpreting Cohen's d effect size: An interactive visualization (Version 2.5.1) [Web App]. R Psychologist. https://rpsychologist.com/cohend/

Sawilowisky, S. S. (2009). New Effect size rules of thumb. Journal of Modern Applied Statistical Methods, 8(2). 597-599. https://doi.org/10.1080/00273171.2012.658329

Silva, M. A.; Alves, I. C. B. (2018). Estudo normativo do R-1: Teste não verbal de inteligência para uma região da Bahia-Brasil. Estudos Interdisciplinares em Psicologia. v. 9, n. 3supl, p. 38-53.

Souza, M. D. R. (2018). Principais medidas de magnitude do efeito utilizadas na comparação de dois grupos. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação não-publicado, Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística, Universidade de Brasília. Brasília, Brasil

Ventura-León, J. (2018). Otras formas de entender la d de Cohen. Evaluar, 18(3), 73-78. doi: https://10.35670/1667-4545.v18.n3.22305
Publicado
2022-06-30
Como Citar
Dias, A. (2022). Teste de Inteligência não verbal R-1: o tamanho do efeito para as normas de 2018 // R-1 non-verbal intelligence test: the effect size for the 2018 standards. Revista De Psicologia, 13(2), 122 - 138. https://doi.org/10.36517/10.36517/revpsiufc.13.2.2022.9
Seção
Relatos de Pesquisa