O uso de realidade virtual em programas de reabilitação cardiovascular

revisão de escopo

Palavras-chave: realidade virtual, reabilitação cardíaca, tecnologia em saúde

Resumo

Introdução: A reabilitação cardiovascular (RCV) é definida como atividade necessária para assegurar as melhores condições físicas, psicológicas e sociais a pessoas com doença cardiovascular (DCV), sendo considerada um importante tratamento não-farmacológico de baixo custo. As novas tecnologias no campo da saúde, especificamente em programas de RCV, por meio do uso de realidade virtual (RV) são mostradas como auxiliares promissores com o objetivo de aumentar a adesão e satisfação aos programas. Objetivo: Mapear as evidências disponíveis para fornecer uma visão geral do uso de RV no contexto da RCV. Métodos: Trata-se de um estudo baseado em revisão de escopo, onde foram pesquisados estudos com uso de RV, com interface do tipo óculos, em programas de RCV com pacientes clínicos e/ou cirúrgicos. Os bancos de dados utilizados foram: Pubmed, Medline, Lilacs, PEDro, Science Direct, Cochrane Database of Systematic Reviews e JBI Database of Systematic Reviews and Implementation Reports Journal. Resultados: A RV em programas de RCV foi descrita como segura e viável e resultou em melhora da capacidade cardiorrespiratória, além de ser motivadora. Conclusão: A RV pode ser considerada uma ferramenta complementar em programas de RCV, permitindo melhorar o desempenho e adesão aos programas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ariele dos Santos Costa, Universidade Federal de São Paulo

Possui Graduação em Fisioterapia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2017), pós-graduação em Terapia Intensiva Adulto pelo Hospital Israelita Albert Einstein (2018) e em Cardiologia pelo Programa de Residência Multiprofissional da Universidade Federal de São Paulo (2020). Atualmente, é Fisioterapeuta no Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (InCor - HCFMUSP).

Caroline Bublitz Barbosa, Universidade Federal de São Paulo

Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Especialista em Fisioterapia Cardiorrespiratória pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Servidora Técnica Administrativa em Educação (Fisioterapeuta) do Hospital Universitário da UNIFESP. Tutora e Preceptora do Programa de Residência Multiprofissional em Cardiologia da UNIFESP. Professora do curso de Graduação em Fisioterapia do Centro Universitário São Camilo - São Paulo.

Solange Guizilini, Universidade Federal de São Paulo

Graduação em Fisioterapia pela Universidade Estadual de Londrina (1997). Especialista em Fisioterapia Respiratória - Universidade Federal de São Paulo - Unifesp. Mestre e Doutora em Ciências da Saúde - Disciplina de Cardiologia - Unifesp. Professora Associada do Curso de Graduação em Fisioterapia - Unifesp - Departamento de Ciências do Movimento Humano. Orientadora do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu em Cardiologia (Unifesp/São Paulo) e do programa Interdisciplinar em Ciências da Saúde da unifesp/BS. Vice- Coordenadora e Tutora do Programa de Residência Multiprofissional em Cardiologia da Unifesp. Professora colaboradora do Departamento de Fisioterapia da Universidade de Illinois - Chicago. Editora Associada do Brazilian Journal Cardiovascular Surgery. Diretora Científica do Departamento de Fisioterapia da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

Rita Simone Lopes Moreira, Universidade Federal de São Paulo

Professora Adjunta do Departamento de Enfermagem Clínica e Cirúrgica da Escola Paulista de Enfermagem da UNIFESP,Possui doutorado em Ciências da Saúde pela disciplina de Cardiologia pela Universidade Federal de São Paulo (2014), mestrado em Ciências Médicas e Biológicas pela Universidade Federal de São Paulo (1999 e graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de São Paulo (1988).Coordenadora do Programa de Cardiologia da Residência Multiprofissional da UNIFESP, Tem experiência na área de Enfermagem, com pacientes cardiopatas clinicos e cirúrgicos, atuando principalmente nos seguintes temas: diagnósticos de enfermagem, intervenções de enfermagem, parada cardiorrespiratória, segurança do paciente e multidisciplinaridade e interprofissionalidade. Atualmente faz assessoria na Coordenadoria de Ensino e Pesquisa do Hospital e Gestora do Núcleo de Pesquisas clínicas do HSP. Certificadora de Hospitais de ensino, conforme portaria inter ministerial Nº1.129, DE 7 DE JUNHO DE 2013, representando a EBSERH-MEC desde 2013.Desde de Janeiro de 2015 foi indicada como Expert Clinical Advisory Panel NANDA-I. Apoiadora do Projeto MEC/EBSERH/REDE RUTE para capacitação de preceptores da Residência Multiprofissional e Uniprofissional em Saude Membro do banco de avaliadores da Comissão nacional da residência Multiprofissional em área da Saúde , de acordo com edital n. 05 de 22 de janeiro de 2015. Líder do Grupo de Assistência, Ensino e Pesquisa Interdisiciplinar em Saúde GAEPIS . Chefe da Disciplina de Enfermagem Cirurgica do Departamento de Enfermagem Clinica e Cirurgica da Escola Paulista de Enfermagem da UNIFESP. Realizou visita técnica em hospitais americanos como o George Washington University hospital, Johns Hopkins Hospital em 2017 e também realizou visita técnica no centro de pesquisa clínica do National Institute of Health onde estabeleceu parceria de pesquisa com Dr Leorey Saligan sobre fadiga e fragilidade.Membro da Sociedade Europeia de Cardiologia

Vagner Rogério dos Santos, Universidade Federal de São Paulo

Atualmente é pesquisador Adjunto I do Departamento de Oftalmologia e Ciências Visuais da Universidade Federal de São Paulo e Pós Doutorando em Neurociências no Departamento de Neurologia também da UNIFESP. Atua em pesquisas nas áreas de Design e Tecnologias Assistiva, Sistemas de Precisão para cirurgias e novos diagnósticos em oftalmologia e Ergonomia Visual. Atua como pesquisador voluntário no Grupo - High Performance and Pervasive Computing Systems Group. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Dep. Engenharia Elétrica, implementando pesquisa aplicada em sistemas embarcados, internet das coisas e sistemas vestíveis para saúde. Tem experiência na área de Engenharia Biomédica, Engenharia de Reabilitação, Mecânica de Precisão, Aeroespacial/Militar, Dispositivos Mecatrônicos, Empreendedorismo e Inovação.

Referências

World Health Organization. Noncommunicable diseases country profiles 2018. World Health Organization. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/274512, 2018.

World Health Organization. Global action plan for the prevention and control of noncommunicable diseases 2013-2020. World Health Organization, 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Saúde Brasil 2018 uma análise de situação de saúde e das doenças e agravos crônicos: desafios e perspectivas / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde – Brasília: Ministério da Saúde, p 424, 2019.

Brown RA. Rehabilitation of patients with cardiovascular diseases. Report of a WHO expert committee. World Health Organ Tech Rep Ser, v. 270, p. 3-46, 1964

Daly J, et al. Barriers to participation in and adherence to cardiac rehabilitation programs: a critical literature review. Progress in cardiovascular nursing. V. 17, n. 1, p. 8-17, 2002

Yohannes AM; Yalfani A; Doherty P; Bundy C. Predictors of drop-out from an outpatient cardiac rehabilitation programme. Clinical Rehabilitation. V.2, n.3, p. 222-229, 2007

Grace SL; Shanmugasegaram S; Gravely-Witte S; Brual J; Suskin N; Stewart DE. Barriers to cardiac rehabilitation: Does age make a difference? Journal of Cardiopulmonary Rehabilitation and Prevention. V.29, n. 3, p. 183-187, 2009

Mair V; Breda AP; Nunes MEB; Matos LDNJD. Avaliação da aderência ao programa de reabilitação cardíaca em um hospital particular geral. V.11, n.3, p. 278-284, 2013.

Oña ED; Cano-de La Cuerda R; Sánchez-Herrera P; Balaguer C; Jardón A. A review of robotics in neurorehabilitation: Towards an automated process for upper limb. Journal of healthcare engineering, 2018.

Perez-Marcos D. Virtual reality experiences, embodiment, videogames and their dimensions in neurorehabilitation. Journal of neuroengineering and rehabilitation.v.15, n.1, p. 1-8, 2018.

Tori R; Kirner C; Siscoutto RA. Fundamentos e tecnologia de realidade virtual e aumentada. Editora SBC. 2006.

Kozhevnikov M; Gurlitt J. Immersive and non-immersive virtual reality system to learn relative motion concepts. In 3rd Interdisciplinary Engineering Design Education Conference. p.168-172, 2013.

García-Bravo S; et al. Virtual reality and video games in cardiac rehabilitation programs. A systematic review. Disability and Rehabilitation. p.1-10, 2019.

Peters MDJ, Godfrey CM, McInerney P, Soares CB, Khalil H, Parker D. The Joanna Briggs Institute reviewers' manual: methodology for JBI scoping reviews. 2015.

Chuang TY; Sung WH; Lin CY. Application of a virtual reality-enhanced exercise protocol in patients after coronary bypass. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, v.86, n.10, p.1929-1932, 2005.

Chuang TY; Sung WH; Chang HÁ; Wang RY. Effect of a Virtual Reality-Enhanced Exercise Protocol After Coronary Artery Bypass Grafting. Physical Therapy, v.86, n.10, p.1369-1377, 2006.

Volmer J; et al. Enhancing long-term motivation of cardiac patients by applying exergaming in rehabilitation training. In Studies in Health Technology and Informatics. p.183-187, 2017.

Klompstra L; Jaarsma T; Strömberg A. Exergaming to increase the exercise capacity and daily physical activity in heart failure patients: a pilot study. BMC geriatrics, v.14, n.1, p.119, 2014.

Cacau LDAP; et al. O uso da realidade virtual como ferramenta complementar no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Brazilian Journal of Cardiovascular Surgery. v. 28, n.2, p.281-289, 2013.

Vieira Á; Melo C; Machado J; Gabriel J. Virtual reality exercise on a home-based phase III cardiac rehabilitation program, effect on executive function, quality of life and depression, anxiety and stress: a randomized controlled trial. Disability and Rehabilitation: Assistive Technology, v.13, n.2, p.112-123, 2018.

Annesi JJ; Mazas J. Effects of Virtual Reality-Enhanced Exercise Equipment on Adherence and Exercise-Induced Feeling States. Perceptual and Motor Skills, v.85, n.3, p. 835-844, 1997.

Kim G; Biocca F. Immersion in virtual reality can increase exercise motivation and physical performance. In: International Conference on Virtual, Augmented and Mixed Reality. Springer, Cham, p. 94-102, 2018

Huang SF; Tsai PY; Sung WH; Lin CY; Chuang TY. The comparisons of heart rate variability and perceived exertion during simulated cycling with various viewing devices. Presence: Teleoperators and Virtual Environments, v.7, n.6, p. 575-583, 2008.

Chaddha A; Jackson EA; Richardson CR; Franklin BA. Technology to Help Promote Physical Activity. American Journal of Cardiology, v.119, n.1, p.149-152, 2017.

Ruivo A. "Exergames and cardiac rehabilitation: a review." Journal of cardiopulmonary rehabilitation and prevention, v.34, n.1, p.2-20, 2014.

Fung V; et al. The Utility of a Video Game System in Rehabilitation of Burn and Nonburn Patients: A Survey Among Occupational Therapy and Physiotherapy Practitioners. Journal of Burn Care & Research, v.31, n.5, p.768-775, 2010.

Boulanger P; Pournajib A; Mott W; Schaeffer S. A low-cost virtual reality bike for remote cardiac rehabilitation. In Lecture Notes in Computer Science (including subseries Lecture Notes in Artificial Intelligence and Lecture Notes in Bioinformatics), p.155-166, 2017.

Carvalho T, et al. Diretriz Brasileira de Reabilitação Cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v.114, n.5, p.943-987, 2020.

NCT03377582. Virtual Reality Based-therapy Applied to Physical Therapy in Cardiology. Disponível em: https://clinicaltrials.gov/show/NCT03377582, 2017.

NCT03955536. Comparison of the Effects of Different Physiotherapy and Rehabilitation Methods on Coronary Artery Bypass Surgery. Disponível em: https://clinicaltrials.gov/show/NCT03955536, 2019.

NCT04045977. Virtual Therapy as a Method Supporting the Cardiac Rehabilitation. Disponível em: https://clinicaltrials.gov/show/NCT04045977, 2019.

NCT03945201. Virtual Reality-enhanced Exercise and Education in Cardiac Rehabilitation. Disponível em: https://clinicaltrials.gov/show/NCT03945201, 2019.

NCT02711631. Feasibility and Effectiveness of Remote Virtual Reality-Based Cardiac Rehabilitation. Disponível em: https://clinicaltrials.gov/show/nct02711631, 2016.

Publicado
2021-10-12