O uso das Tecnologias de Informação e Comunicação para a teleducação em oncologia: contribuições e desafios

  • Telma de Almeida Souza Instituto Nacional do Câncer (INCA)
  • Sergio Ricardo de Oliveira Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)

Resumo

Objetivo: identificar limites e possibilidades para o uso das tecnologias de informação e comunicação (TICs) para a teleducação em oncologia, buscando refletir sobre sua potencialidade de superar barreiras temporais, financeiras e geográficas de acesso à qualificação profissional. Método: trata-se de estudo exploratório, descritivo, delineado por pesquisa bibliográfica e documental, bem como pesquisa de campo realizada nos Centros de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia brasileiros, utilizando-se questionário eletrônico. Resultados: os resultados revelaram um perfil de uso das TICs entre a geração analógica e a digital, com pequena participação em ondas de aprendizagem por computador, virtual e por videoconferência. Infraestrutura necessária e custo financeiro foram as principais dificuldades relatadas. A maioria (88%) reconhece como contribuição das TICs a possibilidade de disseminar conteúdo para grande número de profissionais e de atualizá-los no próprio local de trabalho, o que corrobora o sentido apoiado pelas políticas governamentais analisadas. Conclusão: a reflexão sobre esses achados permite avançar no planejamento do uso de tecnologias, aliado a um projeto pedagógico, no sentido de contribuir para a qualificação profissional, democratizando o conhecimento gerado nos centros de oncologia estudados.

Número do protocolo no CEP: CAAE 32915314500005241.

Biografia do Autor

Telma de Almeida Souza, Instituto Nacional do Câncer (INCA)

Graduada em Odontologia pela UFMG (2003). Especialista em Saúde Coletiva(2009) e em Saúde da Família (2011) pela UFMG. Especialista em Planejamento, Implementação e Gestão da Educação a Distância (2015) pela UFF. Mestre em Educação Profissional em Saúde (2015) pela FIOCRUZ. Doutoranda do Programa de Educação em Ciências e Saúde do Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde (NUTES/UFRJ). 

Sergio Ricardo de Oliveira, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)

Possui Graduação em Física titulado em Licenciatura em Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mestre em Ciências (Área de concentração Radiologia) pelo Departamento de Radiologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Doutor em Ciências (Ensino em Biociências e Saúde) pelo Instituto Oswaldo Cruz da Fundação Oswaldo Cruz. Tem experiência na área de Física em Metrologia e Física Médica, é Professor/Pesquisador da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/FIOCRUZ) e atua na área de Física Médica, com ênfase em Proteção Radiológica, trabalhando principalmente com os seguintes temas: Controle de Qualidade em Radiodiagnóstico, Programa de Garantia da Qualidade e Proteção Radiológica. 

Referências

Estimativa 2016: Incidência de Câncer no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). [Acesso em 30 Nov 2015]. Disponível em: www.inca.gov.br/dncc.

BRASIL. Portaria nº 741, de 19 de dezembro de 2005. Institui a Política Nacional de Atenção Oncológica: Promoção, Prevenção, Diagnóstico, Tratamento, Reabilitação e Cuidados Paliativos, a ser implantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão do SUS. Diário Oficial da União, 19 Dez 2005.

BRASIL. Portaria nº 874, de 16 de maio de 2013. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 16 Mai 2013.

Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde [Internet]. Brasília: Secretaria de Atenção à Saúde. [Acesso em 01 Out 2014]. Disponível em: http://cnes.datasus.gov.br.

Brasil LB, Skelton-Macedo MC, Campos FE, Haddad AE. Objetos de Aprendizagem, Competências Profissionais para Profissionais de Saúde e e-Learning: Estudos para Desenvolvimento de uma Taxonomia. J Bras Tele. 2013;2(2):24-28. [Acesso em 20 Dez 2015]. Disponível em: http://www.jbtelessaude.com.br/jornal/volume/download_artigo/587.

Vincent SP. Educação permanente: componente estratégico para a implementação da política nacional de atenção oncológica. Rev Bras Cancerol. 2007; 1 (53):79-85.

Moore M, Kearsley G. Educação a Distância: uma visão integrada. São Paulo: Cengage Learning; 2008.

Cruz DM. Aprendizagem por videoconferência. In: Litto FM, Formiga MMM. Educação a Distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil; 2009. p.87-94.

Portal da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) [Internet]. Brasília, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. [Acesso em 03 Jan 2015]. Disponível em: http://rute.rnp.br/.

Williams R. Cultura e tecnologia. In: Política do modernismo: contra os novos conformistas. São Paulo: Unesp; 2011. p.127-156.

BRASIL. Decreto nº 7385, de 8 de dezembro de 2010. Institui o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde-UNA-SUS. Diário Oficial da União, 8 Dez 2010.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação- PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, 25 Jun 2014.

BRASIL. Decreto nº 5.622 de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, 19 Dez 2005.

Paulon SM, Carneiro MLF. A educação a distância como dispositivo de fomento às redes de cuidado em saúde. Interface (Botucatu). 2009; 13(1):747-57.

Orozco G. Comunicação, educação e novas tecnologias: tríade do século XXI. Comunicação e Educação, São Paulo. 2002; 23: 57-70.

Pronko M, Corbo A, Stauffer A, Lima JC, Reis R. A formação dos trabalhadores técnicos em saúde no Brasil. 1ª Edição. Rio de Janeiro: EPSJV; 2011.

Publicado
2016-09-19