XPERTS SUS - Metodologia de construção de jogo Educativo em apoio à Formação de Pessoal para o Sistema Único de Saúde

Palavras-chave: Capacitação Profissional, Tecnologia educacional, Pessoal de Saúde, Saúde Pública, Sistema Único de Saúde

Resumo

Objetivo: Descrever a construção de um jogo educativo para o ensino de Saúde Coletiva, direcionada à formação de profissionais da saúde. Métodos: Estudo metodológico, desenvolvido em três etapas: delineamento teórico, caracterizado pela realização de uma revisão integrativa e elaboração do projeto de pesquisa, com submissão ao Comitê de Ética em Pesquisa; delineamento empírico, realização de um grupo focal e apropriação da temática a ser abordada no jogo; e desenvolvimento do jogo, mediante os níveis de cognição da Taxonomia de Bloom: lembrar, entender, aplicar, analisar, sintetizar e criar. Resultados: Optou-se pelo jogo de tabuleiro, por considerá-lo recurso atrativo e dinâmico, denominado XPERTS SUS. Contém 45 casas, divididas em cinco seções com cores específicas. As cartas do jogo têm 100 questões sobre marcos histórico da saúde no Brasil, legislação do SUS, aspectos sobre gestão, Normas Operacionais Básicas, Normas Operacionais da Assistência à Saúde e Pacto pela Saúde. Conclusão: O processo de construção do jogo se apresenta como viabilizador de contribuições para o ensino-aprendizagem, na formação de enfermeiros e outras categorias profissionais atuantes na perspectiva de fortalecer e consolidar o SUS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaynara Venancio Bezerra, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Graduada em Enfermagem pela Universidade Regional do Cariri (URCA). Residente em Saúde da Família e Comunidade pela Escola de Saúde Pública do Estado do Ceará.

Mikaelle Ysis da Silva, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Enfermeira graduada pela Universidade Regional do Cariri (URCA). Mestre pelo Programa de Mestrado Acadêmico em Enfermagem da Universidade Regional do Cariri (PMAE/URCA). Pós-graduanda lato sensu em Docência do Ensino Superior pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Pós-graduada lato sensu em Urgência e Emergência. Membro do Grupo de Pesquisa Clínica, Cuidado e Gestão em Saúde (GPCLIN). Áreas de interesse: Saúde do Adolescente; Tecnologias Educacionais; Promoção da Saúde; Prevenção do uso de álcool e outras drogas; Redes de Atenção à Saúde.

Maria Regilânia Lopes Moreira, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Bacharel em Enfermagem pela Universidade Regional do Cariri - URCA (Crato - CE), 2010. Especialista em Enfermagem em Bloco Cirúrgico e Clínica Médica pelo Centro Universitário São Camilo - Extensão Cariri (Crato - CE), 2015. Mestrado Acadêmico em Enfermagem pela Universidade Regional do Cariri - URCA (Crato - CE) concluído em 2019. Enfermeira efetiva de Estratégia Saúde da Família em Araripina - PE, desde 2011 (afastada temporariamente). Enfermeira Assistencial da Clínica Médica do Hospital Regional do Cariri - HRC (Juazeiro do Norte - CE), desde 2011. Professora temporária da Universidade Regional do Cariri - URCA (Unidade Descentralizada do Iguatu - CE), desde 2015. Técnica do Grupo de Pesquisa Clínica, Cuidado e Gestão em Saúde (GPCLIN), desde 2015. Membro da Comissão Interna de Pesquisa do HRC (CIP/HRC) desde 2018.

Lucas Dias Soares Machado, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Enfermeiro, pela Universidade Regional do Cariri - URCA (2013). Especialista com residencia em Saúde Coletiva pelo programa de Residência Integrada em Saúde da Escola de Saúde Pública do Ceará (2016). Mestre em Enfermagem pela Universidade Regional do Cariri. Doutorando em Cuidados Clínicos de Enfermagem e Saúde. Docente dos cursos de graduação em Enfermagem e Educação Física-URCA. Interesse pelas áreas de Saúde Coletiva, Promoção da Saúde, Processos Formativos, Gestão dos Serviços de Saúde e Redes de Atenção à Saúde.

Maria do Socorro Vieira Lopes, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (1993), mestrado e doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (2001; 2009). Foi Coordenadora do curso de enfermagem, Diretora do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS da Universidade Regional do Cariri. Tutora do Programa de Educação Tutorial - PET/Enfermagem/URCA, Atualmente é professora associada da Universidade Regional do Cariri. Professora do Programa de Pós Graduação em enfermagem/URCA e do Mestrado Profissional em saúde da Família da RENASF - nucleadora/URCA. Pro Reitora de Assuntos Estudantis da Universidade Regional do Cariri. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem Comunitária, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde da família, saúde coletiva com ênfase na promoção e educação em saúde, e saúde ambiental.

Álissan Karine Lima Martins, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Professora Adjunta do Departamento de Enfermagem da Universidade Regional do Cariri (URCA). Doutora em Enfermagem e Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (2009) na área de concentração de Promoção da Saúde, Especialista em Docência para as Profissões da Saúde pela Universidade Federal do Ceará e o Programa FAIMER Brasil e Especialista em Saúde da Família (2008), Graduada em Enfermagem pela Universidade Regional do Cariri (2007). Atualmente, atua como coordenadora do Programa PET Saúde Interprofissionalidade (URCA/ Secretaria de Saúde do Crato/ 20a CRES); tutora e docente do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva (URCA); docente do Curso de Mestrado Acadêmico em Enfermagem (URCA); docente do Curso de Graduação em Enfermagem (URCA); Desenvolve projetos de pesquisa, extensão, inovação tecnológica e ensino com ênfase nas áreas de: Saúde Mental na Atenção Básica, Educação em Saúde; Promoção da Saúde; Tecnologias Educacionais; Saúde Coletiva; Prevenção de Álcool e outras Drogas em Adolescentes; Processos Educacionais em Saúde; Educação Interprofissional em Saúde.

Referências

Egry EY; Fonseca RMGS; Oliveira MAC. Ciência, Saúde Coletiva e Enfermagem: destacando as categorias gênero e geração na episteme da práxis. Revista Brasileira de Enfermagem [online]; (66):119-33, 2013. doi: 10.1590/S0034-71672013000700016

Backes DS; Backes MS; Erdmann AL; Büscher A. O papel profissional do enfermeiro no Sistema Único de Saúde: da saúde comunitária à estratégia de saúde da família. Ciência & Saúde Coletiva [online]; volume 17, n. 1, 2012; doi: 10.1590/S1413-81232012000100024

Winters JRF; Prado ML; Heidemann ITSB. A formação em enfermagem orientada aos princípios do Sistema Único de Saúde: percepção dos formandos. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem [online]; volume 20, n. 2, p. 248-253, 2016. doi: 10.5935/1414-8145.20160033

Treviso P; Costa BEP. Percepção de profissionais da área da saúde sobre a formação em sua atividade docente. Texto & Contexto Enfermagem [online]; volume 26, n.1, p.1-9, 2017. doi: 10.1590/0104-07072017005020015

Fernandes CSNN; Ângelo M. Games-playing strategies used in nursing-An integrative review. Avances en Enfermería [online]; volume 36, n.1, p. 88-98, 2018. doi: 10.15446/av.enferm.v36n1.63553

Carácio FCC; Conterno LO; Oliveira MAC; Oliveira ACH; Marin MJS; Braccialli LAD. A experiência de uma instituição pública na formação do profissional de saúde para atuação em atenção primária. Ciência & Saúde Coletiva [online]; volume 19, n.7, 2014. doi: 10.1590/1413-81232014197.08762013

Fonseca LMM; Aredes NDA; Dias DMV; ScochiI CGS; Martins JCA; Rodrigues MA. Serious game e-Baby: percepção dos estudantes de enfermagem sobre a aprendizagem da avaliação clínica do bebê prematuro. Revista Brasileira de Enfermagem [online]; volume 68, n.1, p. 13-19, 2015. doi: 10.1590/0034-7167.2015680102p

Ferraz APCM; Belhot TRV. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gest. Prod., São Carlos; volume 17, n.2, p. 421-431, 2010. doi: 10.1590/S0104-530X2010000200015

Polit DF; Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. 7º Edição. Porto Alegre: Artmed; 2011

Pires MRGM; Guilhem D; Gotemms LBD. Jogo (IN) DICA-SUS: estratégia lúdica na aprendizagem sobre o Sistema Único de Saúde. Texto & Contexto Enfermagem [online]; volume 22, n.2, p. 379-388, 2013. doi: 10.1590/S0104-07072013000200014

Echer IC. Elaboração de manuais de orientação para o cuidado em saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online]; volume 13, n.5, p.754-75, 2005. doi 10.1590/S0104-11692005000500022

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009.

Sperhacke SL et al. O processo de ludificação como transformar métodos de design em jogo de tabuleiro? In: Maurício Moreira e Silva Bernardes; Julio Carlos de Souza van der Linden (Org.). Design em pesquisa. Porto Alegre: Editora Marcavisual, 2017, v 1, p.270-294.

Fernandes CS; Martins MM; Gomes BP; Gomes JÁ; Gonçalves LHT. Family Nursing Game: Desenvolvendo um jogo de tabuleiro sobre Família. Esc Anna Nery [online]; volume 20, n.1, p.33-37, 2016. doi:10.5935/1414-8145.20160005

Brasil. Ministérios da Saúde. Resolução Nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diário Oficial da União. Brasília, 2013.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Diário Oficial da União. Brasília, 2016.

Gomez MV; Vieira JE; Neto AS. Análise do perfil de professores da área da saúde que usam a simulação como estratégia didática. Revista Brasileira de Educação Médica; volume 35, n.2, p. 157-162, 2011. doi: 10.1590/S0100-55022011000200003

Boctor L. Active-learning strategies: The use of a game to reinforce learning in nursing education. A case study. Nurse education in practice; volume 13, n.2, p. 96-100, 2013. doi: 10.1016/j.nepr.2012.07.010

Pinto RA. Métodos de Ensino e Aprendizagem sob a Perspectiva da Taxonomia de Bloom. Contexto & Educação [online]; volume 30, p.96, p.126-155, 2015; doi: 10.21527/2179-309.2015.96.126-155

Panosso MG; Souza SR; Haydu VB. Características atribuídas a jogos educativos: uma interpretação analítico-comportamental. Psicologia Escolar e Educacional; volume 19, n.2, p.233-242, 2015. doi:10.1590/2175-3539/2015/0192821

Silva LVS; Tanaka PS; Pires MRGM. BANFISA e (IN) DICA-SUS na graduação em saúde: o lúdico e a construção de aprendizados. Revista Brasileira de Enfermagem [online]; volume 68, n.1, p.124-130, 2015. doi:10.1590/0034-7167.2015680117p

Albuquerque CN, Souza LF, Moura WA, Oliveira, DM, Silva, GK, Rodrigues, AG. Chemical risk: Criação de um jogo didático para o ensino de biossegurança. Revista de Graduação USP [online]; volume 1, n.2, p. 69-74, 2016. doi: 10.11606/issn.2525-376X.v1i2p69-74

Pereira IDF, Lages, I. Diretrizes curriculares para a formação de profissionais de saúde: competências ou práxis? Trabalho, educação e saúde [online]; volume 11, n.2, p. 319-338, 2013. doi: 10.1590/S1981-77462013000200004

Farias PAM, Martin ALAR, Cristo CS. Active Learning in Health Education: Historic Background and Applications. Revista Brasileira de Educação Médica [online]; volume 39, n.1, p. 143-150, 2015. doi: 10.1590/1981-52712015v39n1e00602014

Mamede W, Abbad GS. Objetivos educacionais de um mestrado profissional em Saúde Coletiva: avaliação conforme a taxonomia de Bloom. Educação e Pesquisa [online]; 44, 2018. doi: 10.1590/s1678-4634201710169805

Trevisan AL, Amaral RG. A Taxionomia revisada de Bloom aplicada à avaliação: um estudo de provas escritas de Matemática. Ciênc. Educ. [online]; volume 22, n.2, p.451-464, 2016. doi: 10.1590/1516-731320160020011

Publicado
2021-11-09