Por uma Mudança de Paradigma: antinegritude e antagonismo estrutural

João Costa Vargas

Resumo


Ao propor a substituição da díade analítica canônica brancx-não brancx pela díade analítica negrx-não negro, esse artigo propõe que a gramática da antinegritude e seu campo assimétrico de posicionalidades são normativos, subliminares, ubíquos, transhistóricos, e assim efetivamente imunes à contestação. Esta gramática estabelece a ausência negra como auto-evidente. O fato de as pessoas negras compartilham e reproduzem esse universo simbólico antinegro demonstra exemplarmente a naturalização e onipresença desse universo. Isso mostra como que a negritude, mesmo para pessoas negras, é vista normativamente como a antítese da humanidade em um mundo antinegro. Consequentemente, uma consciência negra que não é dependente da gramática da antinegritude só é possível quando a antinegritude e o mundo cognitivo e social que ela alicerça são destruídos.

Palavras-chave


Antinegritude; Diáspora Negra; Morte Social; Sobrevivência da Escravidão

Texto completo:

PDF

Referências


CHURCHILL, Ward. A Little Matter of Genocide: Holocaust

and Denial in the Americas, 1492 to the Present. San Francisco:

City of Lights, 1997.

FANON, Frantz. Black Skin, White Masks. Translated by

Charles Lam Markman. New York, NY: Grove Press, 1967.

FRENCH, Jan Hoffman. Legalizing Identities: Becoming Black

or Indian in Brazil's Northeast. Chapel Hill: University of North

Carolina Press, 2009.

GOFF, Phillip et al. "Not Yet Human: Implicit Knowledge,

Historical Dehumanization, and Contemporary Consequences."

Journal of Personality and Social Psychology 94, no. 7 (2008):

-306.

GORDON, Lewis R. Bad Faith and Antiblack Racism. Amherst,

NY: Humanity Books, 1999.

HARTMAN, Saidiya. Scenes of Subjection: Terror, Slavery, and

Self-Making in Nineteenth-Century America. New York, NY:

Oxford University Press, 1997.

JUNG, Moon-Kie. Beneath the Surface of White Supremacy:

Denaturalizing U.S. Racisms Past and Present. Stanford, CA:

Stanford University Press, 2015.

MASSEY, Douglas, and Denton, Nancy. American Apartheid:

Segregation and the Making of the Underclass. Cambridge, MA:

Harvard University Press, 1993.

MCKITTRICK, Katherine (ed.). Sylvia Wynter: On Being

Human as Praxis. Durham, NC: Duke University Press, 2015.

OMI, Michael, and Winant, Howard. Racial Formation in the

United States. Third Edition. New York, NY: Routledge, 2015.

PAIXÃO, Marcelo, Rossetto, Fabiana, Carvano, Luiz. Relatório

das Desigualdades Raciais no Brasilç 2009-2010. Rio de Janeiro,

RJ: Garamond Universitária, 2010.

WAISELFIZS, Julio J. Mapa da Violência 2012: A Cor dos

Homicídios no Brasil. CEBELA, FLACSO, Brasília: SEPPIR,

, 41.

WILDERSON, Frank B. Red, White, and Black: Cinema and the

Structure of U.S. Antagonism. Durham, NC: Duke University

Press, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista de Ciências Sociais, fundada em 1970. Periódico indexado no Portal de Periódicos Capes, Google Acadêmico, LiVre, LatindexDiadorim, Sumários.org, REDIB, MLA International BibliographyLatinREV, NSD-Norsk Senter for Forskningsdata, DOAJDialNet e EBSCO Research Collections.  E-ISSN 2318-4620

Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará
Av. da Universidade, 2995 — Benfica 
Fortaleza, CE — CEP 60020-181 
rcs@ufc.br