Parentalidade Soberana” em bairros afluentes da América Latina: Raça e as Geopolíticas dos cuidados de crianças em Ipanema (Brasil) e El Condado (Porto Rico)

Ana Y. Ramos-Zayas

Resumo


A partir de estudo etnográfico com países residentes nos bairros afluentes de Ipanema, no Brasil, e El Condado, em Porto Rico, examino como as elites urbanas latino-americanas reformulam suas compreensões sobre raça e classe em relação às práticas parentais, `a auto-representação quanto liberais e aos objetivos de socialização. Meu principal foco é como os pais consideravam seu relacionamento com as mulheres pobres, de pele mais escura, as quais eles contratavam para cuidar de seus filhos; essas mulheres eram geralmente imigrantes da República Dominicana, em El Condado, e migrantes do Nordeste brasileiro, em Ipanema. Apresento como os sentimentos genuinamente positivos que esses pais de elite expressavam em relação ao trabalhador doméstico, de fato, sustentavam as desigualdades de poder inerentes ao relacionamento entre pais-babá. Em seguida, apresento o conceito de "parentalidade soberana", como uma característica distinta da relação babá-pais em Ipanema e em El Condado.

 


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista de Ciências Sociais



Revista de Ciências Sociais, fundada em 1970. Periódico indexado em LatindexDiadorim, Sumários.org e REDIB.  E-ISSN 2318-4620

Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará
Av. da Universidade, 2995 — Benfica 
Fortaleza, CE — CEP 60020-181 
rcs@ufc.br