Uma Análise Empírica das Relações do Terceiro Setor com o Estado e com o Mercado no Brasil e em Portugal

Marina Félix Melo

Resumo


O presente artigo tem como objetivo trazer à discussão as relações entre as Organizações Não-Governamentais (ONGs) e os demais setores: o Estado e o Mercado. A proposta baseia-se em quatro estudos de caso realizados entre os anos de 2008 e 2013 no Brasil, e 2010 a 2012 em Portugal, pelo qual investigou-se a profissionalização institucional destas entidades, a considerar aspectos como autonomia das ONGs, manutenção de redes de cooperação, relações de trabalho, dentre outras dimensões analíticas que dizem respeito à relação entre os três setores. Realizamos nas seguintes páginas apresentação e análise destes casos empíricos, seguidos de contextualização analítica a partir da sociologia das organizações


Palavras-chave


ONGs; Mercado; Estado; Brasil; Portugal

Texto completo:

PDF

Referências


CAPRA, Frijot. O ponto de mutação. Tradução: Álvaro Cabral.

Cultrix. 24.ed, 2003.

CARDOSO, Ruth. “Fortalecimento da Sociedade Civil”. In:

IOSCHPE, Evelyn. 3º Setor: desenvolvimento social sustentável.

Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

CARVALHO, Cristina Amélia Pereira de. Preservar a identidade

e buscar padrões de eficiência: questões complementares ou

contraditórias na atualidade das Organizações NãoGovernamentais?In:

Revista do GENEIT/PPGA/UFRGS, 1999.

p

COELHO, Simone. Terceiro Setor: um estudo comparado entre

Brasil e Estados Unidos. 2.ed. São Paulo: SENAC, 2001.

COSTA, José Ricardo Ferreira da. Sociedade Civil,

Humanitarismo e Utilitarismo: um estudo empírico sobre os

padrões de solidariedade das ONGs da RMR. Dissertação de

Mestrado. Recife / UFPE, 2004.

FONTES, Breno. “Capital Social e Terceiro Setor: sobre a

estruturação das redes sociais em associações voluntárias”.

Caderno CRH,30-31. Salvador, 1999.

HADDAD, Soraia. A profissionalização chega às Organizações

Sociais. Gazeta Mercantil, 2002.

HILL, W.A e EGAN, D. M. Readings in organization theory: a

behavioral approach. Boston: Ally and Bacon, 1967.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível

em: http://www.ibge.com.br/home/.

LANDIM, Leilah. Para Além do Mercado e do Estado?

Filantropia e Cidadania no Brasil. Rio de Janeiro: ISER, 1993.

LAKATOS, Eva Maria. Sociologia Geral. 5. ed. São Paulo: Atlas,

LIMA, Vilma Soares de. Dádiva e voluntariado: ações de apoio

junto a portadores de câncer. Recife, Programa de Pós-Graduação

em Sociologia / UFPE. Dissertação de Mestrado, 2004.

MELO, Marina. A Missão das ONGs em um Terceiro Setor

Profissionalizado: Estudos de Caso na RMR. Dissertação de

Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco. Programa de PósGraduação

em Sociologia, 2009.

PAULA, Sergio; ROHDEN, Fabíola. “Filantropia empresarial em

discussão: números e concepções a partir do estudo do Prêmio

Eco”. In: LANDIM, Leilah (org). Ações em Sociedade: Militância,

caridade, assistência, etc. Rio de Janeiro: ISER/NAU, 1998.

TEIXEIRA, Ana Claudia. Identidades em construção: as

organizações não-governamentais no processo brasileiro de

democratização.São Paulo: Annablume; FAPESP; Instituto Polis,

WANDERLEY, Luiz. “ONGs e universidades: desafios atuais”.

In: In: HADDAD, Sérgio (org). ONGS e Universidade: Desafios

para a Cooperação na América Latina. São Paulo:

Abong/Peirópolis, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista de Ciências Sociais, fundada em 1970. Periódico indexado no Portal de Periódicos Capes, Google Acadêmico, LiVre, LatindexDiadorim, Sumários.org, REDIB, MLA International BibliographyLatinREV, NSD-Norsk Senter for Forskningsdata, DOAJDialNet e EBSCO Research Collections.  E-ISSN 2318-4620

Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará
Av. da Universidade, 2995 — Benfica 
Fortaleza, CE — CEP 60020-181 
rcs@ufc.br