Das Ribeiras ao Cais de Macapá: a cidade vista sob a trajetória de um migrante

  • Verônica Xavier Luna Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará
  • Antonio George Lopes Paulino
Palavras-chave: Trajetória, Migração, Cidade, Gentrificação, Política

Resumo

Este artigo é um breve recorte da tese de doutorado defendida no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará – UFC, intitulada Um cais que abriga histórias de vida: homens e máquinas construindo o social na cidade de Macapá (1943-1970). O tema central do artigo trata da trajetória de um migrante que entrecruza campo e cidade, com destaque para suas ações políticas no decurso da gentrificação de áreas do espaço urbano de Macapá. Ocupa-se, portanto, em interface com a História e a Sociologia, da narrativa de uma trajetória construída a partir das ações de um ribeirinho em seu cais (lugar), depois deslocada para o cais da cidade de Macapá. Toma-se por referente o deslocamento do migrante como caminho de ressocialização no percurso de sua trajetória na cidade de Macapá. A pesquisa desenvolveu-se em torno de três eixos principais de análise: trajetória de deslocamento campo-cidade, projeto de gentrificação urbana de Macapá e trajetória política e profissional do ribeirinho. Os resultados apontam para a compreensão de que a cidade é uma virtualidade sempre se fazendo e refazendo, portanto, construto de sujeitos singulares e plurais em ação.

Biografia do Autor

Verônica Xavier Luna, Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará
Professora do curso de História na Universidade Federal do Amapá. Doutora em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará – UFC.
Antonio George Lopes Paulino
Professor Adjunto IV da área de Antropologia no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará – UFC. Membro do Programa de Pós-Graduação em Sociologia – PPGS/UFC. Coordenador do Laboratório de Antropologia e Imagem – LAI/UFC

Referências

AUGÉ, Marc. Por uma antropologia da mobilidade. Maceió: EDUFAL: UNESP, 2010.

BACHELARD, Gastón. A Dialética da duração. São Paulo: Ática, 1988.

BARBOSA, Coaracy Sobreira. Personagens Ilustres do Amapá. Amapá: Departamento de Imprensa Oficial. V. I, 1997.

_________. Personagens Ilustres do Amapá. Amapá: Departamento de Imprensa Oficial. V. II, 1998.

BECKER, Olga Maria Schild. “Mobilidade Espacial da População: conceitos, tipologia, contextos”. In: CASTRO, Iná Elias de; CORRÊA, Roberto Lobato; GOMES, Paulo César (Orgs.). Explorações Geográficas: percursos no fim do século. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997. Pp. 319-367.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas I. Magia e técnica – Arte e política. 10ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1996.

BERGSON, Henri. Matéria e memória. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

BOLSA de estudo. A Voz Católica, 12 de novembro de 1961. Ano III, nº 107, p. 3.

BOSI, Eclea. Memória e Sociedade: lembranças de velhos. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil S.A, 1994.

_________. “A Ilusão Biográfica”. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína (orgs.). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: FGV, 1996. Pp. 183-192.

BRITO, Fausto. As migrações internas no Brasil: um ensaio sobre os desafios teóricos recentes. Belo Horizonte: CEDEPLAR/FACE/UFMG, 2009.

CERTEAU, Michel de. A Invenção do cotidiano. Vol. 1: Artes de fazer. 19ª ed. [Tradução de Ephraim Ferreira Alves]. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

CERTEAU, Michel de; GIARD, Luce; MAYOL, Pierre. A Invenção do cotidiano. Vol. 2: Morar, cozinhar. 5ª ed. [Tradução de Ephraim F. Alves e Lúcia Endlich Orth]. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

DURAND, Gilbert. As Estruturas antropológicas do imaginário. Lisboa: Presença, 1980.

_________. A Imaginação simbólica. São Paulo: Cultrix, 1988.

DURHAM, Eunice. A caminho da cidade. São Paulo: Editora Perspectiva, 1984.

FAORO, Raimundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. Porto Alegre: Globo Editora, 1958.

FORTUNA, Carlos. “Cidade e Urbanidade”. In: FORTUNA, Carlos; LEITE, Rogério Proença. Plural de cidade: novos léxicos urbanos. Coimbra: Ed. Almedina, 2009. Pp. 83-97.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

GIRARDET, R. Mitos e mitologias políticas. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Edições Vértice, 1990.

HARVEY, D. A condição pós-moderna. São Paulo, Loyola, 1992.

KOFES, Suely. “Narrativas biográficas: que tipo de antropologia isso pode ser”. In: KOFES, Suely; MANICA, Daniela (Orgs.). Vidas e grafias: narrativas antropológicas, entre biografia e etnografia. Rio de Janeiro: Lamparina & FAPERJ, 2015. Pp. 20-39.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. Rio de Janeiro: Edição Revista Forense, 1948.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Ed. Unicamp, 1990.

LEITE, Rogério Proença. Contra-usos da cidade: lugares e espaço público na experiência urbana contemporânea. Campinas: Editora da UNICAMP, 2002a.

_________. “Contra-usos e espaço público: notas sobre a construção social dos lugares na manguetown”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 49, junho de 2002b.

LOUREIRO. Violeta Refkalefsky. Amazônia: uma história de perdas e danos, um futuro a (re) construir. Estudos Avançados 16 (45), 2002.

LUNA, Verônica Xavier. Um cais que abriga histórias de vida: homens e máquinas construindo o social na cidade de Macapá (1943-1970). Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Ceará, 2017.

MARTINS, Benedito Rostan Costa. Marabaixo, ladrão, gengibirra e rádio: traduções de linguagens e o rádio regional. Tese (Doutorado em Comunicação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012.

MATTOS NETO, Cel. Bernardino C. de Bandeirantismo da Amazônia. In: Janary Gentil Nunes. Confiança no Amapá: Impressões sobre o Território. Brasília. 2. ed. Editora do Senado Federal, 2012.

MIRANDA, Antônio (Padre). Padre Júlio Maria: sua história e sua missão. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1957.

MONT’ALVERNE. Aracy. Luzes da Madrugada. Macapá: Secretaria de Educação e Cultura do Território Federal do Amapá – Departamento de Ação complementar, 1986.

NODA, Sandra do N. et alii. “Utilização e Apropriação das Terras por Agricultura Familiar Amazonense de Várzeas”. In: DIEGUES, Antonio Carlos; e MOREIRA, André de C. Espaços e recursos naturais de uso comum. São Paulo: NUPAUB/USP, 2001.

NUNES, Janary Gentil. Relatório das Atividades do Governo do Território Federal do Amapá, em 1944. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1946.

_________. Confiança no Amapá: impressões sobre o Território. 2ª. ed. Brasília: Editora do Senado Federal, 2012.

PALMEIRA, Moacir & HEREDIA, Beatriz. “Os Comícios e as políticas de facções”. In: Anuário Antropológico, n. 94. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

POLLAK, Michael. “Memória, Esquecimento, Silêncio”. Estudos Históricos. 3, Memória, v. 2, n. 3, 1989, pp. 3-15.

ROCHA, Ana Luiza Carvalho da; ECKERT, Cornelia. Etnografia da duração: antropologia das memórias coletivas em coleções etnográficas. Porto Alegre: Marcavisual, 2013.

SMITH, Neil. “A Gentrificação Generalizada”. In: BIDOU-ZACHARIASEN, Catherine (Org.). De volta à cidade: dos processos de gentrificação às políticas de “revitalização” dos centros urbanos. São Paulo: Annablume, 1996.

WIRTH, Louis. O urbanismo como modo de vida. In: VELHO, Otávio G. (Org.). O Fenômeno Urbano. 4ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

Publicado
2018-02-28