Menos é mais

os Waldorfs downshifters

Palavras-chave: downshifting, Pedagogia Waldorf, contracultura

Resumo

Este estudo se debruça sobre os downshifters -  indivíduos que fazem a opção por desacelerar seus ritmos de vida, buscando equilíbrio entre trabalho e lazer e estilos de vida mais frugais de forma a minimizar os efeitos das sociedades industriais capitalistas urbanas. Explora um tipo particular de comportamento em um estrato social específico - um grupo social formado por famílias que têm filhos em uma escola Waldorf, em Florianópolis, Brasil. Foi possível perceber que os aspectos formadores de movimento altera não só indivíduos, mas também as famílias inseridas no espaço educacional que se apresenta como resistência ao sistema educacional tradicional. Os Waldorf assumem premissas do downshifting. Sob a ótica da contracultura, formam um grupo coeso de classe média que tende a restringir sua rede social àqueles que compartilham o mesmo estilo de vida; suas ações cooperativas fomentam sentimentos de pertencimento e solidariedade que ajudam a legitimar estilos de vida alternativos em uma sociedade consumista.

Biografia do Autor

Elaine Azevedo, Universidade Federal do Espírito Santo

Depto de Ciências Sociais

Centro de Ciêncas Humanas e Naturais

Universidade Federal do Espírito Santo 

 

Referências

ADELMAN, Miriam. O reencantamento do político: interpretações da contracultura. Rev. Sociologia Política, v.16, p. 143-147, 2001.

ARCE CORTES, Tania. Subcultura, contracultura, tribus urbanas y culturas juveniles: ¿homogenización o diferenciación?. Rev. argent. sociol., v. 6, n. 11, p. 257-271, 2008.

AZEVEDO, Elaine de; COELHO, Daniel. Downshifting/ Desacelerando. Estudos de Sociologia (UFPE), v.1, n.23, p. 169-206, 2017.

BASTOS, Remo Moreira Brito. O surpreendente êxito do sistema educacional finlandês em um cenário global de educação mercantilizada Revista Brasileira de Educação, v. 22 n. 70, p. 802-825, 2017.

BECK, Ulrich. A reinvenção da política: rumo a uma teoria da modernização reflexiva.In: BECK, Ulrich; GIDDENS, Anthony; LASH, Scott (Orgs.). Modernização reflexiva. São Paulo, Editora Unesp, 1997. pp. 11-68,

BERMAN, Morris (2001). The Twilight of American Culture. New York, London: Norton & Company.

CARLGREN, Frans; KLINGBORG, Arne. Educação para a liberdade: a pedagogia de Rudolf Steiner. São Paulo: Escola Waldorf Rudolf Steiner, 2006.

CARVALHO, Alonso Bezerra. A sociologia weberiana da Educação. In: CARVALHO, Alonso Bezerra; SILVA, Wilton Carlos da. (Orgs.) Sociologia e educação: leituras e interpretações. São Paulo: Avercamp, 2006. pp. 24-56.

CASTELLS, Manuel. O Poder da Identidade. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2008.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs.São Paulo, Editora 34, 1996.

ECNP. European College of Neuropsychopharmacology. Internet addiction may indicate other mental health problems in college-aged students. ScienceDaily., 2016. Disponível em:

<https://www.sciencedaily.com/releases/2016/09/160918180002.htm> Acesso em: 31 Out. 2017.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2002.

GOHN, Maria da Glória. Sociologia da Educação: campo de conhecimento e novas temáticas. Educação & Linguagem, v. 15, n. 26, p. 95-117, 2012.

HAY, Byung-Chul. Sociedade do Cansaço. São Paulo: Editora Vozes, 2015.

HANORÉ, Carl . Devagar. Rio de Janeiro: Record, 2011.

HOLT, Maurice. t's Time to Start the Slow School Movement. Phi Delta Kappan vol. 84 n. 4, 264-271, 2002.

JAY, Francine. Menos é mais : um guia minimalista para organizar e simplificar sua vida. São Paulo: Fontanar, 2016.

LANZ, Rudolf. A Pedagogia Waldorf. São Paulo: Editora Antroposófica, 1990.

LE BRETON , David. Do Silêncio. Lisboa: Piaget, 2017.

MOTTA, Vânia Cardoso da; FRIGOTTO, Gaudêncio. Por Que a urgência da reforma do Ensino Médio? Medida Provisória Nº 746/2016 (Lei Nº 13.415/2017). Educ. Soc., v. 38, n. 139, p. 355- 372, 2017.

MOUFFE, Chantal. Democracia, cidadania e a questão do pluralismo. Política e Sociedade. 2003. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/viewFile/2015/1763 Acesso em: 9 Mar 2018.

NELSON, Michelle R.; RADEMACHER, Mark A.; PAEK, Hye-Jin. Downshifting Consumer = Upshifting Citizen? An Examination of a Local Freecycle Community . Annals of the American Academy of Political and Social Science.The Politics of Consumption/The Consumption of Politics, v. 611, pp. 141-156, 2007..

OPPENHEIMER, Todd. Schooling the imagination, The Atlantic Magazine. 1999. Disponível em: http://www.theatlantic.com/magazine/archive/1999/09/schooling-imagination/309180/ Acesso em: 6 Dez 2015.

PAYNE, Philip G.; WATTCHOW, Brian. Phenomenological Deconstruction, Slow Pedagogy, and the Corporeal Turn in Wild Environmental/Outdoor Education. Canadian Journal of Environmental Education, v.14, p. 14-32, 2009.

PINTO, Juliana Sardinha (2009). A Escolha de Escolas Waldorf por Famílias das Camadas Médias. Dissertação (Mestrado). Belo Horizonte, Faculdade de Educação Universidade Federal de Minas Gerais.

RAY, Paul H.; ANDERSON Sherry Ruth. The Cultural Creatives. New York, Harmony, 2000.

RIBEIRO, José Carlos; LEITE, Luciana; SOUZA, Samile. Notas sobre aspectos sociais presentes no uso das tecnologias comunicacionais móveis. In: NASCIMENTO, Antonio Dias; HETKOWSKI, Tânia M (orgs). Educação e contemporaneidade: pesquisas científicas e tecnológicas. Salvador: EDUFBA, 2009.pp. 187-201.

SILVA, Dulciene Anjos de Andrade. Educação e ludicidade: um diálogo com a Pedagogia Waldorf. Educ. rev., n. 56, p. 101-113, 2015.

STEPHENS, Julie. Anti-Disciplinary Protest: Sixties Radicalism and Postmodernism. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

Publicado
2020-07-09