A pesquisa como dádiva: inspirações cearenses

  • José Machado Pais Universidade de Lisboa
Palavras-chave: Trânsitos Culturais, Cultura Popular, Criatividade, Artesanato Intelectual, Redes de Pesquisa

Resumo

Experiências de ensino e pesquisa, no domínio das ciências sociais, são convocadas para um balanço de  intercâmbio interuniversitário luso-brasileiro, no transcurso de cerca de duas décadas. A pesquisa como dádiva, baseada em estratégias colaborativas de reciprocidade, surge como corolário desse intercâmbio. O autor do artigo aponta como exemplos de dádiva as aprendizagens resultantes de teses que acompanhou, de projetos que realizou e da criatividade que encontrou entre artesãos, cordelistas e repentistas cearenses, fonte de inspiração de  algumas de suas pesquisas de pendor artesanal. Na conclusão entreabrem-se horizontes para uma mais vasta  problematização sociológica dos trânsitos culturais.

Biografia do Autor

José Machado Pais, Universidade de Lisboa
Graduado em Economia e doutorado em Sociologia pelo Instituto Universitário de Lisboa. Investigador Coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e diretor da Imprensa de Ciências Sociais, foi Professor Visitante em universidades europeias e sul-americanas, Professor Catedrático do Instituto Universitário de Lisboa e  Vice-Presidente do Youth Directorate of the Council of Europe.

Referências

ALEMÃO, Freire. Manuscritos. In: Os manuscritos do Botânico Freire Alemão. Rio de Janeiro: Anais da Biblioteca Nacional, vol. 81, Divisão de Publicações e Divulgação, 1964. Disponível em: memoria.bn.br. Acesso em 16 agosto 2018.

ALENCAR, José de. O Guarani. Coimbra: Almedina, 1994 [1857].

ALMEIDA, Manuel António de. Memórias de um Sargento de Milícias. São Paulo: Ática, 1990 [1854].

BARREIRA, César. Banditismo e práticas culturais: a construção de uma justiça popular, Revista de Ciências Sociais, Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, volume 41, número 2, 2010, p. 73-82, 2010. Disponível em: Disponível em: www.periodicos.ufc.br. Acesso em 17 agosto 2018.

BARREIRA Irlys. A Cidade Como Narrativa. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2013.

BARREIRA, Irlys Alencar F. Trocas culturais e intercâmbios de pesquisa: um fado acadêmico tropical, Revista de Ciências Sociais, Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, volume 41, número 2, 2010, p. 5-8. Disponível em: www.periodicos.ufc.br. Acesso em 16 agosto 2018.

BARREIRA, Irlys e César Barreira (Org.). A Juventude e suas Expressões Culturais. Fortaleza: Edições UFC, 2009.

BEZERRA, Roselane, O Bairro da Praia de Iracema entre o “Adeus” e a “Boemia”: usos e abusos num espaço urbano. Fortaleza: Expressão Gráfica Editora, 2009.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Sacerdotes de Viola. Petrópolis: Vozes, 1981.

CARVALHO, Gilmar de. Memórias da Xilogravura. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2010.

CASCUDO, Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. São Paulo: Ediouro, 1999 [1954].

CORDEIRO, Paula. Entre Chegadas e Partidas: Dinâmicas das Romarias em Juazeiro do Norte. Fortaleza: IMEPH, 2011a.

CORDEIRO, Domingos Sávio. Narradores do Padre Cícero: muito mais a contar. Fortaleza: Expressão, 2011b.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala. Rio de Janeiro: Record, 1995 [1933].

GIBBON, Edward. The History of the Decline and Fall of the Roman Empire. In BURY, J.B. (Ed.), com uma Introdução de LECKY, W. E. H. (Nova Iorque: Fred de Fau and Co., 1906), em 12 volumes. Disponível em: oll.libertyfund.org. Acesso em 16 agosto 2018.

HERTZ, Robert. La prééminence de la main droit. In Sociologie religieuse et folklore. Paris: PUF, 1970 [1909].

MARTINS, José de Souza. Fronteira: A Degradação do Outro nos Confins do Humano. São Paulo: Editora HUCITEC, 1997.

MAXADO, Franklin. O que é cordel na Literatura Popular. Rio Grande do Norte: Queima Bucha, 2012.

NETO, Lira. Padre Cícero. Poder, Fé e Guerra no Sertão. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

PAIS, José Machado. Fados do fado: enredos, cronotopos e trânsitos culturais, Etnográfica, vol. 22 (1) | 2018, 219-235. Disponível em: journals.openedition.org. Acesso em 16 agosto 2018.

PAIS, José Machado. A Simbologia dos Apelidos na Vida Cotidiana Escolar, Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 43, n. 3, p. 909-928, jul./set. 2018. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em 16 agosto 2018.

PAIS, José Machado. Das nomeações às representações: os palavrões numa interpretação inspirada por H. Lefebvre, Etnográfica, vol. 19 (2), 2015,p. 267-289. Disponível em: etnografica.revues.org. Acesso em 16 agosto 2018.

PAIS, José Machado. Enredos Sexuais, tradição e mudança: as mães, os zecas e as sedutoras de além-mar. Lisboa: ICS. Imprensa de Ciências Sociais, 2016.

PAIS, José Machado. As tramas da criatividade na produção artesanal da sociologia. In BLASS, Leila Maria da Silva (organizadora), Imaterial e Construção dos Saberes. São Paulo: EDUC, 2014, p. 45-66.

PAIS, José Machado. O cotidiano e a prática artesanal de pesquisa, Revista Brasileira de Sociologia, Sociedade Brasileira de Sociologia, v. 1, n. 1, Janeiro-Julho de 2013, p. 107-128. Disponível em: www.sbsociologia.com.br. Acesso em 16 agosto 2018.

PAIS, José Machado. O Fado dançado do Brasil: trânsitos culturais, Pensar a Prática, Goiânia, v. 15, n1 Janeiro/Março de 2012, p. 6- 21. Disponível em: www.revistas.ufg.br. Acesso em 16 agosto 2018.

PAIS, José Machado. Desejadas e amaldicionadas: o extermínio das ‘meninas’. In BARREIRA, César, SÁ, Leonardo e AQUINO, Jânia Perla de (Orgs.), Violência e Dilemas Civilizatórios: as Práticas de Punição e Extermínio. Campinas: Pontes Editores, 2011, pp-13-30.

PAIS, José Machado. Mães de Bragança e feitiços: enredos luso-brasileiros em torno da sexualidade", Revista de Ciências Sociais, Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, volume 41, número 2, 2010, p. 9-23. Disponível em: www.periodicos.ufc.br. Acesso em 16 agosto 2018.

PAIS, José Machado. Artes de musicar e de improvisar na cultura popular, Cadernos de Pesquisa, volume 39, nº 138, Setembro/Dezembro de 2009, p. 747-773. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em 16 agosto 2018.

PAIS, José Machado, BRITO, Joaquim Pais e CARVALHO, Mário Vieira de, (Coord.). Sonoridades Luso-Afro-Brasileiras. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2004.

PINTO, Manoel de Sousa. O Lundum Avô do Fado, Ilustração, Novembro de 1931.

PORDÉUS JR., Ismael. Portugal em Transe Transnacionalização das religiões afro-brasileiras: conversão e performances. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2009.

RIBEIRO, Mário de Sampayo. As “Guitarras de Alcácer” e a “Guitarra Portuguesa”. Achegas para a História da Música em Portugal, volume 4. Lisboa: Bertrand, 1936.

SARAIVA, Arnaldo. Literatura Marginalizada. Novos Ensaios. Lisboa, Editorial Presença, 1980.

SILVA, Isabel Corrêa da et al (coord.). Ciências Sociais Cruzadas entre Portugal e o Brasil. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2015.

WEFFORT, Francisco Correa. Nordestinos em São Paulo. São Paulo: Cortez, 1988.

Publicado
2019-03-01
Seção
50 Anos das Ciências Sociais na UFC