O Engajamento militante enquanto prática social

ciclos de adesão, comprometimento e deserção

Resumo

O presente trabalho insere-se no campo de estudos sobre movimentos sociais e a sociologia da militância. O objetivo do texto se resume num esforço em analisar sociologicamente os motivos diversos que podem levar a desmobilização política, a frustração e ao desengajamento militante. O material empírico que serve de base para as conclusões e/ou indicações apresentadas são parte de um trabalho anterior, que se dedicou a análise da constituição e atuação política de um movimento que ficou conhecido, no sul do país, como Movimento Pró-Universidade Federal. Tal movimento é fruto de processos histórico-político-sociais mais amplos; nasce em torno de “oportunidades políticas”; orienta-se através de pautas comuns a uma série de movimentos sociais rurais geograficamente gestados na Mesorregião da Grande Fronteira Sul; e desmobiliza-se, devido a uma série de fatores que serão abordados nesse trabalho.

 

Biografia do Autor

Daniel Gutierrez, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Integra o Núcleo de Pesquisa em Movimentos Sociais (NPMS) e o Metrópolis - Laboratório de Pesquisa Social. Mantém interesse na área de Sociologia Política, com ênfase em estudos sobre Movimentos Sociais, Elites e Grupos Dirigentes, Militância e Processos de Politização.

Referências

AUTOR (A), 2017.

BECKER, H. Notes on the concept of commitment. American Journal of Sociology. Vol. 66, 1960, p. 32-40.

__________. Outsiders. Glencoe, IL: Free Press, 1966.

CORADINI, O. L. Recursos de Origem, Investimentos e Expectativas de Retribuição na Militância no MST. Espacio Abierto, Vol. 19, n. 3, 2010.

FILLIEULE, O. Some elements of an interactionist approach to political disengagement. Social movement studies, v. 9, n. 1, p. 1-15, 2010.

__________. Le Désengagement militant. Paris: Belin, 2005.

GAXIE, D. Rétributions du militantisme et paradoxes de l‘action collective. Swiss Political Science Review. Vol. 11, nº 1, 2005, p. 157-188.

GERTH, H.; WRIGHT MILLS, C. Character and Social Structure: The Psychology of Social Institutions. London: Routledge & Kegan Paul, 1954.

GOTTRAUX, P. Socialisme ou barbarie. Un engagement politique et intellectuel dans la France de l’après-guerre. Lausanne: Payot, 2002.

HUGHES, E. C. Men and their Work. Glencoe, IL: Free Press, 1958.

LAHIRE, B. O Homem Plural: os determinantes da ação. Petrópolis: Vozes, 2002.

LEFEBVRE, R. & SAWICKI, F. La Société des socialistes: le PS aujourd’hui. Bellecombe-en-Bauges: Editions du Croquant, 2006.

McADAM, D. Gender as a mediator of the activist experience: the case of Freedom Summer. American Journal of Sociology. Vol. 97, 1992, p. 1211–1240.

McPHERSON, J. M. A dynamic model of voluntary affiliation. Social Forces, Vol. 59, 1981, p. 705–728.

__________. An ecology of affiliation. American Sociological Review, Vol. 48, 1983, p. 519–532.

McPHERSON, J. M., POPIELARZ, P. & DROBNIC, S. Social networks and organizational dynamics. American Sociological Review. Vol. 57, 1992, p. 153–170.

MEAD, G. H. Mind, Self and Society from the Standpoint of a Social Behaviorist. Chicago: University of Chicago Press, 1934.

POLLETTA, F. Freedom is an Endless Meeting: Democracy in American Social Movements. Chicago and London: University of Chicago Press, 2002.

TAYLOR, V. Social movement continuity: the women’s movement in abeyance. American Sociological Review, vol. 54, p. 761–775, 1989.

TILLY, C. From mobilization to revolution. Newberry Award Records, 1978.

__________. Contentious repertoires in Great Britain, 1758-1834. Social Science History, nº 17, 1993.

Publicado
2019-08-12