Mundo em desencanto em tempos de guerra civil

uma leitura de Antes de Nascer o Mundo, de Mia Couto

Palavras-chave: Antes de Nascer o Mundo, Guerra civil, Trauma

Resumo

A presente investigação visa empreender uma leitura do romance Antes de Nascer o Mundo (2009), do moçambicano Mia Couto, considerando alguns eixos norteadores das representações feitas pelo autor. Assim, por se tratar de uma narrativa que está centrada na vida de personagens que estão escondidos no interior da savana africana a fim de fugir das agruras da guerra, a análise que ora propomos pretende considerar de que maneira a narrativa intenta elaborar e superar determinados traumas causados pela guerra civil moçambicana do pós-independência. Para tanto, serão utilizados como escopo teórico autores como Nazir Can (2020), Elena Brugioni (2019, 2012) e Jane Tutikian (2006) para compreender os mecanismos utilizados pelo autor na intenção de retratar traumas de guerra, esfacelamentos familiares e a própria linguagem elaborada por Couto na representação de uma Moçambique tomada de assalto por conflitos internos.  

Biografia do Autor

Claudia Letícia Moraes, UFMA/UnB

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura e Práticas Sociais da Universidade de Brasília (bolsista pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Maranhão - FAPEMA). Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade da Universidade Federal do Maranhão. Graduada em Letras - Licenciatura pela Universidade Federal do Maranhão. Professora Assistente da Universidade Federal do Maranhão, Campus São Bernardo - Licenciatura Interdisciplinar em Linguagens e Códigos, atuando na área de Língua Portuguesa com ênfase em estudos discursivos e literaturas de língua portuguesa.

Referências

APPIAH, Kwame Anthony. Na casa de meu pai: a África na filosofia da cultura. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2007.

BRUGIONI, Elena. Literaturas africanas comparadas: paradigmas críticos e representações em contraponto. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2019.

__________. Mia Couto: representações, história(s) e pós-colonialidade. Minho: Ediação Humus, 2012.

CABAÇO, José Luís de Oliveira. Moçambique: identidade, colonialismo e libertação. Tese de Doutorado. São Paulo: USP, 2007.

CAN, Nazir Ahmed. O campo literário moçambicano: tradução do espaço e formas de insílio. São Paulo: Kapulana, 2020.

COUTO, Mia. Antes de nascer o mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

HAMILTON, Russel G. A literatura dos PALOP e a teoria pós-colonial. Via Atlântica. (3): 12-22, 1999.

LARANJEIRA, José Pires. Mia Couto e as literaturas africanas de língua portuguesa. Revista de Filologia Românica. 185-205, 2001.

MBEMBE, Achille. Políticas da inimizade. Trad. Marta Lança. Lisboa: Antígona, 2017.
PEREIRA, Claudiany da Costa. Moçambicanidade em processo ou Estar desiludido não é desistir (Um estudo sobre a trajetória literária de Mia Couto). Letras de Hoje. 43 (4): 11-17, 2008.

SAID, Edward. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SELIGMANN-SILVA, Marcio. Literatura e trauma. Pro-Posições, v. 13, n. 3 (39) – set/dez. 2002.

SEXTON, Jared (2016). “Afro-Pessimism: The Unclear Word” in Rhizomes: Cultural Studies in Emerging Knowledge. No. 29, Ed. 2. Disponível em: https://doi.org/10.20415/rhiz/029.e02. (Acesso: 14.10.2020).

TUTIKIAN, Jane. Questões de identidade: a África de língua portuguesa. Letras de Hoje. 41 (3): 37-46, 2006.
Publicado
2021-01-31
Seção
Dossiê Memórias de Guerra