POESIA, PAISAGEM E SENSAÇÃO / Poetry, landscape and sensation

  • Michel Collot
  • Fernanda Coutinho

Resumo

O presente artigo reflete teoricamente acerca da paisagem, questão que se tornou um consideráveldesafio no campo das ciências humanas e das práticas sociais contemporâneas, bem como para aarte e para a poesia modernas. Trata-se de uma noção que se situa, histórica e estruturalmente,entre um pensamento simbólico do Lugar, que dominou a Antiguidade clássica e a Idade Média,e um conhecimento científico do espaço que se desenvolve até aos Tempos modernos. A partir doRomantismo, notadamente a poesia lírica transformou a paisagem em um lugar de expressão dasensibilidade. Em contrapartida, a arte e a literatura no século XX tenderam a se desviar da representaçãodo mundo exterior para explorar os recursos próprios a seus meios de expressão. Comotal, a paisagem parece ter perdido o seu lugar na cena estética, o que não é exato, uma vez quecontinua a inspirar muitos artistas e escritores. Controversa por natureza, a ideia de paisagem abre--se a inúmeras indagações, tais como os conceitos de sensação e percepção, colhidos em PaulValéry, os quais são trazidos a esse texto, como uma proposta de fruição da poesia entendida comoum lugar de reativação das sensações e dos afetos. Palavras-chave: Paisagem, Sensação, Percepção, Poesia, Arte.

Biografia do Autor

Fernanda Coutinho
Traduzido por Fernanda Coutinho, professora de Teoria da Literatura e Literatura Comparada do Curso de Letras da Universidade Federal do Ceará. Doutora em Teoria da Literatura (UFPE, 2004), pós-doutora em Literatura Comparada – UFMG/Université de la Sorbonne – Paris IV, 2010.
Como Citar
COLLOT, M.; COUTINHO, F. POESIA, PAISAGEM E SENSAÇÃO / Poetry, landscape and sensation. Revista de Letras, v. 1, n. 34, 11.