COMPORTAMENTO DA NASAL PALATAL /ɲ/: ANÁLISE VARIACIONISTA

  • Dermeval da Hora
  • Larissa Moraes Pedrosa

Resumo

A posição de ataque silábico, em geral, é preenchida por poucas consoantes que estão sujeitas a processos de variação. Dessas consoantes, destacam-se as oclusivas dentais /t,d/ e as soantes palatais /ɲ, ʎ/. Este texto trata da nasal palatal. O objetivo principal é discutir o comportamento desse segmento na comunidade de João Pessoa – PB - Brasil, considerando restrições sociais e estruturais. Como objetivos específicos são delineados: (a) identificar quais as condições estruturais e sociais que podem condicionar a variação da nasal palatal /ɲ/; (b) identificar qual a preferência do falante em relação às variantes, se o apagamento ou manutenção da nasal palatal; (c) identificar o estágio em que se encontra o processo de variação que envolve esse segmento, se variação estável ou indício de mudança linguística em progresso. Os dados trabalhados foram retirados do Projeto Variação Linguística no Estado da Paraíba – VALPB (1993), de onde foram selecionados 34 falantes, estratificados de acordo com o sexo, a faixa etária e os anos de escolarização. Ao lado das restrições sociais, foram controladas restrições estruturais. O tratamento estatístico foi realizado com a utilização do Programa Goldvarb X que selecionou como relevantes para o apagamento da nasal palatal as restrições estruturais (contexto fonológico precedente, contexto fonológico seguinte, número de sílabas, tonicidade, categoria gramatical) e as restrições sociais (sexo, faixa etária e anos de escolarização).

Palavras-chave: Nasal palatal. Variação linguística. Projeto VALPB. Restrições linguísticas. Restrições sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-07-17
Como Citar
HORA, D. DA; PEDROSA, L. M. COMPORTAMENTO DA NASAL PALATAL /ɲ/: ANÁLISE VARIACIONISTA. Revista de Letras, v. 1, n. 40, 17 jul. 2021.