NYCHTHEMERAL VARIATIONS OF TINTINNINA (CILIATA : OLIGOTRICHIDA) NEAR THE ROCAS ATOLL (SOUTH ATLANTIC) AND RELATIONSHIPS WITH OTHER MICROZOOPLANKTONIC COMPONENTS

  • Eliane Maria de Souza Nogueira Universidade do Estado da Bahia
  • Roberto Sassi Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: microzooplâncton, Tintinnina, variação nictemeral.

Resumo

Informações disponíveis sobre o microplâncton em águas oceânicas do Atlântico Sul são ainda muito escassas. Os tintinídeos e outros organismos microzooplanctônicos foram obtidos nas águas da superfície oceânica em uma estação fixa nas imediações do Atol das Rocas (nordeste do Brasil) em diferentes períodos do dia, de 14 a 16 de março de 1999. Os tintinídeos dominaram e foram representados por 42 espécies. A maior diversidade e abundância de microzooplâncton foram encontradas em amostras diurnas, embora grandes flutuações fossem observadas regularmente. A maior diversidade e abundância foram observadas durante o dia às 06:00 e 14:00, e durante à noite, às 19:00 e 21:30. As espécies mais freqüentes e abundantes foram Rhabdonellopsis apophysata (Cleve) Kofoid & Campbell, 1929, Rhabdonella amor (Cleve 1900) Brandt, 1907 , R. elegans Jörgensen, 1924, Undella claparedei (Entz, Sr., 1885) Daday, 1887, Epiplocylis undella (Ostenfeld & Schmidt 1901) Jörgensen, 1924 , e s Kofoid & Campbell, 1929. Copépodes e larvas de Crustáceos foram muito abundante durante o dia, especialmente às 07:00 e 14:00. Os foraminíferos foram abundantes apenas às 06:00, 09:00, 10:00 e 14:00. Outros grupos do microzooplâncton foram observados ocasionalmente. Migração vertical, distribuição desigual, e os efeitos insulares são as principais hipóteses sugeridas para explicar os padrões observados.
Publicado
2011-05-01
Seção
Artigos originais