COMUNIDADE BENTÔNICA DE LAGUNAS COSTEIRAS IMPACTADAS DE RECIFE E OLINDA, PERNAMBUCO - POSSÍVEL GRUPAMENTO BIOLÓGICO BIOINDICADOR DE POLUIÇÃO ORGÂNICA

  • Cristiane Maria Rocha Farrapeira Universidade Federal Rural de Pernambuco- UFRPE – Deptº de Biologia-Recife-PE, 52-171-900
  • Arthur Vinicius de Oliveira Marrocos de Melo Biólogo; Escola Técnica Regional - Recife-PE
  • Deusinete de Oliveira Tenório Universidade Federal de Pernambuco- UFPE – Deptº de Oceanografia- Bentos - Recife-PE
Palavras-chave: ambiente estuarino-lagunar, manguezal, macrofauna bentônica, bioindicador, poluição orgânica

Resumo

A Lagoa do Araçá (Recife) e o Manguezal Chico Science (Olinda), são ambientes estuarino-lacunares localizados em Pernambuco, que recebem dejetos orgânicos e inorgânicos de origem urbana. Partindo da hipótese de que apresentam diversidade biológica reduzida, objetivou-se realizar um inventário da vegetação e fauna epibentônica da zona entremarés, para avaliar de que maneira as alterações ambientais afetaram a composição da comunidade biológica. Foram feitas quatro amostragens em cada laguna em 2005, buscando relacionar as espécies com suas preferências ecológicas em termos de substratos e alturas de marés. Ambos locais apresentaram hidrodinamismo defi citário difi cultado pela natureza e formatação dos canais artifi ciais de condução das marés, um aporte considerável de águas poluídas por esgotos domésticos e baixos índices de oxigênio dissolvido na água. A fauna diferiu muito pouco entre si sendo constituída por moluscos (Littoraria angulifera, Melampus coffeus, Neritina virginea, Mytilopsis leucophaeta) e crustáceos (Ucides cordatus, Aratus pisonii, Goniopsis cruentata, Sersarma rectum e Amphibalanus amphitrite). No Manguezal Chico Science, composto por Avicennia schaueriana, Rhizophora mangle e Laguncularia racemosa (predominante), foram encontrados também Ligia exotica e Uca thayeri. Na Lagoa do Araçá, com bosque monoespecífi co de L. racemosa, estas espécies animais foram substituídas por Uca burgesi e U. rapax. Considerando que a macrofauna bentônica deste local compreendeu espécies de distribuição pantropical, eurihalinas e bastante resistentes às ações ambientais e antrópicas, sugere-se que o grupamento faunístico comum às lagunas seja bioindicador de poluição orgânica por esgoto, quando somente estas espécies ocorrerem no ambiente estuarino.
Publicado
2009-12-01
Seção
Artigos originais