TEORIA CRÍTICA E OS (DES)CAMINHOS DA TECNOCIÊNCIA: REFLEXÕES MARCUSEANAS

  • Maria de Fátima Vieira Severiano
  • Pablo Severiano Benevides
  • Valdemir Pereira de Queiroz Neto
Palavras-chave: Teoria Crítica, Progresso, Produções Científicas, Tecnologia

Resumo

O presente artigo tem por objetivo discutir a problemática do progresso técnico favorecido pelas produções científicas a partir do referencial teórico da Escola de Frankfurt, especialmente as contribuições de Herbert Marcuse. Para tal propósito, os conceitos de Teoria Crítica, Progresso Técnico, Progresso Humanitário e Racionalidade Instrumental são discutidos, problematizando a relação entre ciência e a racionalidade privilegiada pelo mercado com relevantes impactos nas produções da ciência contemporânea. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa teórica, de natureza qualitativa e de inspiração crítica, em que nos valemos da proposta da teoria crítica, cuja abordagem micrológica concebe o particular como um valioso índice que remete ao todo. Em seu desenvolvimento, discutimos as atuais formas de produção científica, a partir das relações entre razão instrumental e tecnologia, explorando as noções de técnica e tecnologia e atualizando essa discussão com as questões relacionadas à onipresença dos aparatos tecnológicos. Concluímos que há significativo direcionamento das produções alinhadas à racionalidade instrumental que determina a eficiência, produtividade e lucratividade como valores centrais para a manutenção do sistema capitalista e impede o desenvolvimento de contribuições para a melhoria da sociedade, mantendo a injustiça e a desigualdade social.

Referências

ADORNO, Theodor. Mínima Moralia. São Paulo: Ática. 1992.
______. Educação após Auschwitz. In: ADORNO, T.W. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1995a. p. 119-138.
______. Progresso. In: ADORNO, T.W. Palavras e sinais: modelos críticos 2. Petrópolis: Vozes, 1995b. p. 37-61.
______. & HORKHEIMER. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos (1947). 2. Ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1991.
ALVES, Giovanni. Trabalho e Subjetividade: O Espírito Do Toyotismo na Era do Capitalismo Manipulatório. São Paulo: Boitempo, 2011.
BENJAMIN, Walter. Documentos de Cultura, documentos de barbárie. (Textos escolhidos). São Paulo: Cultrix, 1986.
_______, SCHÖTTKER, D., BUCK-MORSS, S., HANSEN, M., Benjamin e a obra de arte: técnica, imagem, percepção. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.
CRARY, Jonathan. 24/7. Capitalismo tardio e os fins do sono. São Paulo: Cosac Naify, 2014.
FREITAG, Barbara. Teoria Crítica Ontem e Hoje, São Paulo: Brasiliense, 1988.
HABERMAS, Jurgen. Técnica e Ciência como Ideologia. Lisboa: Edições 70, 1968.
HORKHEIMER, Max. Teoria Tradicional e Teoria Crítica. In: HORKHEIMER, Max e ADORNO, Theodor. Textos Escolhidos,. São Paulo: Abril Cultural, 1983, p. 31-68.
______. Eclipse da Razão. São Paulo: Centauro, 2007.
KLEIN, Etienne. Questionando a Ciência in NOVAES, Adauto (org.). Ensaios sobre o Medo. São Paulo: Editora Senac São Paulo/ Edições Sesc SP, 2007, p. 253-266.
LEOPOLDO E SILVA, Franklin. Descontrole do tempo histórico e banalização da experiência. Em NOVAES, Adauto (org.) Mutações. Rio de Janeiro: Ed. Agir, 2008a, p. 149-172.
LIMA, Aluisio Ferreira. Metamorfose, Anamorfose e Reconhecimento Perverso. São Paulo: FAPESP; EDUC, 2010.
MARCUSE, Herbert Ideologia da Sociedade Industrial. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.
______. Eros e Civilização: uma interpretação filosófica do pensamento de Freud. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.
______. Cultura e Sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 1998.
______. Algumas Implicações Sociais da Tecnologia Moderna. In: Tecnologia, Guerra e Fascismo. Trad. Maria Cristina V. Borba. São Paulo: Ed. UNESP, 1999, p.73-104.
______. A Noção de Progresso à Luz da Psicanálise. In:. Cultura e Psicanálise. São Paulo: Paz e Terra, 2001, p.99-122.
______. A Responsabilidade da Ciência in: scientiæ zudia, São Paulo, v. 7, n. 1, 2009, p. 159-64.
MATOS, Olgária. Discretas Esperanças. São Paulo: Editora Nova Alexandria, 2006.
NOVAES, Adauto. Entre dois Mundos in: NOVAES, A.. (org.) A Condição humana. Rio de Janeiro, Ed. Agir, 2009, p. 9- 37.
PISANI, Marília. Algumas considerações sobre ciência e política no pensamento de Herbert Marcuse. Scientiæ Zudia, São Paulo, v. 7, n. 1, 2009, p. 135-58.
ROUANET, Sérgio Paulo. As Razões do Iluminismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
______. Nós, civilizações, sabemos que somos mortais in. NOVAES, Adauto. A condição humana. Rio de Janeiro, Ed. Agir, 2009. p. 185-198.
SANTOS, Boaventura de Sousa..Crítica da Razão Indolente. 4ed. São Paulo: Cortez, 2002.
SFEZ, Lucien. A Saúde Perfeita: crítica de uma nova utopia. São Paulo: Loyola, 1996.
SOARES, Jorge. Repensando a Noção de Progresso Globalizado. Conferência III Semana Gilberto Freyre, Recife, 1997.
________. Em busca de uma “razão sensível” no reino da cultura de massa. In Logos: Comunicação e Universidade; Produção de Sentido na Contemporaneidade. Revista de Comunicação Social da UERJ, Ano 9. Nº. 17, 2002, p.33-44.
Publicado
2019-07-17
Seção
Dossiê O Pensamento de Herbert Marcuse