EROS ÀS AVESSAS: PANSEXUALISMO E DESSUBLIMAÇÃO REPRESSIVA

  • Rafael Cordeiro Silva
Palavras-chave: Marcuse, Eros, Dessublimação repressiva, Perversões, Pansexualismo

Resumo

O artigo pretende explanar o conceito de Eros como uma categoria social no pensamento de Herbert Marcuse. Nesse sentido, o erotismo tem um significado político para o autor, pois indica a possibilidade de libertação das formas sociais repressivas. Na primeira seção, faço um breve relato da relação de Marcuse com a psicanálise, anterior a seu contato mais intenso com Freud. Na segunda seção, mostro o caráter essencialmente político e social de Eros, através da reconstrução da teoria marcusiana da mudança social. Em seus escritos, Marcuse também menciona as formas pervertidas de manifestação de Eros, representadas pelo pansexualismo e pelo que ele denomina dessublimação repressiva. Nesse contexto, pretendo discutir o que essas 'perversões' significam. O pansexualismo é analisado em Eros e civilização e em outros escritos da década de 1950 e 1960. Pretendo discutir também se o conceito de pansexualismo se encaixaria ou não na perspectiva libertária que o filósofo quis significar com a politização de Eros. À dessublimação repressiva o filósofo dedica o terceiro capítulo de O homem unidimensional. Da mesma forma, o significado da dessublimação repressiva também será discutido na terceira seção do artigo. Na conclusão, mostro que Marcuse entende que o pansexualismo e a liberação sexual sem tabus não podem ser vistos como libertação política, são apenas formas pernósticas de manifestação de Eros.

Referências

FREUD, Sigmund. The Ego and the Id. Londres: Hogarth Press, 1950.
GEOGHEGAN, Vicent. Reason and Eros: The Social Theory of Herbert Marcuse. Londres: Pluto Press, 1981.
GHIRALDELLI JR, Paulo. Como a filosofia pode explicar o amor. São Paulo: Universo dos Livros, 2011.
HORKHEIMER, Max. A situação da filosofia social e as tarefas de um Instituto de Pesquisas Sociais. Praga: Estudos Marxistas, 7, 1999, p.121-132.
KELLNER, Douglas. Herbert Marcuse and the Crisis of Marxism. Berkeley/Los Angeles: University of California Press, 1984.
MARCUSE, Herbert. Algumas implicações sociais da tecnologia moderna. In: ______. Tecnologia, guerra e fascismo. Tradução de Maria Cristina V. Borba. São Paulo: Ed. UNESP, 1999, 71-104.
_________. Eros e civilização. 8. ed. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Guanabara & Koogan, 1981.
_________. O homem unidimensional. Tradução de Robespierre de Oliveira, Deborah Christina Antunes e Rafael Cordeiro Silva. São Paulo: Edipro, 2015.
_________. A noção de progresso à luz da psicanálise. In: _______. Cultura e psicanálise. Tradução de Wolfgang L. Maar, Robespierre de Oliveira e Isabel Loureiro. São Paulo: Paz e Terra, 2001, p.112-138.
_________. A obsolescência da psicanálise. In: _________. Cultura e sociedade. V. 2. Tradução de Wolfgang L. Maar, Isabel Loureiro e Robespierre de Oliveira. São Paulo: Paz e Terra, 1998, p.91-111.
_________. Para uma crítica do hedonismo. In: _________. Cultura e sociedade. Tradução de Isabel Maria Loureiro. São Paulo: Paz e Terra, 1997, v.1, p.161-199.
_________. Teoria das pulsões e liberdade. In: MARCUSE, Herbert; FROMM, Erich e MILLER, Karl. Marcuse polémico. Tradução de Fernando Midões. Lisboa: Presença, 1969, p.101-147.
MARX, Karl. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. Supervisão editorial de Mario Duayer; tradução de Mario Duayer e Nélio Schneider (com a colaboração de Helga Werner e Rudiger Hoffman). São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2011.
ROBINSON, Paul A. A esquerda freudiana: Wilhelm Reich, Gesa Roheim, Herbert Marcuse. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.
Publicado
2019-07-17
Seção
Dossiê O Pensamento de Herbert Marcuse