TÉCNICA, TECNOLOGIA E DILEMAS ÉTICOS

  • Marconi Pequeno
Palavras-chave: Técnica, Tecnologia, Dilemas éticos

Resumo

A técnica (téchnē) pensada pelos filósofos gregos antigos representava o fazer necessário baseado na aptidão e na destreza. Ela manifestava um tipo de virtude intelectual destinada à produção de algo essencial ao bem-estar dos cidadãos e útil ao desenvolvimento da pólis. Esse seu emprego foi desvirtuado a partir da modernidade, momento em que a técnica foi incorporada pela tecnologia até atingir seu paroxismo no mundo contemporâneo sob a forma de tecnocracia, domínio da natureza e controle das pessoas. Tal evento gerou inúmeros dilemas e encruzilhadas morais que animam hoje o debate sobre as possibilidades, o alcance e os limites da razão instrumental na vida dos indivíduos. Este artigo trata das transformações sofridas pela técnica, da sua incorporação por parte das tecnociências, dos seus avanços e conquistas, e, finalmente, dos desafios éticos suscitados por suas diversas aplicações em nosso contexto societário

Referências

ADORNO, Theodor W; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1985.
ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco, Brasília: Editora da UnB, 2001.
________. Política (Obras Completas) Buenos Aires: Aguillar, 1982.
ASSIS, Machado de. Quincas Borba, São Paulo: Ática, 1982.
BAUDRILLARD, Jean. La société de consommation. Paris: Gallimard, 1970.
BEAUCHAMP; Tom L; CHILDRESS, James F. Princípios de ética biomédica. São Paulo: Loyola, 2002.
BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. In: Obras escolhidas. Vol. 1. São Paulo: Brasiliense, 1987.
CALLAHAN, David. L’éthique biomédicale aujourd’hui. In: Éthique et biologie, Cahiers STS, Paris, p, 46 a 59, 1970.
FOUCAULT, Michel. Surveiller et punir. Paris: Éditions Gallimard, 1975.
FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.
GOETHE, Johann Wolfgang. Fausto. Rio de Janeiro: Editora Letras e Artes, 1964.
HABERMAS, Jürgen. Técnica e ciência enquanto ideologia. São Paulo: Abril Cultural, 1980.
HUME, David. Tratado na natureza humana, São Paulo: UNESP, 2001.
KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. Lisboa: Edições 70, 1980.
LADRIÈRE, Jean. Ética e pensamento científico. São Paulo: Editora Letras & Letras, 1984.
MARCUSE, Herbert. A ideologia da sociedade industrial: o homem unidimensional. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.
MOLIÈRE. Le malade imaginaire. Paris: Le Petits Classiques Larousse, 1973.
PLATÃO. A República. São Paulo: Editora Lafonte, 2017.
_______ . Eutidemo. Rio de Janeiro: Edições Loyola, 2011.
POST, S. G. (Ed.). Encyclopedia of bioethics. New York: Prentice Hall, 2004.
RABELAIS, François. Gargatua et Pantagruel. Paris: Editions du Rameau, 1950.
ROUANET, Sérgio Paulo. As razões do Iluminismo. São Paulo: Cia. das Letras, 1987.
SARTRE, Jean-Paul. A náusea. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2019.
_________. O existencialismo é um humanismo. São Paulo: Abril Cultural, 1984.
WEBER, Max. A ciência como vocação. In: Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1982. p. 154-183.
________. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
VALÉRY, Paul. Études Philosophiques. In : Oeuvres I (Collection Plêiade), Paris: Gallimard, 1957. VIRILIO, Paul. Vitesse et politique: essai de dromologie. Paris: Editions Galilée, 1977.
Publicado
2020-07-02
Seção
Dossiê Filosofia da Técnica e Educação